Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

05
Jan19

FECHOU O TONY

Peter

tony.jpg

N esta terra onde tudo fecha, fechou o Tony. De facto, ele vinha ameaçando e quem acreditou que brincava, enganou-se. Desta vez não era brincadeira e depois de tanta coisa que já se viu, o Tony bateu com a porta. É pena. Além de fazer falta era um restaurante genuíno de gente simpática. Alimentação caseira tradicional a preços bastantes razoáveis ele servia nativos e turistas, nem eram assim tão poucos os que aqui vinham no Verão, principalmente. Quem há meia uma dúzia de anos, pouco mais, começou a dar machadadas na freguesia do Luso, entre eles alguns eleitos que nunca abriram a boca para defender esta terra e outros que apareceram por aí depois de velhos para mostrar os galões devem dar-se por satisfeitos , cumpriram o seu dever de silêncio. O amor á terra dissolve-se no lustro dos tornozelos. Fecha tudo perante o esgar dos corvos. Uma terra tão pequena, quando a vendermos acaba, como vai acontecer. Não se guarda a memória que ela tem, não se reconhece a história nem a tradição, não há quem veja méritos dos Tónys que por aí há. Dentro dos pequenos porque grandes não há, há os mais pequenos dos pequenos que não se enxergam. Às vezes, serve-se o mérito pelas conveniências, pelas influências, pelos votos, pelos favores, pelos amigos, pelos interesses do momento

RSCN5728.JPG

O Tony, um homem com letra grande que manteve muitos anos o seu restaurante a funcionar, entre esses pequenos de que infelizmente falo reconhecendo que isso é muito mau para esta terra, é dos maiores. Se não o for em riquezas e mordomias é na verticalidade dos seus actos, na transparência das suas ambições e na honestidade do seu trato. Faz-me falta como faz a muita gente e fará mais falta ainda a esta terra , onde além dos pobres que são pobres há ainda os pobres de espírito. O pior pobre é esse. Não era para ricos mas estava aberto para todos, para servir o nativo e para servir o turista. Não em doses delicadas duma cozinha estrangeira como está por aí na moda, mas refeições portuguesas, com sabor a Portugal , para bolsas de quem cá vive. Penso que ninguém ficará satisfeito com mais este encerramento, estou a ver que mais dia menos dia para beber um café é preciso ir á Mealhada E desde já deixo o recado aos meus conterrâneos, entre os próximos a fechar está na calha o turismo , é mais um roubo da sede do concelho como aconteceu com a fonte. O esquema já está montado, os abutres andam por aí , já lá está feita a casa com o aplauso dos tolos.

DSCN5724.JPG

Se quiserem que isto seja assim, calem-se até fechar o ultimo dos Tonys e não haver mais nada no Luso, afinal a freguesia mais bela, mais rica, com mais história, mais potencialidades, mais património concelhio de valor, mais conhecida no país e até fora do país, que dá , graças ao trabalho dos seus filhos, quase meio milhão de euros todos os anos à Câmara e que não vê para onde vão. Em contrapartida não tem um emprego para oferecer aos filhos dos seus filhos. Este é o fruto do silêncio, do lambedouro das botas, da falta de noção de que sem querer não se consegue nada. Seja numa pequena terra como esta, seja num grande país! Se começarmos a pensar por aí, as soluções não passam pelos lambe botas nem pelas traficâncias , mas pela seriedade de processos e das pessoas e por uma luta cívica e firme na defesa do querer a que se tem justo direito. Quem não o fizer até esse direito perderá, por muito grande que seja. E o que nós queremos nesta terra é que os Tonys abram as portas. Pensar, é preciso! Não há outro modo de seguir em frente.

