Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

13
Out20

MIRALINDA

Peter

miralinda.JPGCasa construída pelo nativo e conterrâneo José Troncho de Melo, médico,provavelmente até pelo pai Manuel Troncho de Melo, nos princípios do séc. XX, está nos dias de hoje em lamentável ruína, sem donos e sem futuro. Diríamos que está em decomposição, apesar de estar situada no centro do Luso, a dois passos de tudo e abandonada por todas as forças políticas , quer da  autarquia cãmara, quer da freguesia.

José Troncho de Melo, nasceu no Luso filho de lavradores com grande folha de bens. Formou-se em medicina na universidade de Coimbra e exerceu em Lisboa, no Luso e no mar, a bordo de paquetes  que faziam as viagens transatlânticas entre a Europa e a América latina. Médico, estudioso, um pouco de cientista, escreveu vários livros. Entre eles Luso-Bussaco Estação de Repouso, Buçaco e seus Horizontes ou Leonor de Lencastre. Na sua época,teve a sua Vida, teve uma  Obra, depois  foi esquecido pela terra que o viu nascer. Foi um homem de carácter , impulsivo, dinâmico , que não esqueceu o seu lugar no mundo que era o seu. Fez conferências em Portugal e Brasil, onde conviveu e colaborou com a comunidade portuguesa e com a família de Melo Pimenta, originária do Luso. Foi presidente da Câmara do seu concelho. Homem ativo e controverso no bom sentido, passava muitos dias nas suas propriedades e fazia prospeção de água, abrindo numerosos poços nos seus terrenos,  no entanto, sem grande êxito na busca,  chegou á conclusão por experiência própria que a vertente oeste da serra do Bussaco é parca de água. Muitos desses poços ainda subsistem nos seus pequenos caudais ou simplesmente choros de água que sobrevivem.  Por ser ativo, participante e polémico, os conterrâneos obsequiaram-no com a alcunha de Ciclone, numa época em que poucos passavam sem um apelido extra, uma alcunha adaptada a um jeito ou um feitio.

A Miralinda foi vendida em meados da séc. XX ao industrial de azeites Correia da Silva, quando construiu em Stª Eufémia uma fábrica de extração de azeites por processos quimicos. Depois de a recuperar e modernizar, este industrial do Porto ali viveu alguns anos com a família.  Depois de moradia familiar, passou a Casa do Povo e finalmente a posto médico da segurança social. Hoje, esta casa está abandonada , entregue á sua própria ruina.

miralinda1.jpg

Por volta da viragem do século,  a segurança social  retirou-se do edficio, que ficou então entregue á última direção eleita ,como propriedade sem dono. Se tivesse sido entregue á Câmara Municipal, poderia ter sido recuperada com apoio da comunidade europeia, direcionada para biblioteca publica, museu de hotelaria ou outro destino consentâneo com necessidades da terra, no entanto, não se conseguindo esclarecer a situação o desleixo e a incuria tomaram conta do bem até aos dias que correm . A vila, além de não ter poder próprio, também passa  pela  falta de iniciativa dos naturais  para lutar por estruturas próprias.  Um museu de hotelaria ou um monumento dedicado aos homens ,estruturas de entretenimento capazes de criar desafios e atrair o turista,  uma entrada na Venda Nova espaçosa e digna , onde a água tenha um lugar de eleição, lutar pela construção da barragem  projectada para o Vale de Ribeira, uma bacia liquida necessária para apoio à floresta e aos fogos, mas também ao turismo, uma  funivia entre o Luso, o Bussaco e a Cruz Alta, uma pista de squi alpino numa encosta da serra, usando materiais modernos que substituem a neve com êxito, como existe Europa fora, uma praia fluvial nas margens do lago que hoje não tem uma utilização que se dirija á industria da terra , turismo e alojamentos. De facto , o Luso habituou-se a ter tudo feito e hoje, quando a crise se instala e fica, não há outras respostas para atrair e fixar o visitante, quando até as falhas do contrato de concessão das termas não se faz  cumprir, algo que é degradante para nós , enquanto portugueses.Os seiscentos euros anuais pela concessão da mina de água termal, foram substituidos pelo nada que fica na vila, pela mudança do engarrafamento da água de Luso , pelo fecho e transferência da sede da empresa para Lisboa e pelo, uma dádiva perversa da comunidade europeia que permite o roubo da riqueza por outros membros da união. pagamento dos impostos na Polónia.

