Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

27
Set18

MUNICÍPIO DE CASTIGO ?????

Peter

...de castigo está o Municipio todo por causa dos quinhentos mil euros que vão ser gastos em todas essas obras"...

fonte cor1.jpg

 Estas são palavras do senhor Marqueiro presidente da Câmara a propósito dos gastos com a recuperação do lago, piscina e cafetaria nas Termas do Luso, palavras proferidas na última Assembleia Municipal. Não se pode estar senão em absoluto desacordo politico com a sua opinião. Por variadas razões. E cito.

Em primeiro lugar porque 500 mil euros são cem mil contos antigos que hoje mal chegam para comprar três assoalhadas; segundo porque a obra do pavilhão foi lançada e executada sobre a responsabilidade do próprio; terceiro porque lendo as actas da Câmara ou o orçamento anual é fácil encontrar soma  maior com carnavais, festas, assessores ,almoços e quejandos; quarto porque nunca a Câmara fez manutenção ás estruturas do lago e pavilhão; quinto porque deve entrar aqui a história dos dois ou três cêntimos que a Câmara recebe da Sociedade da Água do Luso por  litro de água vendido que deviam ser gastos na freguesia do Luso. E vou explicar porquê para que fique claro a proveniência desta verba que a autarquia arrecada em segredo, no mínimo estranho ou comprometedor, quando a lei exige clareza e rigor na informação financeira que passa para os munícipes.

Sem dúvida que na origem desta verba está a geminação Luso/Contrexeville, geminação efetuada quando era poder na Câmara e na freguesia do Luso, o PSD. Esta geminação é a Eva do parto dos tostões litro, a fonte do contrato de amizade que mais tarde nos levou,  Junta de Freguesia e Junta de Turismo, em tempos já socialistas, àquela cidade francesa na continuação de visitas anteriores. Eram Homero Serra e Jorge Carvalho pela freguesia, António Gonçalves, o empresário Carlos Alberto  e eu próprio pelo turismo e fomos nós que nos apercebemos do desafogo financeiro de que gozava o município gaulês, bem como das muitas estruturas termais e turísticas que ali existiam. Um estádio municipal, piscinas, centro hípico, um pavilhão, do qual foi trazida mais tarde a cópia para o pavilhão do Luso.

Do desafogo da Câmara local dava-nos conta Simone, a nossa anfitriã em França, solícita a receber, instalar e trocar informações ou a incentivar a nossa atuação, o que nos abriu um caminho. Foi o caso dos cêntimos/litro de água na altura em francos que a empresa das águas de Contrexeville dava á Mairie (Câmara) por cada litro de água vendida. Trouxemos  connosco a ideia na mala dum regresso com a esperança no bolso, um desafogo para a freguesia e capacidade para executar  obras emblemáticas que vinham de longe como o parque de campismo ou a reconversão da Quinta do Alberto, dos nossos pais e avós que á Câmara  interessavam muito pouco. Mas também o pavilhão, o campo de futebol (onde estagiava a selecção francesa) uma piscina , uma biblioteca, um museu de hotelaria .Eram  portas aos sonhos impossíveis. Porque se tratava de sonhos a ideia cresceu e ganhou forma, neste mundo nada acontece por acaso, nasce de ideias, do conhecimento, do raciocínio e só depois os actos. Sonhos ingénuos dum tempo em que se ofereciam á caridade as senhas da Assembleia Municipal ou as remunerações da Junta !

Mas foi quando metemos nisto Marqueiro, o presidente da Câmara, e relembremos que a geminação era apenas Luso/Contrex,  surgiram os problemas, porque o órgão freguesia não teria capacidade legal para assinar estes contractos ,(hoje duvido) perante uma lei que não é igual para todos, como hoje continua a não ser, retirando o poder ás Juntas de Freguesia, ao contrário do que acontece na França onde todos são municípios , grandes ou  pequenos, todos tem o poder de serem donos de si próprios e dos seus destinos.

Como havia um litígio, litigio que nem tinha razão de ser porque a concessão termal é do Estado e não do município, a decorrer entre a Câmara e a Água de Luso no tribunal de Anadia, para não perder a oportunidade concordamos em que o contrato fosse intermediado pela Câmara  e assim foi  o presidente da câmara a concretizar o negócio.

Um péssimo negócio para o Luso porque a autarquia “fechou-se em copas” até hoje com falta de ética, de seriedade e de transparência política! Até hoje sem especificar de forma publica a todos os munícipes o quanto recebe, porque o recebe ou o que faz a este bónus anual, receita que julgo, a maior parte dos munícipes deste município até desconhece. Isto parece-me extremamente incorreto, é a falta total de seriedade, rigor e transparência da gestão publica no que ao cidadão pertence e é devido saber. Segredo e autoritarismo que a câmara sobrepõe á lei  da transparência que exige textualmente rigor e informação clara.

