Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

ÁGUASDOLUSO

BURRIQUEIROS,OS QUE TOCAM OS BURROS...

27
Mar15

CHAVES VIVE/LUSO MORRE

Peter

 

TermasChaves.jpg

A notícia TERMAL E NÃO SÓ ...

Chaves investe 6 milhões de euros no sector termal

 

Lusa 24 Mar, 2015, 18:45 (excerto)

Chaves está a concretizar um investimento de seis milhões de euros no setor termal que é considerado estratégico para impulsionar a economia do concelho, disse o presidente do município. Hoje o termalismo é considerado um sector estratégico e, é por isso, que o município está a concretizar um investimento de seis milhões de euros, comparticipados por fundos comunitários, na requalificação do balneário de Chaves e na reconstrução de um novo balneário em Vidago.  O presidente do município, António Cabeleira, anunciou hoje, em conferência de imprensa, que o complexo de Chaves reabre no sábado, depois de obras que tiveram um custo final de 3,1 milhões de euros.  “Estamos no melhor balneário do país. Aqui aliamos as instalações à qualidade da água”. Cabeleira referiu que está a ser preparado um plano de promoção agressivo para recuperar os aquistas que frequentavam o complexo, para conquistar mais utentes nacionais e internacionais, principalmente os provenientes do norte da Europa. O grande objetivo agora é, segundo sublinhou, a internacionalização do balneário termal. O objetivo da remodelação foi também separar as áreas do tratamento e do lazer, para criar condições para as termas funcionarem o ano inteiro. Destacou ainda que uma das valências que é agora uma grande aposta é a da reabilitação, estando ao dispor dos utentes fisiatras e fisioterapeutas.A intervenção nas termas implicou ainda a requalificação da área envolvente, melhoria das condições de segurança, serviço e conforto, construção das acessibilidades para pessoas com mobilizada reduzida e criação de um observatório de investigação às águas termais. O autarca referiu que, no ano passado, o sector sofreu um decréscimo a nível do país, também devido ao encerramento do complexo de Chaves, que é o segundo do país com maior frequência. Em 2013, o espaço contabilizou cerca de 5.000 aquistas.Este projeto vai funcionar em complemento com o Balneário Pedagógico de Investigação e Desenvolvimento de Práticas Termais de Vidago, uma obra lançada pelo município de Chaves e que representa um investimento de 2,9 milhões de euros.O presidente acredita que este espaço, que vai funcionar numa parceria com a empresa UNICER, vai abrir até ao verão e prevê que aqui venha a ser instalada uma escola vocacionada para a área do termalismo.

 

O COMENTÁRIO

Enquanto uns aproveitam as oportunidades para garantir desenvolvimento, outros, como é o caso do Luso, aproveitam os fundos comunitários para diminuir as Termas e abater valências . Algo escamoteado certamente á Comissão comparticipante, pois de outra maneira não se pode acreditar que estas situações possam acontecer utilizando dinheiros que saiem do bolso dos contribuintes. Mas outra constatação clara num lado e inexistente no nosso, é que existem estratégias para o desenvolvimento Termal que não está morto, muito menos Europa fora onde movimenta multidões. No nosso caso é pouco mais que uma pequena brincadeira limitada pela dimensão territorial e cultural, que nisto em termos de aculturação e conhecimento o nosso estádio actual concebido pelo potenciar do nosso xico espertismo , vai pouco além da pedra polida e do oportunismo sasonal da improvisação. Enquanto se procede á nova distribuição de dinheiros publicos sabemos sim que não há estratégia concelhia definida neste campo que engloba  turismo duma maneira geral, mas termalismo, natureza, ambiente e fisioterapia de modo particular, a única riqueza de conteudo universal que existe no perimetro do pobre municipio da Mealhada. A não ser que as estratégias assentem no vinho e no leitão , essa coisa maravilhosamente estupida que são as quatro maravilhas inventadas para ir á feira do Cartaxo e onde o municipio gasta o nosso dinheiro com uma única intenção, centralizar o turismo na sede do concelho e dominar pela destruição a parte da serra do Buçaco que lhe está afecta administrativamente. Sem respeito pela realidade municipal, sem respeito pela diferenciação das actividades conhecidas, sem respeito sequer pela evidência do turismo ser coisa duma única freguesia , sem respeito pela riqueza do concelho ! Por outras palavras, ou o sapateiro terá que tocar a viola , ou querem fazer do burro o cavalo de corrida coisa que, andem  por andem, não irão modificar pela impossibilidade inerente às realidades. Nem o burro há-de correr nem o pobre sapateiro arreado pela sovela aprenderá a  rabeca.