Depois, enquanto existirem cavacos que vendem os bens públicos ao capital estrangeiro, Tap,Cimpor, Galp, CTT, EDP, Central de Cervejas e até a água de Luso e socraticos que dolorosamente nos fazem pagar  as dividas  até às gerações dos nossos netos e bisnetos, mediante contratos faraónicos que fizeram  em favor  de compadres e familias,  e com lucros não sabemos para quem, não existem formas de sair desta agonia que já tem barbas e séculos. Um Portugal no mesmo lodo   da injustiça e duma democracia que tem imperadores no topo dos partidos.

Hoje, o imóvel da Miralinda, como outros palacetes valiosos existentes, vai processando a sua ruína  perante um  poder abúlico, cego, inerte, onde a incuria e a noção do património e das irresponsabilidade que cai sobre os  que se candidatam aos lugares politicos, se limita ao silêncio e á ignorância . Nem a freguesia, nem o município , nem as pessoas naturais e residentes, se levantam em voz ,  para que se faça um aproveitamento digno do imovel antes que se transforme definitivamente nuns restos de lixo urbano.

Quer as termas, quer o nome do construtor cidadão do Luso, Troncho , nem aqueles teimosos que continuam a acreditar na  vila mantendo os seus negócios com extremas dificuldades, merecem  respeito da parte de quem manda.  Esse respeito  ou cumplicidade  vai para os investidores capitalistas  estrangeiros , os que levam a nós, o cidadão comum, anos de vida e  sacos com riqueza que era nossa. Perder o que temos por incúria, é o pior que pode acontecer a um país, quando  não há massa critica nem vontade politica nas  estruturas politicas dess país,  para saber governar decentemente, agora que não há Albuquerques, Almeidas , Castros e Albergarias para assestar  canhões  nas terras indefesas conquistadas. Num concelho pobre de  património, mas muito pior que isso, pobre de ideias, as coisas agravam-se á bolina dos ventos partidários , do seu rei e do seu capelão , quando não é o mesmo. A Miralinda,  situada num sítio soberbo deste pequeno burgo, é  um   exemplo acabado da  brincadeira politica  que gere o solo pátrio.

 

15
Jul20

LUSO, PEDITÓRIO PUBLICO

Peter

RSCN6323[1].JPG

  PEDITÓRIO PÚBLICO   

O Luso  e as suas termas estão tão abandonados pela  Câmara da Mealhada ,  que penso  valer a pena voltar a registar alguns fenómenos, pelo menos para registo futuro, e não ficar a olhar pacientemente  para obras de quem investiu nos últimos oito anos  numas retretes públicas apenas, as do Lago ,que não sabemos se por necessidade, se por gozo com as gentes da terra ! Os Castanheiros estão abandonados, o Bussaco, que ainda  é da freguesia, apesar de ser a descer ,  não o conseguiram levar para a Mealhada nem para a Antes, está numa miséria como nunca esteve e já levaram o posto de saúde   ou acabaram com ele ,por não terem dinheiro para compor o telhado ou qualquer outra anomalia que exige manutenção.   Os utentes vão para a pampilhosa de táxi, que nem comboios há! Uma gestão maravilhosa a favor dos municipes que lhes pagam as loucuras.