Em linhas gerais esta é a história dos cêntimos /litro que ainda hoje se recebem e, fazendo umas contas bem simples, nos cerca de quinze anos passados que a Câmara leva da receita destas águas do Luso que podemos estimar  entre 300/400 mil euros anuais, dependendo das vendas da empresa , dará totais na ordem dos  cinco /seis  milhões de euros até hoje.

Quanto exatamente? Não sabemos. Foram gastos no Luso? Não. Onde foram empregues? É segredo. Que benefícios teve a freguesia?  Nenhum.

É um segredo, que espero esteja escondido no silêncio dos números orçamentais no grupo de contas que lhe compete , mas que não se consegue distinguir na nudez dos algarismos quando afinal todo o cidadão tem o direito de saber.

Por estas razões , não se vê pois onde ficará o município  prejudicado como diz o edil, com o que gasta no Luso, primeiro porque não gasta estes tostões que são do Luso na freguesia, segundo porque a vitima é de facto o mesmo Luso que em mandato e meio que leva do pobre “remarque” politico de edilidades marqueiristas, só viu a obra duma retrete publica depois de fazer ensacar na tesouraria da câmara  o robusto prémio da  água, provavelmente á volta de um milhão e meio dois milhões de euros  Um presidente assim talvez precise de óculos para ver melhor a política que faz ou de tomar um aditivo cerebral para lhe lembrar os contratos e as verbas. Amando tanto esta terra ,  que faria se não amasse!

Amar não deveria preocupar um presidente eleito, deveria sim ser um veículo de respeito por cada uma das peças que são as freguesias do seu município e regular o seu valor intrínseco. Respeito pelo território, pelo património e pelas suas gentes como um todo. E já que uma obsoleta divisão política administrativa concentra o dinheiro num ponto, há que alargar esse centro até aos limites do território, isto é, em vez sacar o que resta a cada freguesias devia  crescer num todo até atingirmos um dia a cidade comum. O contrário é o absurdo, o esvaziar dum chão já de si carente, isolado , sem ideias nem estratégias.

Se na realidade o Luso e as termas ou o Buçaco estão muito mal, as outras freguesias infelizmente não estão melhor e se o edil  não tem dinheiro é porque o tem gasto em festas, jantares, assessores, feiras e foguetórios e até se deu ao luxo de mandar para casa uma professora diretora da escola profissional, onde depois estranhamente colocou um marçano como diretor politico. Por isso pagou a autarquia com os impostos de todos nós munícipes, cinquenta ou sessenta mil euros de indeminização á vítima, no cumprimento dos caprichos do ego presidencial. Não sabemos de outras razões. Finalmente gostaria que o cidadão comum soubesse também como se prepara alguém que nunca foi precário nem empregado duma câmara para chegar a chefe de divisão dessa mesma câmara. É que há por aí milhares de funcionários com dezenas de anos de serviço que ainda não estão nos quadros do Estado e gostariam de saber os meandros para seu próprio interesse e governo. É que  ao fim e ao cabo somos todos portugueses e republicanos e embora crentes numa Senhora de Fátima, não consta que ande por aí a fazer milagres de município em município!!!

Luso,Setembro,2018                                                       Águasdoluso.blogs.sapo.pt

 

13
Ago18

LUSO,QUEM TE VIU E QUEM TE VÊ!!!!

Peter

lago seco.jpg

Estas imagens referem-se ao Lago das Termas do Luso e ao estado

calamitoso em que se encontra. Construído há uns anos com

o esforço da freguesia do Luso, da Sociedade da Àgua de Luso ,

da Junta de Turismo Luso-Buçaco e da Câmara da Mealhada

encontra-se hoje nesta lastimosa  situação.

lago barco.jpg

A gestão a que tem estado sujeito lago e espaço envolvente por

parte da autarquia Câmara da Mealhada, sem manutenção, sem

pessoal, sem melhoramentos, ao total abandono  em 

termos de turismo , conduziu á destruição lenta do lago e de todo

espaço envolvente desde que foi extinta a Junta de Turismo Luso-

Buçaco, anterior  entidade gestora.

laco fundo.jpg

Esta falta de interesse politico pelo desenvolvimento das Termas do

Luso manifestamente traduzido nos actos levados a cabo pela 

autarquia é o sintoma da sua incapacidade para gerir o turismo

local . A falta de manutenção do lago provocou a abertura dum poço

entre este e o pavilhão gimnodesportivo local, outra estrutura 

turistica na gestão da autarquia.

lago 1.jpg

 A piscina sobranceira ao lago foi igualmente fechada por ameaçar

ruina e com ela a concessão dum café restaurante que completa  o

espaço , verdadeiramente indispensavel para o  funcionamento

dumas Termas com 166 anos de existência. Fechou sem  abertura

de novo concurso de concessão.