09
Ago18

A MALFADADA DIVISÃO ADMINISTRATIVA

Peter

navarro.jpg

A malfadada divisão administrativa de Portugal vem de séculos e ela nunca se acertou com o interesse das populações, do território ou do país. Feudos e coutos de antigos senhorios e morgados , foram  ganhando privilégios esgrimidos entre os interesses da coroa ,os fidalgos galegos e o clero, mas desde  o inicio o povo,  além duma cadeira mal ajeitada nas cortes ou benesses urbanizadas perante as invasões, nunca ganhou grande coisa com municipalidades, pois sempre se assistiu  durante a  história á devassa livre e selvagem do nobre ou do clero sobre o agricultor , o servo da  gleba , o  escravo. Se da nossa literatura desenterrarmos os criticos, Gil Vicente, Camões, Alexandre Herculano, Eça, Oliveira Martins, Verney, Sanches, Aquilino, Ferreira de Castro,Pessoa, Saramago entre outros, o português pouco ou nada granjeou das  guerras, das conquistas, descobertas e outras oportunidades que lhe foram deslizando na frente do nariz, para além da autorização natural que lhe proporcionou a fortuna  ou o azar de ter nascido. Que essa, do livre arbítrio da sorte ou do céu , não estava na mão do nobre modelar, apenas  lhe passava pelos dedos em certas ocasiões o direito de matar ou esfolar  tão dura sorte que a morte se sobrepunha á dor  como sereno alívio.  

Fora pois dos períodos de terror em que o próprio rei, senhor feudal ou nobre tinham o que se sabe bem apertado nas pernas ,  a regra era o poder absoluto e , como não existiam cercos de Lisboa todos os dias o poder absoluto era mais ou menos diário. Não venham aí os historiadores empolar artificialmente os poderes municipais porque se é certo que Alexandre Herculano os avantajou foi especulando no povo esse terrível se,  if do inglês, que emperra o equilíbrio social, a justiça, á paz e a verdade para dar abono a heróis e santos. Das batalhas de Orike às senhoras de Fátima oportunamente aparecidas tudo serviu e serve para esmagar o português ingénuo. E foi nesta cadeia de poder, anti-natura, anti-humana e  dramaticamente exercida, que se enraizou na alma pátria a costela do compadre a quem pedir favores, influências, empregos, regalias, em simultâneo com o mostrar do rabo e da cambota  que Bordalo Pinheiro desenhou em arte debaixo do chicote. Para outros uma alforria, um couto ou um condado, uma capitania, um vice-reino e sem papas na língua um pedido no tempo do Salazar no qual muitos de nós vivemos e do qual usufruímos ou pensamos que sim. Era rotina. Um ato ou um lobby  que é oficializado  em muitos países, mas que faz parte da rede das socapas nacionais, algo por baixo da mesa que se não sinta nem veja, um jeito ou arranjinho ciosamente safado com borracha mas que não escapa   ao dador na intenção de ser ressarcido na primeira ocasião. Um voto numa urna, uma licença gratuita, um terreno no algarve que vai de reserva a urbano. De cima abaixo, de norte a sul, o português assimilou  esta versão em óleo de linhaça de azeite falsificado e já não passa sem ela, de tal sorte que os partidos políticos são hoje um redondo alfobre desta traficância imoral. Um papel que também teve a Pide doutros tempos, lembro-me bem que da primeira vez que atravessei a fronteira de Vilar Formoso para Fuentes, mandava Salazar, fui simpaticamente recomendado á brigada fronteiriça da pide por uns amigos que trabalhavam nas ambulâncias postais e que dia sim dia não almoçavam com os agentes na fronteira. Tinha casado há poucos dias, uma prenda de casamento singular, quer funcionasse quer não, e assim passei com tranquilidade a raia de Espanha no meu fiat neckar levando o credo na boca. Não pela pide mas pelo carro, eu era o oitavo dono. Mas levou-me a Àvila, Madrid e á Corunha com exemplar cortesia e voltamos descansados mais esquecidos que convencidos de favores policiais. As coisas são o que são no seu momento próprio e quem se põe a falar ou mal ou bem do que foi vida corrente, não tem grandes intenções para lá de tretas e caganças de fraca ponderação.

Queixam-se da desertificação, da morte e do abandono interior., pois que se queixem, são os mesmos que tudo tem feito para a sua liquidação. Lamentam agora as suas leis e atos e foram preciso incêndios e centenas de mortes inocentes para chegar á conclusão que fecharam uma grande parte do interior do país. Fruto das suas desastrosas políticas de fracos amadores no sentido mais lato da palavra.