Por fim, não por último, na estrada principal da estância de turismo (?) as pedras revoltadas levantam-se do chão e são elas que protestam contra a criançada politica dos paços municipais. Não tarda, cada automobilista que passa, tem que sair do carro e afastar a pedra para conseguir passar, que pelo passeio dos peões já se vai. E curiosamente, é uma obra feita pomposamente pela Câmara, uma tal requalificação do centro histórico das terrras,  á medida de quem exerce funções públicas sem saber o que está a fazer.  E estes políticos, ou  provavelmente emitadores, não percebem absolutamente nada, e sublinho absolutamente nada, de turismo, hotelaria, ou markting do sector.  Tanto ou tão pouco que fizeram  um posto de turismo onde não há turismo , gastando o nosso dinheiro mal  e sujamente. Por outro lado, há coisas inexplicaveis neste concelho, como é o caso da Escola Profissional da Mealhada. Um negócio muito mal contado numa autarquia que no fim do ano não tinha dividas e agora não tem dinheiro para aguentar a Escola. De joia da coroa de muita gente "ilustre" da Mealhada, passou a mal amada , ás vezes comprada e vendida sem transparência e  sem interesses visiveis para o municipio. Um lobby que se vai ou que se transforma ao sabor dos ventos de meia duzia de familias da sede do concelho, aqueles que habilidosamente  procuram empurrar o barco à sua maneira. Sejamos claros. Muita coisa haveria  que explicar nestas trocas e beldrocas onde ás vezes  também se envolvem organismos que deixam duvidas no espirito de quem pensa. E a coisa publica deve ser  tão clara e transparente ,  como um copo de àgua pura, o que não é. O cidadão fica com dúvidas , o pior  inimigo da coisa limpa , haja razões ou não haja.  No principio do ano escolar, foi anunciada a criação do Polo Escolar do Luso na ex-sede da  SAL . Acabou ridiculamente em nada.Sem decoro, sem respeito, sem vergonha!      E a talhe de foice, relembro o caso da pretensão de fechar o  Palace Hotel do Buçaco, que afinal tinha apenas um sensor avariado. Não é viável, nem sustentavel que a Câmara  pretendesse o fecho do hotel, por "burrice ou ignorância" política, muita coisa ficou por dizer  e  tudo por clarificar.  Assim como fica por dizer quanto ao destino que a autarquia dá ao dinheiro que recebe das Àgua de Luso, ou que  diga preto no branco quanto custa ao municipe a brincadeira da gestão da Mata do Buçaco com dinheiro dos municipes, a única fundação dum património nacional a ser paga pela parolice duma Câmara e seus cidadãos !  Quem quis tomar conta duma Mata Nacional que não lhe pertence  nem tem as mínimas condições para manter, fica imune ás razões de tamanho descalabro. Tempestades, ciclones ou tufões,existiram e existem sempre  e as anteriores administrações sempre resolveram. Factos que estes eleitos nem sabem, uns porque não são nativos, outros por infantilidade. Há quem explique isto  engolindo palavras e sílabas  irrepetiveis e que ninguém percebe, enche a boca de sabão para as letrinhas fugirem, já se conhece o método , mas já se viu que a esperteza deu em retórica balofa que não vence nem convence. Na minha opinião de cidadão do concelho, é tempo de acabar com esta pategada política de troca tintas e procurar gente adulta para governar o que pertence a todos, com beneficio para todos. Com transparência e responsabilidade ! Os municipios não são nem devem ser  parte de brincadeiras proíbidas, nem servir  para eternizar as  profissões  que não são.( há quem lhes chame outra coisa!).    Talvez com um peditório público porta a porta se tirasse dinheiro para assentar as pedras da rua Emidio Navarro, porque a verdade verdadinha é que  o projecto ou foi mal feito,ou o empreiteiro das obras excutou mal,  ou a Câmara e os seus canais não fiscalizaram as obras e acabaram por aceitar um mau trabalho,não sabemos razoês. Ninguém errou em todo este processo , ninguém apura responsabilidades, ninguém paga!  Duma maneira e doutra, nós, o cidadão, pagamos! Já foram repostas uma vez e já estão de novo completamente fora do sítio enquanto a edilidade (?)  assobia para o lado! Aos meus conterrânios, os principais prejudicados, só posso aconselhar a continuar a pôr o voto como quem põe um ovo, isto é, nesta gente . Continuem que breve verão a terra completamente destruída.  As intenções são claras, estão á vista! 