 

PS-Oliveira do Hospital vai investir 5 milhões de euros num complexo hoteleiro-termal polivalente, nas mini termas de S.Paulo, margens do rio Alva.Também estes não vendem água de mesa, o que nos leva á conclusão de que a água de mesa é um mal no estado activo. Acreditamos que ainda há-de ser comprada por chineses ou novos ricos angolanos, evidentemente com dinheiro emprestados por nós próprios, ainda muito provavelmente pagadores do mau negócio que possa vir a ser. Neste canto de novo reconduzido á ditadura de dois partidos que substituem a  velha União Nacional, duplicaram-se apenas os beneficiários, para o povo que labuta, passou a ser exactamente a mesma trapalhada, pior, bem mais pesada e custosa!! Que fim terá, é uma incógnita, mas te-lo-á concerteza, pois não se vê outro caminho para combater a crise e para pagar a divida.

 

 

20
Mar15

O CINEMA ESTÁ A CAIR

Peter

001.JPG

Há três ou quatro anos a Câmara da Mealhada comprou o

Cine Teatro Avenido do Luso, com intenções, presumimos,

de o recuperar. Custou trinta ou quarenta mil euros a sua

aquisição numa época em que a própria Câmara se dedicou

á compra de sucata imobiliária que, como esta, não se sabe

hoje para que foi adquirida. O que acontece é que , como

mostram as fotos juntas o imovel já começou a cair , e como

no orçamento municipal nada consta para o seu arranjo,

isto apesar dos quinhentos e mais mil euros  que a

autarquia recebe  anualmente  e há quase vinte anos das

àguas do Luso pelos centimos doados em cada litro de

água vendida no mercado. (havemos de contar para que

se saiba, donde e como veio este dinheiro que não se

gasta no Luso)

003.JPG

Não se percebe a finalidade destas aquisições nem tão

pouco o  estado de desinteresse que paira sobre o Luso , 

a sua freguesia  e a sua actividade turistica, uma zona que

nos parece votada ao abandono , depois da derrocada

termal em que o próprio  municipio da Mealhada colaborou

com interesses desconhecidos.

Ao empedramento da terra, sucede-se o inacabar de outras

obras, alguma santa Engrácia  desabençoou o lugar  que

nem um representante político possui nas forças

vencedoras das eleições, consequentemente, do mando. 

 

 

08
Mar15

AQUI O GÁS È OUTRO!

Peter

banho 1.jpg

Esta imagem foi tirada no dia 26 de Abril pouco depois das

três horas da tarde. Àquela hora escutaram-se gritos na

zona centro do Luso junto á estátua de Emidio Navarro.

-Socorro! Acudam! Socorro! Acudam!

Seguido de ruidosas pancadas sobre as portas deste

estabelecimento.

Não eram trovões , nem gás, apenas mais uma senhora  

prisioneira do mau funcionamento das portas  do banho

publico  que se trancam pelo lado de dentro. Os alaridos

vão para cima da enésima vez desde que a casa é casa e a

pedra que é visivel para fechar a porta , a mesma ou outra,

 ali está ,pelo menos desde 2010, como se pode constatar

num post deste mesmo blog. 

Alguém que se apercebeu da situação foi  em socorro da

utente  e libertou-a da sua claustrofobia , mas nós que 

andamos por aqui sabemos que aquilo é obra mal acabada da

Câmara da Mealhada. Aliás, daquela autarquia, já compareceram

no local edis e engenheiros e políticos em vésperas de

eleições, todos empenhados em arranjar uma nova fechadura 

mas  pelos vistos estão á espera de alguma visita do

Presidente Cavaco ao local para consertar a porta, como

aliás aconteceu para alcatroar uma centena de metros da 

estrada da Cruz Alta. Estamos a convercer-nos que o Luso está

de facto a ser votado ao esquecimento, ainda que a

 Câmara, duma renda casual  que tem origem no Luso,

tivesse recebido no ano passado 584 mil euros respeitante

a vendas de água.

 

 

24
Fev15

PURISSIMA E COM GÁS !