lago repuxo.jpg

Creio que estas imagens elucidativas  ilustram bem a falta de 

interesse , de conhecimentoe e a incompetência de quem gere os 

destinos das Termas  do Luso, neste caso particular na vertente do 

turismo, a única actividade que pode manter em aberto a 

sobrevivência da vila do Luso.

lago bar.jpg

Nesta fotografia , o bar cafetaria , o restaurante que servem o local

e a piscina, também fechada e abandonada , como se pode  

facilmente constatar pela imagem. Todo este espaço, embora

pequeno, faz parte dum universo local que custou muito fazer 

para determinado fim, o desenvolvimento das termas.

lago geral.jpg

Convém lembrar aos responsaveis (ou irresponsaveis)

politicos que estamos em pleno mês de Agosto e que deviam não só

saber , como refletir sobre o facto de estarmos no auge da época 

balnear  , época em que esta terra pode fazer os seus negócios e

lutar pela sua própria sobrevivência.

Como sabem, ou  devem calcular, o dinheiro não cai do céu,

como acontece aos politicos. Ou pseudo. 

O caso é mesmo para deixar aqui uma pergunta popular:

"Quem te manda a ti sapateiro, tocar viola? "

Sem ofensa para o sapateiro!!!!!!

proibido.jpg

E finalmente o espírito, proibido entrar na rua....Tacanho?

Talvez , mas assim não se vai longe !!!!

Como se pode não ver aquilo que está á vista???

É o espírito da coisa ! Cem anos, para mais!!!!

Pena ainda maior é que  também a gestão da Mata Nacional

do Buçaco , passa pela mesma autarquia!!!!

 

31
Jul18

A BELA LIGÚRIA E O TURISMO GRAVETO

Peter

 

RSCN5398[1].JPG

 

 Dúzias de deslocações intra-europa , apesar de se traduzirem por viagens curtas que não excedem no máximo as três horas de avião começam a tornar-se tão repetitivas quanto maçadoras, não a viagem em si mas os apêndices ao trajeto principal , cem quilómetros para atingir o cais de Pedras Rubras ou os duzentos de Orio al Sério a Milão e á Ligúria, verdadeiramente á Bela Ligúria. A região é das mais pequenas da península itálica, mas não deixa de ser das mais belas, uns quilómetros de costa mediterrânica entre Monte Carlo e Pisa, com locais como S.Remo, Albenga, Noli, Génova , as pérolas de Santa Margarita e Portofino , Sestri Levante e as  Cinco Terras, esse soberbo património humano e ambiental hoje quase  tão invadido como a famosa torre de Pisa ou a Santa Maria della Grazie de Florença.

De facto, se há quinze anos podia meter-me no comboio regional e visitar o património aldeia após aldeia com comodidade, hoje tenho que reservar o bilhete no comboio especial que faz em continuo o Génova Cinco Terras e volta , incluindo a entrada e o percurso pedestre entre as escarpas penduradas nos Apeninos lígures donde se abarca toda a beleza duma  chegada genuína a cada povoação. Verdadeiras joias da arte na transformação do ambiente duro e hostil em paraíso que leva milhões de visitantes aos vários patamares onde se amontoam pescadores que não ultrapassam os cinco mil habitantes. Uma mistura onde estes ficam a perder ante os dois milhões e meio de turistas que ali chegam todos os anos e que as entidades monitorizam para controle, defesa e viabilidade do património do parque. Mais abaixo, na linha costeira recortada por angras e enseadas um mar sereno e límpido esconde os pequenos cais onde aportam os barcos, as únicas entradas que, juntamente com o caminho de ferro que túnel após túnel perfura os Apeninos, dão acesso a cada povoação. Comboio e barco, barcos que partindo do porto de Génova, do porticello de Nervi, do pesqueiro de Camogli , Sestri ou Lavagna , atingem  as cinco aldeias do percurso  e que mediante um único bilhete nos dão total liberdade para entrar e sair onde nos aprouver oferecendo ao visitante a segurança e liberdade para se deslocar.

Eu, que  participei alguns anos na gestão dos nossos modestos recursos turísticos e durante a vida convivi com a indústria da terra onde nasci, tenho hoje muita dificuldade em compreender e falar do nosso turismo ,não por serem recursos diminutos quase insignificantes em relação ao continente europeu onde esta zona se insere, a Riviera italiana, mas pela forma displicente, leviana, demagógica e irresponsável com que são tratados e entregues sem qualquer noção do seu valor á anárquica gestão das autarquias , de todo incompetentes nesta área de importância vital para o país.