 

06
Abr19

ANTIGUIDADE FUTEBOLÍSTICA

Peter

IMG.jpg        

Esta é uma   equipa do Clube Desportivo do Luso fotografada no campo do Valinho .

Dos onze jogadores aqui presentes, aos quais se junta o Antero, massagista, restam três sobreviventes,

embora já não joguem. O mais pequeno do trio em  estatura é o guarda redes, o Manel  "Lapin" , 

os outros são o Manel,  mas Furriel e o António Rocha. 

À esquerda da foto , na parte  posterior, vê-se  parte da equipa principal . a preparar-se para a pose.

A fotografia é do "Lapin" chamando-lhe agora  a equipa dos três.

Como se vê,  nas bancadas há muito publico sob a sombra dos pinheiros.

O ano em que isto aconteceu, ninguém se lembra.

03
Abr19

DELFIM

Peter

delfim.jpg

Nesta fotografia , com data de 1963, podemos ver a Maria Aurora, o António Santos 

e entre ambos o monge Delfim de Vinhais , representado na revista Alto Lá Com Isso

no Teatro Avenida . Fez o papel de eremita o António Rocha , como se vê na foto.

O monge , frade, ou peregrino apareceu por aí no fim  do Verão montou um fogão no

mercado e cozinhou caldo de pedra para as suas refeições, mas  foi acrescentando

á sopa o produto das ofertas. No fim, o caldo era  de tudo menos de pedra. 

 

 

25
Mar19

HÁ 70 ANOS AQUI PRENDERAM CUNHAL

Peter

ac.jpg

Eram cinco da manhã,do dia 25 de Março de 1949,  noite cerrada, o silêncio sepulcral espalhava-se por toda a povoação como a própria neblina se espalha subindo do sopé até á Cruz Alta, o ponto mais elevado, que fica escondida por horas e horas de madrugada enquanto, diz a gente do Luso, os frades cozem o pão.

O dispositivo político militar apertou o cerco. À frente dos verdugos, Gomes da Silva, um homem já conhecido da oposição e de Militão  Ribeiro que já tinha passado pela prisão do Tarrafal. Estavam O Gouveia, o Passos, o Mortágua , a nata dos torciários á frente dum corpo da Guarda Republicana armado de metralhadoras  prontas a disparar...

( DO LIVRO INÉDITO ÀGUAS DE LUSO E OUTRAS HISTÓRIAS )

09
Mar19

OS XICOS

Peter

xicos1940.jpg

Fotografia  de 194O que mostra o grupo "Os Xicos".

O Local , como se vê é  em Luso de Além, no Beco dos Bicas .

Encostados á casa da Encarnação Durães.

Porquê? Está à vista, o Zé Gato tem a sertã , o Pereira (Perneta) tem o garrafão

o Zé Coelho  enche o copo. Atráz  o Juvêncio toca pifaro,

o Orlando , se não erro, toca bombo, o único Chico tem  as mãos nos bolsos,

o António Ferraz  olha. Foi dia de festa !

 

27
Fev19

BURRICADA

Peter

 

burros.jpg

Burros preparados para uma burricada em frente ao Gande Hotel da  MATA

nos anos de 1900-1905.  Explorava o hotel o suiço Paul Bergamin , que a 

partir de 1907 tomou conta do  Palace com o nome de Grande Hotel do

Bussaco. Em 1920, dirigido por Alexandre Almeida passou a chamar-se 

Palace Hotel do Bussaco , nome que mantem até hoje.

26
Jan19

CÁTASTROFE LUSO BUÇACO

Peter

DSC_0784.JPG

O lago continua esburacado, espécie de hospital de rua. Não é o primeiro nas Termas. No tempo das invasões francesas o hospital de sangue acolheu amigos e inimigos como se fossem irmãos, dor e morte não têm cor. Agora, no malfadado ano de 2018 depois do lago, o presidente da Câmara da Mealhada exibe o poder e manda fechar o Hotel do Buçaco e vem dizer publicamente que não foi ele! Se não foi ele falsificaram-lhe a assinatura!  Alguma bruxa ? Bisa até na Assembleia Municipal que não foi ele, perante eleitos calados. Ridículo. e impróprio! Em que democracia estamos, em que lugar vivemos e de que rebanho somos?