Peter

agua39.jpg

Para quem não lembra ou não sabe, o Luso já teve água  gaseificada. Por mais de uma vez . Uma delas, publicitada neste extrato sublinha os refrigerantes, o Yogura e a água gaseificada, 'soda water' em inglês,ou água com gaz na lingua vernácula.  Vendida em toda a parte e preferida, diz o 'actualizado' panfleto, pela classe médica, coisa que hoje não acontece. Quanto ao gás, o melhor 'Soda-water',  não conseguiu  destronar a afamada àgua do Castelo , usada para juntar ao uisque , no tempo em que não era importado. Mas se bem se lembram os bebedores , o verdadeiro uísque era substituido pelo 'uisque saloio' , onde um bom brandy substituia o uisque original ao qual se juntava igualmente a àgua Castelo num copo 'Johny Walker' para aguçar as papilas gustativas.Também o Cruzeiro teve água  com gás e o próprio Luso  a teve em outras épocas.

 

lusoranja39.jpg

 Refrigerantes, yogura, soda water

Conclusão,O Luso actual já teve tudo e muito mais do que tem hoje,foi morto por sucessivas vendas do património a intermediários para fazer lucros imediatos , isto com o aval , o silêncio e a omisssão de  organismos responsaveis pela concessão das minas. Este regresso do gás, que por razões das propriedades quimicas da água não obteve resultados, não é pois novidade nenhuma, oxalá uma solução hibrida possa resolver o assunto. 

termas139.jpg

 Emanatório Termal doutros tempos

Mas este regresso, como se vê, nada acrescenta ao Luso, morto por sucessivos concessionários. De facto, historiando  fora do negócio a vida termal que começou com a Comissão de Melhoramentos em 1852, depois de existirem banhos   desde há cem anos atrás, foi concessionada a actividade Termal e o Luso cresceu com as Termas, não com as garrafas de água. Pode-se dizer que a terra é filha das Termas e de Emídio Navarro. A concessão, como em qualquer zona de jogos, pede pagamento e desenvolvimento, porém os últimos concessionários nada mais fizeram do que matar as Termas, cujo lucro é irrisório perante o lucro das águas. Todos tem feito o possível e o impossível para destruir as Termas, pretendendo assim sacudir a  responsabilidade da parte Termal, cujo crescimento, aumento e modernização também lhes cabe. È assim que o contrato de concessão estará longe de ser cumprido, perante a ineficácia e a irresponsabilidade de políticos eleitos que vão da autarquia ao governo, embora a autarquia da Mealhada nada tenha a ver com a concessão perante a lei vigente, mas, pretendendo tirar dividendos a seu favor e não do Luso, como ultimamente se tem visto, não tem tido, a par dos órgãos governamentais  da  tutela, homens capazes de defender os interesses nacionais, não só aqui, como em muitos sectores onde se tem vendido tudo a patacos com prejuízos para Portugal e os portugueses.

06.jpg

 Repouso e relax na sala de descanso

 No Luso, por meio tostão de mel coado mantém-se a concessão em permanente hibernação sem a evidente defesa dos interesses nacionais. Acredito que um dia, com gente idónea, capaz e cidadãos conscientes dos interesses do  país, que são a defesa do cidadão e não dos banqueiros, políticos e corruptos, venham a fazer-se cumprir as leis e também a água do Luso venha a ter um concessionário obrigado a cumprir objectiva e rigorosamente as  suas obrigações como tal. Isto porque a razão e os interesses são os interesses dos portugueses e a tutela tem sempre, como gestora da propriedade, a faca e o queijo na mão. Se não o corta é porque não quer, talvez alguma vez se consiga apurar porquê. Acredito que gente que saiba governar um país com consciência e dever de servir honestamente, possa governar o património que é de todos nós, portugueses, entre ele esta pequena parcela que é a mina donde nasce a água do Luso. Enquanto isso, o Luso tem que viver com o Zero de compensação que lhe é atribuído. São poucos, os eleitores e nenhumas as vontades, mas é vergonhoso que se dê o subsolo á exploração estrangeira sem a devida compensação por parte dos exploradores que  vem sucessivamente enganando e manipulando a seu favor a destruição do património termal.

 

 

17
Fev15

VIAGEM LOW COST

Peter

low cost.jpg

P assa de noventa o número de companhias aéreas de Low Cost que operam no espaço aéreo europeu formando nas horas de maior tráfego uma intrincada teia de rotas em todas as direcções pelos céus do continente.