Políticos que hoje, na sua impreparação para gestores, querem abarcar funções dum primeiro ministro dentro  das suas cidades paróquia e para quem o turismo é a festa de S. Torcato lá da terra que já absorveram pelo orçamento da “cambra”. Um circo de ingénuas mordomias mais para chorar que para rir. Abandonada duma forma cega e muda por meia dúzia de “tachos” à moda antiga, a economia turística foi arredada dos governos por conta das  redes de partidos mata borrão e não de profissionais competentes e acabou-se com o ministro da tutela numa atividade que, mesmo pessimamente gerida e abandonada pelo Estado,  contribui com a maior parte das divisas que este país arrecada todos os anos, de longe a mais rentável industria nacional  que urge sustentar, incentivar , qualificar e aumentar.

Num pobre Portugal isolado no penúltimo lugar da miséria europeia a vinte e oito e que deve á conjuntura da moda destes últimos anos o crescimento do sector do turismo e por consequência o ganho de alguma credibilidade perante os 128% do estrondoso rácio divida / pib, o que se faz??? Aliena-se a gestão pelas capelas, sem estratégia, sem rumo, sem objetivos, sem resultados sem rigor, ao deus dará de autarquias que só pensam em festas para “animar” a malta que lhe há-de pôr os votos na urna como as galinhas dão ovos. E a verdade é que um país não é exatamente a capoeira dos futebóis, mas um acerbo sério de todo o cidadão que precisa de sobreviver e viver fora do chapéu milionário da política e dos políticos.

Ora, além do absurdo e loucura  desta aberração , caminhamos  absolutamente no sentido contrário do que me parece devia ser feito, o não destruir estruturas já experimentadas e experientes por anos sucessivos de assimilação, cruciais e indispensáveis na sustentação do país e de estratégias urgentes em tempo  e objetivos  definidos na senda de  melhorar os meios e nunca anarquizar a gestão entregando a trezentos e poucos reis mangas de alpaca  as trezentas e tais definições do que seja o turismo e o turista. Não é com ralés partidárias, imunidades e compadrios donde fogem os cidadãos honestos e melhores qualificados que se reconstrói um país. E na área do turismo pela sua importância , peso na economia e potencialidades  deveria manter-se uma estrutura de nível nacional capaz de fazer uma gestão nacional de proximidade com estratégias, objetivos , com rigor  e com flexibilidade para se poder alterar a cirurgicamente  o que for preciso mudar. Um ministério apostado estrategicamente com profissionais capacitados, gente criativa, inteligência e vontade de erguer um sector com grandes potencialidades nos tempos que decorrem. Deixar este trabalho nas mãos de autarquias requentadas em asneiras e vícios vai ser estagnar no campo do turismo desbaratando oportunidades permanentes de criação de riqueza. O turismo não é o S.Torcato lá da terra nem a panaceia para tudo  e qualquer coisa. Nem são as galinhas dos ovos de ouro ou o património da Unesco que constroem as vias do turismo. Estas, podem abrir caminhos, proporcionar ocasiões, criar oportunidades, mas cabe ao homem, ao seu trabalho, á sua seriedade, á sua honestidade, sabedoria, profissionalismo e sentido do dever, o levar o sonho em frente. Sem as traficâncias e armadilhas dum regime que se deixou adormecer na vida fácil de políticos incapazes, apostados nas suas reformas milionárias e em festejar o imaginário pródigo e próximo que nos levou á ruína em que estamos.

Se as Cinque Terre que conheci há quinze anos fossem pelos caminhos dos compadres, dos padrinhos e das máfias partidárias, não estariam na via acelerada dos três milhões de turistas que não duplicam num ano porque se quer sustentada a economia das pessoas e manter vivo o parque respectivo. Em nada comparável ao nosso anedotário nacional. Por isso sinto sempre dificuldades em fazer comparações porque na maior parte das vezes nada há a comparar!

Nervi,Ligúria, Itália,2018

 

 

 

.

 

 

 

 

 

 

01
Jul18

LARGO DO CASINO do LUSO

Peter

barreira.jpg

 Aqui era noutros tempos a sala de  recepção deste concelho,

agora é o seu caixote do lixo. A Câmara da Mealhada, que administra

muito mal esta freguesia, tem desde o Inverno esta barreira no estado

em que se  vê,  a ruir.

Com ela, dezenas de  estacionamentos ocupados no centro da vila

com blocos de cimento para impedir o acesso. A autarquia  não

tem capacidade para gerir o espaço nem dinheiro para duas horas

de máquina para retirar o entulho e libertar a avenida .

Gastam o orçamento no que não lhes pertence e em festas

permanentes.  Não sei se as funções das  autarquais é fazer festas

mas no inicio da época balnear deveria preocupar-se com

a economia local.

Curiosamenrte no mesmo sítio há seis  caixotões do lixo. Três

no subsolo fechados a sete chaves, fora de serviço a cheirar mal,

e  três no solo a ocupar outros tantos estacionamentos.

A Câmara anda anda a ultrapassar todos  os limites do respeito

que deve á freguesia , ao cidadão e á sua fonte de riqueza

que é o turista.