Não sei se já tínhamos assistido a isto no concelho, mas política não é. Vê-se sim achincalhar a política. Este mandar fazer desmentido pelo próprio, ultrapassa o respeito e confiança que se deve ao eleitor e é trágico para o município. O território está bem entregue, as Termas e a Mata do Buçaco, idem, mas as freguesias não pensem que estão melhor. Vejam onde se gasta o dinheiro do munícipe, em festas, em mercados gigantes, megaestruturas fora de uso que não se utilizam hoje, obras inúteis de cabeças partidárias pensando em votos, poder e em museus futuros. Esta outra história do museu que começa por dois milhões e trezentos mil euros para criar um só emprego, o do conservador, tem muito que se lhe diga e só por si esgota as capacidades financeiras da autarquia para outros investimentos. Uma vergonha! Há alguma razão para isto, um emprego por dois milhões e meio de euros? Descobriram petróleo? Não brinquem com coisas sérias! Respeitem o munícipe que vos paga o gordo ganha pão!

Depois, para que o concelho saiba, o Palace do Buçaco foi condenado por um detector de incêndios não apitar, razão dada pelo protetor civil que é também o presidente da  autarquia. Só não fechou porque o concessionário fez entrar no tribunal uma providência cautelar e a proteção distrital teve o bom senso de resolver a questão com a simples substituição do sensor. Por isto quarenta funcionários altamente qualificados do hotel número um deste país e as famílias, estiveram á porta do desemprego e na mesa dos apoios sociais. Como diz o povo, não somos da Lourinhã , as razões duma politica agressiva contra  município e pessoas são outras , já que a loucura é do  foro da doença e não da política. Este edil, que já foi deputado e bateu umas boas sonecas na cadeira do hemiciclo como mostrou a televisão ao tempo, governa quem e o quê? E o executivo, o que faz? Ajuda? A Assembleia Municipal, tirando uns piropos da oposição e os piropos da resposta não diz nada, e os maioritários entram mudos e saem calados, um triste e pobre exemplo do que são representantes eleitos pelo povo.

Se queremos ir em frente como concelho não é com mordomias, influências e compadres. Calando as nossas vozes não se vai longe. Há que mudar de vida, de mentalidades, de atitudes, de políticas de interesses duvidosos.

Antes de um conselho ao visado deixo ao leitor um texto de Eça de Queiroz que me parece oportuno para que se veja o Estado a que se chegou  nesta quintarola de artistas, e mordomos. Cá vai do nosso Eça e do seu  conto “A Catrástrofe”;

“…Sempre o Governo! O governo devia ser o agricultor, o industrial, o comerciante, o filósofo, o sacerdote, o pintor, o arquiteto, tudo! Quando um país abdica assim nas mãos dum Governo toda a sua iniciática e cruza os braços esperando que a civilização lhe caia feita das secretarias, como a luz lhe vem do sol, esse país está mal; as almas perdem o vigor, os braços perdem o hábito do trabalho, a consciência perde a regra, o cérebro perde e acção. E como o Governo lá está para fazer tudo, o país estira-se ao sol e acomoda-se para dormir…”

Troque-se Governo por autarquia e tudo piora, a escala é inversamente proporcional ao tamanho da obra.

Quanto ao conselho, só há um, demita-se! É o que se faz num país sério!