Podemos dizer que os europeus viajam muito, é verdade, mas juntando á rede das companhias tradicionais esta complexa teia low cost, podemos dizer que viajam muitíssimo. Na base do aumento estão estas companhias aéreas de baixo custo cujos voos chegam a inúmeras cidades do continente cobrando bilhetes incomparavelmente mais baixos que as companhias tradicionais. De facto, uma viagem em lwo cost programada e comprada com algum tempo de antecedência pode custar dez vezes menos que a mesma viagem numa companhia normal, ou, por outras palavras, com o preço duma viagem normal posso fazer até sete, oito, nove em low cost. São estas condições e o facto de viajar na prática como num autocarro, que fazem parte dum conjunto novo e criativo de atender os viajantes, fazer baixar os preços e abrir as portas dos aviões a um maior número de potenciais clientes da via aérea. Os resultados estão á vista com as ditas companhias em crescimento constante.

Um amigo meu comprou no princípio do ano passado uma viagem de ida e volta entre Lisboa e Estocolmo por oitocentos euros em companhia normal. Foi caro. Outro amigo emigrante foi e voltou com duzentos euros o que se pode considerar barato, porém eu , que comprei os bilhetes com antecedência de três meses para todas reservas, paguei os mesmos  oitocentos euros pelas seis viagens de ida e volta que fiz durante o ano. Viagens de baixo custo. Foi baratíssimo e isso permitiu-me viajar seis vezes até Estocolmo e não apenas uma pela primeira importância.

Como é possível, é a pergunta que se coloca a quem está fora destas questões, mas a explicação é simples e fácil. Primeiro, comprei os bilhetes, escolhi o lugar, fiz o cheque in e as respectivas impressões em casa através da Internet. Respeitei o peso, a bagagem permitida, escolhi os períodos e as datas mais baratas e apresentei-me no embarque uma hora antes da partida indo directamente para o avião sem qualquer outra formalidade, ou seja, sem passar pelo balcão de atendimento. Apresentei o bilhete da internet, fiz o checK In e dirigi-me á porta de entrada do respectivo voo. Quando entrei no avião sentei-me no meu lugar, marcado ou não marcado conforme as companhias aéreas, e dormi um repousado sono até ao meu destino.

Não há refeições gratuitas durante a viagem, mas podem-se pedir snacks e bebidas pagando o respectivo preço a custos normais de qualquer snack-bar europeu. Porém, como as viagens duram dum modo geral entre uma e três horas este pormenor é de somenos importância. Deve-se acrescentar que os voos cumprem os horários e a segurança dos aviões é garantida por uma grande quantidade de aparelhos bastante recentes. Finalmente, de referir que o facto de os aeroportos serem em muitos casos mais afastados do centro das cidades é largamente compensado pela presença de autocarros permanentes e rápidos que num constante vai e vem fazem as ligações a preços razoáveis até á zona central e aos transportes públicos.

Passar um fim de semana ou alguns dias em Paris, Londres, Madrid, Roma, Milão, Lião,  Geneve, Frankfurt e muitas outras cidades europeias iguala muitas vezes, em termos de viagens, os custos de  portagens e combustíveis duma deslocação a Lisboa. E não é raro acontecer pagar um voo Porto Milão ou Londres com a respectiva volta, por exemplo, pelo preço dum bilhete de comboio entre Coimbra Lisboa Coimbra , numa primeira classe. Impossivel? Não, com um pouco de treino , é mesmo assim este esquema  low cost aberto a qualquer utilizador! 

 

05
Fev15

LUSO COM GÁS...

Peter

com gaz.jpg

176-CRÓNICAS LOCAIS

Foi com alguma surpresa que o Luso apareceu hoje modificado pela esperteza do markting das águas. Isto porque, em tempos não muito longos o Luso já produziu água com gás para chegar à conclusão que   a água, na sua pureza original repele gazes, prefere ser lisa, como nasce. Desistiram então. Hoje, os experts repetem a experiência. Ora estas coisas  tem a ver directamente com o Luso, Luso é o  nome de terra, da localidade que já existia antes da nacionalidade, a água tem o seu nome , é  um produto antigo, filho do ambiente, natural, não é daqui  ou dali, é do Luso. E a concessão está pendurada na nascente termal, que o  dono Estado, nós por definição, pode pôr o concurso! A população está farta de ser espoliada do seu único bem, que é a água, pela concessionária da mina,  que essa mesma mina  é uma concessão do Estado Português a preços de saldo, Estado que não tem tido  homens à altura de proteger o património que a todos nós pertence. Quem ganha com a situação, não sabemos, mas o Luso ou Portugal, não são.