 

Estamos na época balnear 

06
Fev16

DIARIO DUM PAIS RICO

Peter

DSC_1277[1]

 O homem está sentado na ponte de Avenyen junto ao Stora Teatern. Estão onze graus de temperatura negativa, o canal está gelado há muitos dias e um sol tímido e mortiço aquece-lhe o que se vê duma face entrapada numa mistura de farrapos. Sob as pernas esticadas um cobertor dobrado separa o corpo do gelo onde está sentado, recostado nas pedras grossas do resguardo do vão da ponte. Na praça adjacente depois do canal, tem acima de si a figura dum rei de bronze montado num cavalo, mais mítico que real, apontando os dedos da mão direita á eminência da guerra enquanto na outra segura a espada em acto ameaçador. Lá no alto do adorno um candeeiro monumental faz parte duma fila que dum e doutro lado iluminam a realeza nos seus atributos líricos e guerreiros que ocupam o monumento. O pobre homem porém, sob a fictícia capa da figura dum Gustavo, o monarca fundido ali, para cobrir o corpo esguio e magro usa uma comprida e rota parca azul claro a esconder a grossura dos trapos que o vão mantendo vivo. Lateralmente á sua mão direita sustem no empedrado do passeio um pequeno copo de plástico preto que agita de vez em quando fazendo tilintar moedas de uma ou cinco coroas que são produto da safra. Murmura algumas palavras imperceptíveis, iguais, lamentações. E as coroas suecas da terra da redenção, um dos primeiros reinos deste mundo a figurar nas listas estatísticas do bom viver, bom parecer. e da grande tolerância, tilintam  para  audição dos passantes  apressados. E vão caindo.

Por questões de dignidade sinto vergonha para lhe tirar a fotografia que me preparava para fazer uns metros antes e recolho o aparelho para o saco que levo ás costas e depois aproximo-me e passo pela sua frente deixando para traz o drama humano da nossa condição. Reconfortado, que hoje já dei o meu óbolo matinal das cinco sagradas coroas á mulherzinha que usa a entrada do super como ponto de pedir, igualmente entrapada em roupa uma sobre a outra numa amálgama de defesas contra as baixas temperaturas que se tem feito sentir. É um trabalho imóvel., este de pedir esmola que se tolera no Verão e no Inverno é um castigo neste clima agreste. Chama-se Maria  Petrovna ou  coisa que assim parece soar, esta mulher já feita da porta do shope lá do bairro mas a atitude é a mesma do idoso barbudo da ponte de Avenyen , a rua mais importante da cidade onde Poseidon, um gigantesco deus grego do mar e da água, olha para o Gota a ver passar os barcos sobre o gelo , talvez um quilómetro além do seu alto pedestal. Está completamente nu, se o dissesse Pêro Vaz, mostrando suas vergonhas, mas os deuses são de pedra ou de metal, são protegidos pelo homem contra os males do mundo, mesmo do frio ou da traça que pode dar num pedestal de madeira como num espanta pardais de olho na pardalada. Não há frio nem neve na cabeça do homem que o consiga demover dos propósitos de estar ali postado em bronze verde. É grande, maior que o ser humano e feiíssimo como nunca vi um deus, em absoluto o oposto das belas imagens que coabitam os edens gregos ou romanos, que não vi outros senão esses nas praças e nos museus de cidades da Europa.

Também ali, junto á porta giratória da biblioteca da cidade, romenos e romenas fazem turnos a estender o copo á caridade, substituindo-se umas ás outras durante as horas do dia. Sei que são romenos porque lhes vou perguntando contra a entrega das cinco coroas do óbolo diário, sobre a língua que falam, a razão de estar ali e se não podem trabalhar. São cidadãos comunitários, livres de entrar e sair no espaço Schengen como nós e por isso, pelo custo da liberdade, não têm o apoio dos governos como os magrebinos, sírios e dum modo geral os muçulmanos, que são refugiados com estatuto. Estes, cama, mesa e roupa lavada até identidade terão se aprenderem a língua em aulas oferecidas. Os europeus, coitados, míseros, esfarrapados, enchem as ruas a pedir. Aqui, num país onde as estatísticas dizem, vamos lá acreditar em tudo o que se diz por aí, que a pobreza não existe!!! Numa Europa do cidadão do século XXI, onde afinal o europeu que é europeu tem uma vida de cão!

Continuo o passeio até á paragem seguinte do metro. Está frio, os mesmos onze graus centigrados abaixo de zero e o melhor é ir fazer companhia ao Amadeus, o novo gato lá de casa que a esta hora está a dormir que nem um lord debaixo dos tubos do aquecimento central. Eu chamo-lhe Lord Byron e é o substituto do gato Socrates, aquele gato  emigrante que vim trazer um dia a estas terras do norte no voo 4625 da TAP, salvo erro. Morreu no ano passado com um mal desconhecido. Morto e incinerado por duzentas coroas suecas no consultório do doutor Magnuson. Andam por aí em qualquer lado as suas cinzas de lusitano dentro dum frasco de vidro transparente! São as saudades portuguesas, num mundo que se fez grande. Nada que não tenhamos no sangue afinal, o mundo!