Não fecharam escolas, postos médicos, correios, bancos e comércios, estações de  camionagem e comboio , médias empresas, estabelecimentos hoteleiros, tudo o que á volta da mais pequena divisão administrativa, a freguesia, a fazia respirar, viver, sobreviver, manter a sua própria identidade e economia e criar alguns empregos  para agregar os seus filhos ? Não semearam vias rápidas num litoral   que a bem dizer não existe, tão curta é a distância que nos separa de Espanha?  Para engrossar a cobiça , as obras e mordomias de amigos, quando a razão e o bom senso apontavam para uma boa auto-estrada norte sul e meia dúzia de transversais da mesma qualidade para o interior e Europa? E o que dizer da distribuição dos dinheiros da CEE que sucessivos quadros de apoio comunitários que entregaram a sedes de concelho deixando de lado as freguesias em agonia lenta nas mãos de reis sem trono, ávidos a sugar para as cidades paróquia, ainda fora da lei vigente, toda a riqueza em redor? Quem desertificou o interior? Não terão sido as elites que já Herculano acusava e nas quais incluiria hoje a falha municipal? Porque não alargar a esfera do poder e do dinheiro ás freguesias como se faz em França e outros países, outorgando igual justiça, igualdade e gestão ao território ?  Porque se abateu a frota pesqueira e se perdeu a oportunidade duma reforma agrária ou se não gostassem do nome, um reordenamento do território com estratégias e objetivos nacionais? Porque se entregou o sector do turismo á anarquia das câmaras, quando é o turismo que nos dá alguma credibilidade e faz entrar no país a maior parte das divisas?  Afinal, nem um ministério tem nem uma estratégia global para sustentar a indústria.? E finalmente o que foi feito em quarenta e tal anos de democracia que nos levou a ocupar em termos de miséria e em todos os outros índices (consultem-se estatísticas nos sites da cee) os últimos lugares entre os  28 países da Europa, depois dos milhões e milhões que aí chegaram dados pela mesma comunidade?   E para onde foi a gigantesca dívida publica que em paralelo se fez  ? Não parece estar nos bolsos deste povo.

Podridão e falência dum regime, um item onde os próprios autores se passeiam pela impunidade que a si próprios impuseram.?

Enquanto assim for…!!!                                          Génova,Nervi, Julho,201

 

 

 

27
Jun18

TOTAL ABANDONO

Peter

esplanada.jpg

A Explanada

 Como se vê, e não é tudo, isto está ao abandono. Fechado, 

esquecido, destruído. Por mil e um buracos, desde um cinema

sem telhado a um pavilhão em risco. Estamos no Luso,

Termas do Luso , ainda se diz. Com saudade.

Por um acaso infeliz da divisão administrativa pertence a um 

municipio chamado Mealhada, uma cidade deslumbrante.

No entanto é nesta freguesia do Luso que caiem todos

os turistas que  chegam ao concelho. Então fizeram

um pomposo posto de turismo na Mealhada , a pomposa cidade

e o do Luso, velho, com  mais de uma centena de anos de idade

é para acabar . Está  ainda aberto por favor dum sujeito especial

a quem tiram o chapéu e dão votos não se sabe bem porquê.

Acho que veio atrás da música. O que não tem importância,

também meu pai veio atras dela.Se bem ou mal é que não sei.

Ah,diferença é que  este faz festas e festanças. E dança.

O samba, acho eu. No caso do meu progenitor ele apenas

trabalhava. E até ganhava pouco! Mal. Muito mal.

Hoje querem inverter a curvatura do circulo e por 

egoismo , ganância , estupidez ou ignorância, tudo termos

da moralidade política, devo acrescentar, metem rodas nas

termas e  na Mata Nacionaldo Buçaco coisas cá da freguesia.

Para encravar a cidade no  meio do diabólico trânsito que  tem?

lago ruina.jpg

O LAGO DOS CISNES

Não. Nada disso. É que não lhes chegando a administração

nem os milhares de euros que a venda de água do Luso lhes

dá todos os anos,uma espécie de limpeza do que

éticamente não lhes pertence, insistem nas rodas. 

Querem as rodas. Querem aquilo que tendo , não querem

ter. Ou por outra querem dormir com as coisas como a

Mata Nacional e outras, na cabeceira da cama, na deslumbrante

cidade. Não vá o diabo tecê-las e acordarem sem elas.

Só assim se pode  entender a destruição operada.

Mas por mais que lhes ponham rodas as coisas não saiem

do sítio. Tal e qual como a barreira do Largo do Casino,

que caiu há uns meses com a chuva e não volta ao sítio por

si só. Nem que se pintem. Dizem que já cá veio uma engenheira,

se calhar alguma espécie, mas nada.