Essa população  antes de  tudo, gostaria de saber  porque razão aniquilaram a estância termal com  dinheiro dos contribuintes portugueses e da CEE, porque razão fecharam o bloco da fisioterapia, porque razão transferiram   a água encanada estrada abaixo  enchendo o vasilhame a cinco quilómetros da nascente, porque razão  mudaram os escritórios e a sede da empresa para Lisboa e depois para Cracóvia, na Polónia e porque razão o Luso e a sua freguesia recebem ZERO pela exploração da água da mina.

RSCN3902[2].JPG

 O ensaio  televisivo com gaz lacrimogénio!!!!

SIM, não é mentira , o LUSO E A SUA FREGUESIA NÃO RECEBEM QUALQUER COMPENSAÇÃO pela exploração da mina que tem no subsolo. ZERO. Isto é um absurdo dum país irresponsável que  não se cansa de sacar dinheiro ao cidadão para beneficiar extra terrestres da teia empresarial!  De estrangeiros no caso!!!!! Hoje apareceram aí armados em proprietários e mudaram o nome á terra. Pagaram a televisões para virem ver mas as mesmas televisões não quiseram ouvir quem tem as  suas razões no âmbito local. São as televisões que temos, vendidas! Transportaram em autocarros figurantes de Lisboa, duzentos e vinte quilómetros para cada lado e a ESTÂNCIA TERMAL DO LUSO que noutro tempo teve nome e movimento, está reduzida a um terço do que era em nome do desenvolvimento. Uma empresa que foi a maior empregadora do concelho, hoje deixa o concelho nu e  sem  futuro. São holandeses os seus donos, tem sede em Cracóvia, na Polónia e  vendem também uma cerveja chamada Heineken! Como conheço um bocado da Holanda não sei se são eles os promotores deste estado de coisas se os seus mandaretes nacionais, tradicionalmente mais papistas que o papa quando se trata do seu concidadão. Desta vez trouxeram garrafas de gás com àgua ou de àgua com gás para enganar o Zé, que era meu tio. Lacrimogênio é que devia ser! Cantaram e dançaram mas tudo, mesmo tudo, ensaiado para televisão filmar. Para o Luso, NADA, ZERO!!! Eles comem tudo!

Devia haver vergonha!!!!! Ou não deveria haver?

26
Jan15

175-UM JAZIGO OPORTUNISTA

Peter

urna.jpg

Chapa preta sobre o tumulo e o fim das Termas????Que defundo  aqui mora?

N ão vale a pena resmungar, vai tudo p'ra Mealhada!!!!!

Corria o ano de 1955 quando foi construido este fortim de cimento, não para servir em qualquer guerra mas para proteger e orientar a usurpação da água do Luso para a Mealhada e Antes. Para a Antes, talvez porque o autarca era dali, a história repete-se sempre,onde está o poder está o abuso e assim, apesar de se prever que a enxurrada não fosse suficiente para o abastecimento do município, os tempos eram propícios ao autoritarismo e a ditadura deu a ordem que foi transmitida com conhecimento óbvio do próprio Oliveira Salazar.

No entanto, a freguesia do Luso, pesem todas as contradições entre políticas e regimes, tinha então sem dúvida mais poder de critica e de protesto do que tem hoje ,e saiu em peso para a rua, armada de pedras, enxadas e varapaus , acantonou-se dias seguidos debaixo dos chorões que guardavam os dois tanques da água e manifestou-se veementemente, ameaçou, correu com a primeira levada de funcionários municipais e gritou os seus direitos aos quatro ventos desde a sede da freguesia até a Cova da Areia e aos assentos do poder . Quando o cabo Roças não se entendeu com o assunto, chamou a policia de choque a intervir e o palavriado barato dos engodos pacifistas deu lugar á pedra, ao pau , à pancadaria e só as velhas mausers da GNR e as  metralhadores pesadas  mais os garrotes físicos contra a liberdade de expressão serenou os ânimos e possibilitou aquilo que na altura foi considerado pela população , o roubo da àgua da fonte de S. João.