Goteborg,17,Janeiro,2016                       

 

 

31
Out14

CHEIROS QUE NÃO CHEIRAM

Peter

cheiros.jpg

Luso, onde os cheiros não cheiram...

Há muito, muito tempo que não recebo cartas. De amor é impensável, esgotou-se, mas outras, mesmo essas, escasseiam nesta época de emails e de mensagens, de bites e celulares. Mas para espanto meu chegou hoje uma carta pelo correio e senti-me  tão feliz  que  gritei para dentro alto e bom som como se fosse uma primeira vez:

-Recebi uma carta, Luciana, recebi uma carta!

Luciana é a gata. Não percebeu nada, está claro, levantou o focinho, cheirou o ar abafado dos dias de calor fora de tempo, deu duas turras na bainha das calças quando eu abri a porta e correu escada acima á minha frente. Estava com fome e entendeu deste aparato que ia chegar a hora. Antes porém rasguei o envelope da missiva, consultei os horóscopos quando vi o remetente e fui sentar-me a ler na sala dos meus solenes actos. Era a resposta a uma reclamação que tinha feito como cidadão municipal, junto, tanto quanto sei, com reclamações de umas centenas de cidadãos. Suponho assim não ser o único a receber das autoridades uma resposta ligada aos cheiros da baganhuça que nos incomoda as narinas e a saúde há uns anos a esta parte. A banha de Santa Eufêmia, no Luso!

Em termos ambientais estava convencido que o infestar da atmosfera com fumos tóxicos e vapores de benzeno, um químico nada aconselhável á saúde dos humanos, fosse um crime! Mas afinal não é. Fiquei a saber, não há crime, afinal os cheiros não cheiram!

Crime não,diz a carta, mas eu presumo, crime será um esfomeado roubar um casqueiro para matar a fome! Poluir esta coisa indispensável á vida a que se dá o nome de ar puro e oxigénio, com cheiros nauseabundos e lixos, não é crime nenhum e se não é crime há-de ser até uma virtude! De cheiros fiquei ciente através das autoridades, ou da carta, o que vem a ser o mesmo, que os cheiros deixaram de cheirar. Coisa estranha e complexa são os cheiros! E como diverge o peso entre quem os faz e não faz! Pensei!

Eu sei que Galileu Galilei abjurou os movimentos do sol antes que a Santa Inquisição lhe queimasse os miolos na fogueira! O que não seria grande perda para o Santo Oficio, mas seria para o género humano, ora que as autoridades deste país seguissem o mesmo caminho inquisitorial, nunca pensei! Os cheiros de facto não cheiram, apesar de há duas horas atrás não se poder suportar o ranço do solo á camada de ozono. Eu sei, que temos um ministro da educação cientista, mas daí até estender a metamorfose das escolas até às investigações das autoridades, não fazia a menor ideia! Coisas de sábios, de génios!

Bendita seja a autoridade que cheirando por milhares de reclamantes não cheirou cheiro nenhum! Claro que não reclamarei mais nada, a autoridade cheirará por todos. Prescindo do olfacto, aliás para que serve o olfacto se podemos viver tão bem só com os quatro sentidos? E da visão, um olho não chega? Uma mão no tato, uma orelha? Mais zarolho menos zarolho que importância tem isso? A autoridade cheira ou não cheira?

Há contudo uma dúvida que persiste e me incomoda no que tem a ver com a comparação entre os narizes dos milhares de munícipes que continuam a cheirar apesar desta abolição dos cheiros, e os narizes dos inspectores por parte das autoridades que vieram, olharam, mediram, cheiraram e não cheiraram nada. É que na incógnita dos narizes desiguais, uns de cheirantes outros de Pinóquios, pode estar a única via para o acerto da equação matemática sobretudo se levarmos em conta que o proprietário dos cheiros, um ypsilon que afirma não os provocar nem os cheirar e que tudo não passa duma cabala que não cheira mas que vê porque não é cego, é um negociante. Tal pai, tal filho!

Em face destas conclusões, cá estou para assinar a acção popular, mas pelo sim pelo não vou embalsamar a carta e envia-la ao Museu de Arte Antiga para expôr daqui a mil anos como relíquia dum passado cinzento. Se existir o mundo e o cinzento e um país de Alices, como este nosso recanto na beira do mar “pasmado” !

Vou dar comida á Luciana, coitada, passou-me de todo o diabo da gata!      10/2014

23
Ago14

O MEU MURO DE BERLIM

Peter

 

     Por onde passam os peões, digna Cãmara da Mealhada??????? 