Luso,Janeiro,018      Aguasdoluso.blogs.pt

 

14
Jan19

A PROTEÇÃO CIVIL NÃO É O PAI NATAL

Peter

varzeas city.jpg

H á dois anos foi o desastre total com dezenas de mortes. No ano de 2017 foi o melhor dos males, pouco havia para arder, mas foi uma vitória segundo a partidarite. Este ano entre polémicas e jogos de poder, um Natal trágico faz a morte duma equipa aerotransportada de saúde pública a que se associa um enredo de anarcas e burocratas que não descobriram o Heli. É o colapso da proteção urdida nos partidos. Ou seja, uns clientes mais a controlar os meios dão nisto. Regras, horários, fichas, chefias, requerimentos, papeis, licenças. Por fim, salvar o próximo. Uma paralisia frustrante, num sub-produto saído de inteligências partidárias, sábias cabeças das margens da corrupção e bancarrota. O oposto da ajuda a quem precisa. O absurdo de se poder legislar qualquer coisa” boy a boy”! Uma gigante unidade de comandos e subes que leva horas a juntar terços para acudir a quem está com a corda na garganta! Duzentos e três homens perdidos no terreno, sessenta e nove a olhar o vale do rio Ferreira, mais cinquenta e cinco carros numas curtas andanças e os galões a sêco porque chove.
Sete horas para encontrar em Valongo, freguesia de Valongo, área metropolitana do Porto, um Heli amarelo vivo com quatro vítimas dentro. Desfeito, duas dentro e duas fora. A proteção civil não anda á chuva, muito menos em vendavais, garantia para os portugueses numa futura catástrofe. Um tsunami e não se sai das casernas! Não há focos, holofotes, um acidente não é nenhuma festa que dê votos! Mas dá ajudas de custo, ainda que na barraca!
Um patético coronel, gordo, limpo, farda passada a ferro, galões cinzento mate, chega à conferência de imprensa sem nada para dizer. Homem doutro planeta, não sabe nada. Além dos regulamentos, da lei, do protocolo. Guardas de honra, seis de cada lado numa mesa quadrada apoiam o silêncio. Sabem o mesmo nada que sabe o graduado. Há regras a seguir, preceitos, autorizações, sentinelas e continências. Chefias, os bombeiros, o INEM. Das vítimas nada. Mortas ainda não estão. Às vezes há milagres! Nada foi encontrado, ouviu-se. Quase sete horas após o desastre, ás portas do Porto, área metropolitana, falam em prolongar o metro de superfície e tudo! E nada. No alto, Santa Justa tem uma ermida. O que esperar da santa assim de sopetão?
E grotesco do grotesco, foi preciso meia dúzia de motards do clube local para encontrar os corpos e o aparelho desfeito na noite de breu.. Disseram em entrevista. Bateu numa antena de oitenta metros de altura, sem luz, no cimo do monte. E despenhou-se por ali abaixo como não podia deixar de ser. Nem a santinha, lhes valeu! Uma antena sem sinalização. Fui eu, um cidadão que a autorizei e esqueci de iluminar. Não serviram de nada os telemóveis do heli, das vítimas, dos organismos. O GPS muito menos, o Siresp costeiro nem se fala! E depois protocolos e continências não salvam população.
É isto a proteção civil que manipula bombeiros? È isto que querem fazer ao ministério público, controlado pela “boyada “dos partidos? São inocentes que morrem, voluntários sem nome e sem galões. Não são robots. Se alguma das vítimas chegou com vida ao solo, não sabemos, morreu da cura. Como quatro dezenas há dois anos, assadas na estrada de Pedrogão. A mesma inépcia. Semelhante anarquia. A serra de Monchique ou a estrada de Borba! Os mesmos funerais, as mesmas homenagens, iguais figurantes em altas cilindradas. As mesmas palavras e inquéritos sem resultado.
No domingo, quando os grunhos da bola derem uns pontapés, será como antes. Esquecem-se mortos como os banqueiros que roubam! Cala-se com cinco ou dez euros a tripa do ordenado, a humildade com a cultura pindérica e Portugal com o paraíso europeu!
E o Pai Natal faz a festa !
Esta versão de proximidade é da rede da comunicação social e embora sem uma fita de tempo, é a sucessão dos factos contados. Imagens, palavras, entrevistas , opiniões no seu tempo real. Pêsames ás famílias . Natal,2018