 

tratamento.jpg

 A  ex-estação de tratamento , um simbolo muito pouco simpático da história da terra !

Em paralelo, o município continuou o abuso e chamou á nascente sua, utilizando o poder do mando e da ditadura existente para executar as suas decisões, também elas fora de qualquer ortodoxia democrática. Assim a Câmara autarquia, tomou posse da propriedade. De facto, a fonte fora sempre da Junta, havia até um emblema erguido num pequeno pedestal fazendo jus à propriedade e era um roubo subtrair agora, sem esta nem aquela, a àgua cristalina às onze chorudas bicas que ,depois do grosso tombo, escorriam felizes por uma rede de canais de rega ardilosamente abertos de forma a chegar a todos os pontos do lugar e de fora do lugar. Naquela altura, bradava aos céus que assim fosse usurpado um bem e só a força bruta das armas podia amedontrar a razão a par duma polícia política secreta e ameaçadora.

Não fora essa mesma polícia que poucos anos antes tratara da saúde ao perigoso comunista Cunhal pondo-lhe a mão em cima quando recuperava calmamente da sua fraca saúde em frente da Vila Aurora no Casal de Santo António? Desse, apesar do secretismo que envolveu a captura apoiada pela mesma Câmara da Mealhada, pouco ou nada se sabia, mas o governo não se fazia rogado no  tecer das mais torpes considerações sobre o homem, um comedor de crianças ao pequeno almoço, um matador cruel e feroz, um inimigo da pátria , da igreja e da nação, tudo metido no mesmo saco, tal a grandeza do Demo que lhe afinava os miolos, aparafusados em pura maldição nos antros mais esturricados dum real inferno de Dante!

tumulo 1.jpg

Uma obra prima no meio do passeio para peões...!!!!!!

Andava na escola primária quando isto aconteceu , aprendia as primeiras letras nas derradeiras aulas da dona Judite , mas a notícia desta operação tantas vezes ensaiadas para apanharem o pobre rapaz com a cuecas na mão ás sete horas da manhã e uma rapariga a dormir no quarto ao lado, foi como um acto solene e ao mesmo tempo diabólico, coisa descrita em silêncio de ouvido para ouvido entre os poucos habitantes mal esclarecidos do lugar, o Silva, o Lulas, o Feio , o Martins e poucos mais. Os outros, na sua maioria, viviam numa ignorância de bater do sino, não escutavam, não piavam, não sabiam e para além da fome e do medo de que se ouvia falar, á distância era qualquer coisa de surreal as vidas desconhecidas dos inimigos da nação, um fenómeno incompreensivel e proibido a tão simples mortais habituados á irmandade civil tal como á irmandade familiar. Neste caso, num resumo do que há para contar, a Câmara levou a água ao seu moinho construindo um mausoleu na nascente e um mausoleu na estrada nova, este o da fotografia. As gentes do Luso e da freguesia apagaram-se ante as ameaças da morte certa e esta estação de tratamento, que chega até aos nossos dias, aí está a testemunhar o episódio. Há muitos anos desativada porque de facto a insuficiência da àgua, como se previa, a encerrou, foi agora recuperada pelo município que acha isto uma obra com chispas de valor arquitetónico e arte! Por mim, acho isto uma vergonhosa obra fascista a perpetuar um roubo que se fez ao Luso e como tal sugeri à Câmara que a sua demolição seria uma ótima solução. A resposta está atrás, o elevado estilo e valor arquitectónico ! Como munícipe, nunca mais vou sugerir nada à Câmara da Mealhada, através do seu pitoresco e útilissimo email e vou escrever aqui que para a freguesia do Luso isto é uma indignidade, um insulto , e um tumulo, vejam as imagens, que a mesma Câmara faz com intenções desconhecidas. De facto, ao Luso e ás suas Termas, faltava o mausoleu que aqui está. Um Jazigo a condizer com o estado de esqueleto que ajudou a criar! Um enigma, em todos os sentidos, nada prometedor!