A minha rua é uma estrada. Uma recta, concretizando, entre dois muros. Chama-se rua da Pampilhosa e  inicia-se no Alto da Maia, no Luso, junto ao Hotel Alegre. Depois faz uma curva  larga para a  esquerda e atira-se por trezentos metros de recta até à minha casa, onde curva de novo á esquerda e segue até à Rua do Luso, na Pampilhosa. Não faço ideia onde entroncam uma na outra entre os oito quilómetros do percurso que medeia a distância entre um lugar e outro, nem mesmo se se chama assim até ao seu destino e isso pode muito bem acontecer, mas o que na realidade acontece é  que na recta inicial está encravada entre casas e muros, não deixando para os peões uma zona exactamente para os peões, uma zona pedonal. Na recta final, já na Pampilhosa porém , a minha rua tem  um larguíssimo passeio para peões do lado direito de quem vai e ainda bem,  apesar de servir apenas meia dúzia de famílias, nada comparado com as mais de setenta famílias que utilizam a minha rua do lado do Luso, fazendo  contas para cima de  quinhentas pessoas  crianças incluídas .Ora um dia destes, o muro da minha rua apareceu pintado. Pintado de branco. Parecia um véu, tão puro e leve como a água que nos tiram. Disse para os meus botões que pintar o muro não adiantou nada às necessidades do muro, que por acaso são as minhas e também as dos mais de quinhentos habitantes que moram para além da minha casa. Porque os automóveis não respeitam nada nem ninguém e passam ali a grande velocidade, é preciso morrer alguém para se lembrarem do assunto e gritarem aqui Del Rei !

Posso ser eu o morto! Ou as minhas filhas! Ou os meus netos! Ou qualquer membro idêntico das mais de setenta famílias que ali moram, que a bem dizer são todos como família. Para alem de quem  mora todo o ano  existem os campistas que por ali seguem para o respectivo parque, aliás um acesso vergonhoso, e já não acrescento os que vão para o centro de estágios ou para os funerais. Não chega o cheiro pestilento dos caroços de azeitona que conspurcam o ambiente, mais ainda o perigo de ser brutalmente atropelado? Aos mortos nada faz mal, eles, ainda que não levem padre, vão de carro. Mas os vivos, coitados, num momento podem passar á condição de mortos o que, francamente, não é uma coisa muito correcta por parte das obras dos eleitos.

Ora eu que sou teimoso e burriqueiro nestas andanças dos deveres e dos gastos das autarquias, além de me lembrar bem das últimas eleições em nome das pessoas, comecei a fazer contas e  não foi  preciso ir longe  para concluir que um passeio para peões ao longo da minha rua, mesmo que pendurado no muro que já existe, é muitíssimo menos custoso que a destruição duma  boa escola para construir outra.  Muito menos que o esquartejar as ruas em pleno Verão para empedrar o excelente piso! É uma insignificância perante os gastos da manutenção dos campos de futebol, e dos custos da água e da corrente eléctrica onde jogam mercenários! Nada comparado com subsídios e apoios a festas e carnavais. E é mesmo uma dramática miséria se colocarmos na balança o prejuízo que a autarquia afinal ajudou a provocar  com uma gestão que levou ao esvaziamento das termas. Daí achar que as coisas andam a correr ao contrário e a perguntar-me se não estarão a administrar como os banqueiros, estragando o que está feito para fazer de novo, comprando sucata imobiliária para deixar ruir. E um dia destes, imagine-se, reparei que estão a encaixotar a obra mais emblemática que a autarquia fez nas  termas, um  depósito de àgua para rega e arrecadação de enxadas e vassouras na estrada nova! Uma aberrante obra arquitectónica de excelente memória para o Luso, se bem se lembram os lusenses! No meio dum passeio subsiste o exemplar, quase dentro do recinto das termas! Isto sim é turismo!  Maravilhoso!

Quanto á minha rua, depois deste comentário, espero que o espectro partidário já tenha aprendido alguma coisa e não vá amuar pelas verdades descritas e nos deixe a todos  mais aos campistas em situação precária! Porque isto de descrever  os factos caro leitor, não é escárnio ou  mal dizer e de resto as setenta  famílias não tem culpa nenhuma da teimosia dos meus protestos nem dos lapsos dos autarcas !            Luso,Agosto,2014.                                     (In JM de 19 de Agosto,014)

17
Ago13

UM LUSO POLITICO

Peter

 

 

 

Há Mais de um século, o inicio do ciclo da água

 

Opoder de vez em quando muda. Mesmo o poder rotineiro muda, por acidentes de cadeiras, por uma lei limitativa, ou por outra razão qualquer, acaba. Temos um desses a terminar no concelho e os protagonistas a arrumar as malas, sacudir as teias que já apodrecem pelos bafiosos sótãos das casas municipais, para deixar os cadeirais do mando. Na minha perspectiva de cidadão do município os que vão sair não deixam saudades, na qualidade de cidadão do Luso, deixam atras de si o maior desastre por que a vila termal alguma vez passou nos seus séculos de existência.