Por acaso fico espantado e ás vezes até incomodado com

tanta inteligência que há na sede do concelho onde eu nasci. 

Época balnear avante, não há onde o turista ponha o carro.

Não me tinha passado pela cabeça sequer que será para

o encanar para a deslumbrante cidade !!!!De facto há cada 

excelente cabeça!!!!! Não é de fracas moitas que sai um

bom coelho??Gordo, anafado, importante...

repuxo.jpg

 O REPUXO  PARA CIMA

Para mim é esperteza a mais. De cabeças de alho xôxo e

umbigos bem tratados. E cabeças de nabo! Sou burriqueiro, 

não sou cego e por bem  ou por mal conheço algum mundo!

Um mundo onde tudo corre para baixo.

Esqueci-me de informar que isto é sempre a descer e a

gravidade ainda existe .Não, não foi abolida.

Aliás a gravidade é muito mais certinha do que as rodas.

Se confiassem nela nada disto acontecia.

Mas não me admiro nada que qualquer dia façam  uma

fundação socrática para pôr a coisa a subir.  São espertos

para tanto, afinados como o mestre. 

Com a idade que tenho já nada me admira. Até já vi uns alguns

burros em corridas de cavalos!!! Embora nenhum  vencedor!

Vá lá agente entender para que serve pensar!

Mas o que é certo é que nem  Termas nem o diabo da Mata

Nacional se mexem. E os buracos são tantos e por tanto lado

que o municipio um dia vai á falência. Era  bom para uns e

maus para ouros. Como tudo na vida. Na life, meu !!!!

Era mau para os politicos mas talvez bom para o cidadão que

poderia ele própria remar a barca deste inferno e ter 

melhores resultados. E não gastava tanto dinheiro com eles.

Porque assim, com timoneiros de excelência , quer a minha

freguesia quer o concelho, estão absolutamente garantidos.

Só que eles pensam que não.

Ficam as photos  e aos meus amigos mealhadenses,

vítimas como eu e como nós , burriqueiros, 

da chafurdice da politica, permito-me um conselho, abram os

olhos. E podem crer que apesar de tudo os burriqueiros são

os que enxotam com ramos de  jibardeira a gente que

vai de burro. Não é tudo a mesma coisa!!!

 

25
Out12

CLUB DESPORTIVO FOTO

Peter

 

Outra fotografia curiosa na história do desporto nas 

Termas do Luso é esta que se publica acima.

Com a ajuda de várias pessoas, identificamos os

protagonistas aqui muito bem retratados.

São:

De pé: Orlando Gato (dirigente),Prof.Joaquim Leite

(dirigente) Maloio,Manuel Furriel,Bilota,António Rocha,

Carlos Pataco(guarda redes) Ângelo,Malaguerra,

Zé Pirata,  António Guitarra, Antero Peseta,Eugénio

Cláudio, Peixoto, António Perneta (dirigente).

Ajoelhados: Adelino Rocha,Américo Leite,Manuel Lapin,

Julio Cabral,Albano Iscas,Henrique Fonseca,Manuel

Tanásio,Quim Leite,Manuel Bica,Manuel Santa,Fernando

Ribeiro,José DiasPereira (treinador)

17
Out12

DESPORTIVO 1952

Peter

 

Numa altura em que o Portugal  dos crakes milionários não consegue

resultados capazes, eis uma velha foto do onze do Desportivo do Luso

no campo do Valinho. Calculamos que esta fotografia  tem 60 anos  de

idade, tirada no longinquo ano de1952. Por isso mesmo, muitos dos

presentes já não  estão entre os vivos.

Aqui fica uma simples homenagem lembrança aos seus nomes tal como

eram conhecidos na faceta futebol, bem como ao amor á camisola desse

tempo, quando o dinheiro ainda não corrompia o desporto.


De pé:

Rogério,Gonçalo,Abel,Zé Pirata,Valdemar,Germinal,Manuel Bolas

De joelhos:

Antonio Rocha,Albano Iscas,Américo Leite,Manuel Bica,António

Guitarra.

09
Mai10

BENFICA

Peter

 

                          CAMPEÕES

 

Sobre o fabuloso monumento á  àgua no centro da terra

também se comemorou o benfiquismo de muita gente.

Como estas coisas não se festejam com água , nem se

deu pela falta dela  na mini cascata municipal ,

mas bebidas, não faltaram!!!!

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

bandeira

badge