  

14
Jan15

CASINO, FRESCOS PODEM CAIR DO TETO

Peter

tetocasino.jpg

Pinturas do teto do salão de baile do Casino do Luso,  Gabriel Constant-1910

Crónicas Locais

174- CASINO,FRESCOS PODEM CAIR DO TETO

N ão há notícia de que o chamado Casino do Luso alguma vez o tenha sido como sala de  jogos para além dumas boas noitadas de sueca, de bisca de sete e de vazadas do king ou dum pocker clandestino que esporadicamente ia do Verão às noite frias do Inverno, aquecido por aquilo a que se chamava nos tempos das proibições um luso uísque saloio. Apesar disso, o que foi mais um azar desta terra, foi durante muitos anos um lugar festivo e alegre por onde correu cinema, teatro, ópera,circo, variedades,exposições, palestras, comícios e bailes, bailes incontaveis com orquestra privativa num calendário permanente de anos e anos de diversão.para que terminasse esta sucessão de actividades ligadas ao termalismo e aos termalistas que desde 1854 criaram no sopé da serra do Buçaco uma referência do todo nacional, foi preciso chegarem finalmente uns holandeses cervejeiros para explorar de forma desenfreada a água de mesa e na prática acabar com as termas , transformadas mais ou menos numa clinica que  não sendo de dentes se associa imediatamente à ferramenta dos dentistas , aos calafrios da cadeira e ao terror dos alicates cromados. De facto, a denominação das novas termas arrepiam o mais ousado enquanto produto do metier reconhecido , tão contrário ao relaxamento, à calma, á tranquilidade, ao gozo ou a uns banhos na meia duzia de bacias termais ou no Spa obtido com a destruição de dois terços das velhas termas.

Ouvido de longe, o nome há-de meter medo ao demo , quanto mais a um ocioso aquista que procura longe do bulício citadino a serenidade dum lugar para desintoxicar os músculos e destressar elementarmente a alma. Convenhamos que é difícil associar a bigorna dum ferreiro ou um esqueleto de queixais aprodrecidos e fazer daí uma imagem de compromisso salutar e esperançoso e também neste particular, as termas perderam o desafio apesar de alguém ter inventado seiscentos e tal banhistas no fim de Setembro ou Outubro para escrever nos jornais.Ninguém do sítio acredita nos aberrantes números, tão simplesmente porque os não viram nem viveram, assim como ninguèm acredita que os frescos do teto do salão de baile do Casino venham a cair com uns fados cantados ao micro por uma cantadeira iniciática que precisava de apoio e não de proibições.

Mas foi o que aconteceu este Verão, o Casino foi emprestado a ferros com essa condição de não utilizar o microfone, crê-se que os holandeses temeram a queda das graciosas figuras que ornamentam o teto, por sinal propriedade da autarquia local e a custo abriram as portas à cantora, portasque estiveram fechadas durante o mesmo Verão por obra duma exposição épocal.  Tudo por uns frescos que já passaram pela enorme panóplia de bailes, teatros ,festas e actividades mundanas de todo o calibre e som e sempre se seguraram com unhas e dentes aos estuques leves da cobertura ornamental , além de terem levado retoques de todo o lado, às vezes por pintores de paredes, sem uma única palavra azeda ou de queixume!!! Que o testemunhe o João Carlos ,pintor, com seus geniais retoques.Pessoalmente não fazia ideia desta erudição holandesa , passem as minhas desculpas sinceras a Rubens e á sua escola de mestres flamengos, destes tenho boa ideia, dos outros, fiquei farto quando nos piratearam em Malaca, Angola ou no Brasil para agora nos piratearem em casa.

É neste mundo que vivemos, neste mundo que vive o Luso, noutros tempos orgulhosamente a sala de visitas do concelho, hoje até alvo de todas as tentativas para ser substituído pela sede do mesmo, como se os recursos se metessam nos alforges duma burra dependurados na albarda e resgatassem os trapos! Um vale tudo de irresponsabilidade e incompetência .  Parece que até o Bloco de Fisioterapia, entregaram á Mealhada !  Tudo pela destruição  total, pela brutalidade, pelo desrespeito pelas pessoas.                   Janeiro/2014

 

 