Estes dinossauros sem osso manifestam á saída as serôdias saudades, duvidam da lei que os manda embora e despejam em obras desnecessárias os cofres da autarquia, não venham os vindouros a beneficiar das poupanças que fizeram para começar em grande. O mais provável será a troca fazer-se entre amigos partidários, o que nos leva a concluir que com amigos assim se pode confiar plenamente!

Numa recente entrevista o presidente cessante afirmou que nos últimos 40 anos a Mata Nacional do Buçaco nunca esteve tão bem tratada como nos três ou quatro anos que leva da chamada fundação. Eu digo que se existisse um livro de anedotas concelhio, esta afirmação teria lugar destacado entre os disparates do ano e demonstra claramente o nulo conhecimento dum homem que esteve dezenas de anos em funções de responsabilidade no território. De facto é preciso não ter a mínima noção do que foi, do que é e do será o Buçaco, a sua floresta e o seu património! Ter passado esses anos por cargos políticos no concelho sem ter percebido nada do que se passa á sua volta é deprimente.

Também não percebeu o nó ferroviário da sua terra ou o insólito campo de golf á sua porta, dinheiros públicos gastos em utópicas brincadeiras sem sentido nem lógica e de execução menos que provável. Mas o descalabro total, além do gasto dos dinheiros públicos na compra de ruinas de imobiliário de duvidosa utilidade, foi, como tenho dito, a falta de estratégia politica para o Luso, embarcando levianamente em promessas que se traduziam em verdadeiros engodos que sempre apoiou. Ajudou activamente a acabar com as termas clássicas, participou na liquidação flauteada do Bloco de Fisioterapia, colaborou no fecho da sede da concessionária e dos seus escritórios, da fábrica do engarrafamento do Luso, facilitando, sem contrapartidas negociadas, tudo o que a empresa pretendeu. Baniu do Luso o maior empregador que foi deste concelho e iniciou na sua visão estalinista a destruição do Buçaco.

 Depressa o descalabro dos políticos foi acompanhado pela derrocada de quartos, da falta de termalistas, pela implementação do turismo de pé rapado no Buçaco. Esqueceu o património Unesco, tirou o parque de campismo dos circuitos, abandonou vergonhosamente a Av.do Castanheiro, assistiu ao fecho da CP, dos correios e destruiu uma excelente escola para construir outra em cima dela. Dois hotéis foram engodos eleitorais, a Lusoinova uma pasmaceira de fábricas de sabonetes, perfumes e loções?

Rir? Chorar? Tanta falta de respeito com o dinheiro dos nossos impostos!

Hoje, é claramente perceptível a equipa que vai entrar. Tem timoneiro, é certo, mas não percebo, na minha ingénua incomodidade, por que razão vão ser votados e eleitos dois edis que colaboraram activa e conscientemente em todo este lamentável processo de destruição do Luso e do Buçaco. Leiam na net as actas da Câmara e saberão o que eles votaram e disseram. Ou não disseram!         

Será um prémio? Contrato profissional? Arranjismo ? Do timoneiro, esperava sinceramente melhor argúcia e bom senso. Não acrescento mais nada, mas que a falta de ética política é muito grande, é evidente !

Luso,Agosto,2013

 

 

02
Jun13

GOLPE NOS CORREIOS

Peter

 

Por esta velha fotografia se pode  verificar  a existência

dos correios nas Termas do Luso, desde tempos  antigos

uma estrutura indispensavel numa terra que vive do

turismo e da industria hoteleira.

Na ânsia de destruição que assola os portugueses e o que

lhes pertence, foi fechado na última semana de Maio

numa espécie de golpe de mão  pela calada da noite

sem conhecimento da população local.

A "excelência" de oportunos admnistradores talvez do tipo

Zé Telhado (um bom homem, apesar de tudo)) deu mais

esta machadada na freguesia.

Ninguém ouviu o protesto ou o choro de politicos !

Estarão comprometidos  com os sucessos??

A destruição sistemática das Termas continua com

total impunidade...e do país, evidentemente.

 

14
Abr13

O CAOS AUTÁRQUICO

Peter

 

Muito dinheiro tem os municipios !

Esta casa é no Luso . Bonita !

Enquanto as familias não tem dinheiro nem emprego, as

Câmaras Municipais esbanjam o que o estrangeiro nos

empresta em obras de fachada. A estrada, bem como

as ruas que se lhe seguem, estavam em ótimas condições

com um excelente tapete.

A Câmara da Mealhada , não sabendo o que fazer ao

dinheiro, destroi o tapete para colocar outros novos

em toda a zona !

O caos , a anarquia e a irresponsabilidade são totais!!!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

bandeira

badge