 

02
Jan19

2018 UM ANO PARA ESQUECER

Peter

 

lago.jpg

Fotografias tiradas hoje no lago do Luso ainda internado no hospital de ar livre por conta da Câmara da Mealhada. Não é o primeiro na freguesia, já existiu um de sangue no tempo das invasões. Enterrado o péssimo ano de 2018 , uma vergonha da politica para se esquecer, a estância termal ficou numa completa ruina , tal como este lago e a sua envolvente . Piscina fechada, restaurante e café encerrados, não há vivalma que se aventure neste deserto, um recurso turístico promovido pelo presidente da edilidade, génio da politiquice actual, apostado como está em destruir o Luso e creio que todas as outras freguesias em prol da cidade que governa.
No malfadado ano de 2018, o mesmo edil mandou fechar o Palace Hotel do Buçaco por sua própria iniciativa e talvez a conselho de assistentes bem pagos, e embora minta dizendo que não foi ele, a verdade é que foi ele próprio que assinou os documentos, ninguém lhe falsificou a assinatura. Com tal gestor o concelho está bem entregue e as Termas do Luso e a Mata Nacional do Buçaco ainda muito mais. Basta dar uma volta pelos respectivos locais para se ter uma ideia que a fundação camarária tem feito a favor do património que é de todos nós portugueses, o da Mata Nacional, fruto dum assomo genial do ex-ministro Sócrates que despachou a responsabilidade do Estado para uma câmara amiga e de tão pequena dimensão. Os amigos são para as ocasiões, a leviandade para sempre.
O Palace Hotel do Buçaco não fechou por seis meses renováveis a partir do verão passado, pena a que foi condenado em razão de um detector de incêndios não apitar, motivo evocado pelo protector civil, que é ao mesmo tempo edil, usou para o fechar. Como se todos fossemos, como bem diz o povo, da Lourinhã!
Valeu uma providência cautelar interposta por Alexandre Almeida, o concessionário e o bom senso da protecção civil do distrito de Aveiro para resolverem o assunto com um apito novo. O var trabalhou bem.
Foi bom porque o cidadão presidente esqueceu os quarenta profissionais altamente qualificados que trabalham na unidade hoteleira e nem pensou sequer no seu destino nem no sustento das suas respectivas famílias. A não ser que os metesse na Câmara que já é o maior empregador do concelho , mas com mulheres e filhos , primos e afilhados, a coisa tornava-se complicada…

barraca.jpg

Este politico, que já foi deputado e aproveitava para bater umas boas sonecas no Parlamento como mostrava a televisão ao tempo, faz uma coisa inédita, em vez de construir, destrói. E a seguir diz que não foi ele !!!!
Eu aproveitava para deixar um excerto dum texto de Eça de Queiroz que me parece oportuno para que se veja o Estado a que o Estado chegou e deixou chegar esta quintarola de artistas, sobretudo de pintores e de mordomos.
Cá vai do nosso Eça o que deixou escrito no conto “A Catrástrofe”;
“Sempre o Governo! O governo devia ser o agricultor, o industrial, o comerciante, o filósofo, o sacerdote, o pintor, o arquitecto-tudo! Quando um país abdica assim nas mãos dum Governo toda a sua iniciática e cruza os braços esperando que a civilização lhe caia feita das secretarias, como a luz lhe vem do sol, esse país está mal; as almas perdem o vigor, os braços perdem o hábito do trabalho, a consciência perde a regra, o cérebro perde e acção. E como o Governo lá está para fazer tudo, o pais estira-se ao sol e acomoda-se para dormir…”
Substitua-se o Governo pela autarquia e as coisas pioram porque a dimensão da escala é inversamente proporcional ao tamanho da asneira.
Para que quer o cidadão politicas e políticos tão bem dimensionados?
Se um dia disserem por aí que o populismo avança, não se admirem. É que alguma coisa tem de facto que mudar, para onde é que não se sabe!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

bandeira

badge

Em destaque no SAPO Blogs
pub