09
Jan15

RESISTENTES

Peter

DSCN3888[1].JPG

 Crónicas Locais

173-RESISTENTES

Para mim o Luso parece ter voltado ao tempo que era há cinquenta anos atrás, quando o acontecimento mais importante era durante o Inverno a passagem da camioneta das sete em direcção a Viseu e no Verão a paragem do rápido da uma da tarde que despejava arquistas que acabavam por encher as Termas. Não é saudosismo o que reside atrás desta imagem com mais de meio século de existência mas o aparente reviver dum tempo julgado definitivamente finito, ultrapassado e esquecido nos anais da consciência das gentes, melhorado que foi num período de sobrevivência económica recente que se acreditava ser caminho sem retorno. É precisamente esse retorno, essa falta de objectivos e de esperança, esse descrer nos homens e nas instituições que hoje me perpassa pela mente com laivos de retrocesso a fazer relembrar o tempo de antigamente, quando o chapéu na mão fazia parte dum quotidiano difícil e o rendimento do trabalho mal chegava para matar a fome e muito menos para adquirir conhecimentos. Sinto que se pode estar numa via de regresso e que a sociedade crescida com os sonhos de Abril se encaminha para um low cost de terceira classe como era então o terceiro assento dos comboios a vapor destinado aos desqualificados e arredados da civilização. Sinto isto na imagem dum Luso da minha meninice, donde depois por fortuna e por sorte me libertei, sem me libertar porém do tempo retido na memória e na consciência dos fenómenos sociais subjacentes.

Imagino que é contra este mesmo tempo que a gente das Termas está lutando. Contra o esvaziar que o capital, a política, a má gestão, a irresponsabilidade, trouxeram ao lugar, colocando em causa os negócios e a vida de alguns milhares de pessoas deste município e região. Estão lutando numa demonstração de força e de vontade de mudar e ver mudar alguma coisa, num lago que se mantém tranquilo e calmo como se nada tivesse acontecido, perante a catástrofe que foi o derrubar das termas centenárias. Uma concessionária que teima de forma descarada em reduzir o balneário a nada, que procura impor o esvaziamento do contrato de concessão na cabeça das pessoas através de migalhas duma fundação oportuna, que afirma ter muitos utentes quando os que se vêm são tão poucos, que poucos equipamentos utilizam das estruturas existentes na terra. Se a única riqueza que existe é a água e lhe foi subtraída a parte termal em favor do negócio da venda, como pode o Estado proprietário dar-se por satisfeito? Periodicamente faço esta pergunta claramente dirigida aos eleitos, quer locais, quer nacionais e estes nossos representantes, que afinal são os detentores pelo voto da democracia que lhes damos, calam na impotência e no silêncio os apelos das nossas justas razões.

Admiro os conterrâneos que lutam, tem razões mais que suficientes para o fazer. Sobretudo os que viveram e vivem e querem continuar a viver da parte de exploração das águas termais que desde sempre lhes coube. Enfeitaram um Luso natalício por razões evidentes.Com o carinho, a devoção, a força e o querer que os ditos eleitos não tem. Mas também com esperança na mudança e na retoma dum caminho de novo dirigido á recuperação termal, fisioterapia, quartos, equipamentos. È uma força presente, uma força que o poder tem o dever de interpretar e acompanhar que os problemas existentes são todos eles igualmente do concelho. São resistentes a lutar com dificuldade por aquilo a que eles, mas também a terra que representam, tem jus, perante a apatia dos poderes públicos e os incumprimentos permanentes do concessionário que explora a única riqueza do local gozando do apoio, em derradeira instância, dos que deviam defender esse povo e esse património. Saber ler e interpretar os fenómenos é um dever desses eleitos perante os seus eleitores, ávidos de mudanças e de actos no sentido das suas legítimas aspirações. É urgente ler esse querer, essa teimosia, essa luta, como é urgente ler o desespero e o desânimo latentes, quando não se vêm sinais do apoio que se espera.

                          Luso,Dezembro, 2014                             àguasdoluso@sapo.pt

 

04
Jan15

BOM ANO

Peter

DSCN3887[1].JPG

 Os  tempos de reis magos ,como estes que aqui vemos,

fazem lembrar que 2015 começou. Sendo inóquos como

todos os anos, cumprem no entanto a  missão que perante

nós lhes compete. Para os leitores e amigos que tem a

bondade de me ler, junto-me a eles nos desejos , que o ano

que agora entra seja melhor que o finado, que saudades,

não deixou. Eles estão  na Capela de João Evangelista 

uns passos acima das onze bicas da fonte  de àgua de Luso

e são guiados, observemos, por um anjo. Talvez o anjo que

nos tem faltado na eminência dos destinos.

BOM ANO.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

bandeira

badge