Domingo, 28 de Maio de 2017

O CANDIDATO EGOISTA

cinemavelho.jpg

 A  PROPÓSITO DUMAS PALAVRAS A UM JORNAL

( Declarações do Presidente da Câmara da Mealhada ao Jornal da Bairrada on line que ao que se diz é subsidiado pela própria câmara ))

 

È interessante ler esta entrevista política dum homem responsável que se tornou um político irresponsável. O que aqui diz ou manda dizer pelo assessor que pagamos com os nossos impostos, deve ser para brincar na cara do cidadão e o do Luso, que me toca porque ali vivo e como dali sei, passa as raias da imbecilidade política. O descaramento politico é tamanho que leva a dizer o contrário do que na realidade  se passa e quem conheceu as Termas e as vê hoje sabe que são completamente irreconhecíveis. Aquela que já foi a maior freguesia empregadora do concelho, hoje não tem um emprego para oferecer a ninguém. De facto, nunca assim esteve em 165 anos de termas.

O Salvador do Luso, como já foi etiquetado o candidato á camara da Mealhada , de quem infelizmente a freguesia depende, começou a campanha eleitoral e a única coisa séria que devia fazer era calar-se ir-se embora pois envelheceu e com ela, ao que parece, as capacidades para ocupar o lugar político foram-se e sobreveio-lhe um onda para elogiar não o Trump, mas uma coisa parecida.

Ironicamente, o Luso deve  agradecer–lhe a riqueza em que vive, como confessa o próprio, referindo-se à fundação Bissaya Barreto, os únicos empresários  da terra que lhe mereceram preocupação e o apoio da Câmara, apesar dos lucros, se os tiverem, irem para Coimbra. Devemos agradecer-lhe igualmente o posto de Turismo, pois pelos vistos, confirma o próprio, seria sua intenção fecha-lo, substituindo-o pela aberração dum turismo na Sede do concelho onde os visitantes são tantos que ninguém consegue entrar. Já sabíamos que a intenção era essa , fechar o posto desde que o turismo é turismo e que existe na região  centro, o Luso, o Buçaco, a Curia, a Figueira da Foz. A tacanhez concelhia , aquilo a que eu chamo falta de sentido ou de cultura critica e amor ao chão do berço, apaga a grande cidade e o candidato afirmou que este Luso Buçaco deixou de ser um recurso turistico, vá-se lá saber o que o é, se o não é também a Curia , Monte Real ou a Figueira, o autarca o saberá. E decreta por seu punho e voz publicamente tal qual lhe parece a coisa.

Quer o Luso quer o concelho, parece que devem agradecer a defesa das Termas a este homem que um dia começou por ser seu defensor  com arruadas abrilinas e dias depois trocou a defesa politica das mesmas Termas por serviços prestados ao proprietário termal.  Disse tudo.O Luso deve-lhe agradecer a defesa do Bloco da Fisioterapia, suou estopinhas para defender a sua permanência na vila face á sua total transferência para a Mealhada. Mente quando diz que fez a reabilitação urbana do Luso ou construiu a nova Escola , não foi ele, foi o exercício anterior, no Luso o candidato fez uma retrete pública na melhor entrada do Lago , nos quatro anos de mandato.

O Luso-Buçaco deve-lhe agradecer a representação digna que tinha nas Feiras de Turismo de Lisboa ou de Madrid ia por sua mão e agora já não vai , porque foi agora apeado pelas  maravilhas mealhadenses, uma estúpida representação de turismo que só poderá existir na sua cabeça de político, pois na realidade  o leitão é gastronomia, o vinho enologia e a água é para beber. O que será pois

turismo para o político, a lagoa da Antes ou o odor das pocilgas da Mealhada?

Porque as Termas foram encolhidas, praticamente extintas com  licença camarária, o Luso deve agradecer-lhe consequentemente, o fecho dos bancos, dos correios, das pensões, dos negócios onde nem os chineses se seguram no lugar! O senhor candidato esqueceu o que fez enquanto presidente ou não se lembra que além de festas não fez mais nada ? Quando na campanha anterior prometeu apoio ás pessoas, queria dizer fazer festas, homenagens, heróis, ilustres, sábios, condecorados ?

Valha-nos Deus , valha-nos Zeca Diabo! Enganou-se completamente com a experiência política que adquiriu onde andou pela mão partidária que apoia e não apoia,  agora até cá traz um primeiro ministro do qual foi opositor quando se candidatou a secretário geral do seu partido. Ou não será o seu partido? Para secretário nacional não servia, agora serve para lhe branquear a imagem. As voltas que o teto dá para se manter empoleirado. Não tem sentido, não é a figura política que o Luso ou o concelho precisam.

Mas continuando, as Termas  devem agradecer-lhe o cinema , a ruina que está a cair. O dinheiro que recebe da freguesia por litro de água vendido não é suficiente para reconstruir o velho Teatro Avenida?  É suficiente para o da Mealhada, da Pampilhosa e para o Luso , não é ?  Não  pagamos impostos como os outros ? Somos cidadãos de segunda, ou o candidato anda a fazer de nós parvos? Mantem o segredo da política por onde gasta o dinheiro que recebe do litro de água vendido, que fique claro,  foi o Luso que lho deu para gastar prioritariamente na freguesia. Se não se lembra, eu conto-lhe a história . E o Luso não sabe, não é informado, não merece que lhe diga onde é gasto, e nem um tostão cá deixa?  E mais, o candidato sabe que não tem direito a ele, a empresa pode retirar-lho a qualquer momento que a concessão é do Estado, não da Câmara.
O Luso deve agradecer-lhe ainda a ruína da casa da Miralinda, da Avenida do Castanheiro, ou o incentivo ao Centro Social Nocturno, o acesso ao parque de campismo , a piscina dos campistas ou o parque de estacionamento...e a quinta do Alberto.

O Luso, senhor candidato , o Luso e Portugal, devem agradecer-lhe o crime patrimonial que andam a perpetuar no património comum que é a Mata Nacional do Buçaco. Não pergunte o que seria a Mata sem a Fundação, caro candidato, pergunte o que é o Buçaco com a fundação partidária que ali foi montada. Aqui, o caro candidato não sabe o que é o Buçaco, não sabe o que é património florestal, não sabe o que são os interesses do município onde mora. Pelos vistos vai ao hotel de carro e poucas vezes , pois não consta que seja cego.

Tenha vergonha de defender o estado miserável em que se encontra a Mata do Buçaco e o perigo de destruição que corre. Tenha vergonha, caro candidato , a Mata não é da Câmara da Mealhada, a Mata é Nacional e o senhor gasta o dinheiro que é nosso, que devia gastar em prol do munícipe naquilo que não nos pertence, mas sim a todos os portugueses e como tal são todos os portugueses que o devem pagar. E ainda que o quisesse fazer o seu dinheiro não chega, sabe-o tão bem como eu , e que nunca chegará. O senhor candidato promove a destruição do património Buçaco com consciência  politica plena do que está a fazer. Tem prazer ? Não sei , mas  não venha com amuos sobre os  plantadores das árvores, que se  saiba não actuam sem receber e muito menos os empresários dos mesmos , ou os que os trazem cá!! Nem os anjos do purgatório que ainda não tem o céu, vão hoje nessas campanhas dos tagarelas políticos. Está a fazer do eleitor ignorante? Mas isso era até de menos importância, não fosse a destruição da Mata Nacional que talvez nunca tenha passado por dias tão amargos como os de hoje , por que a única realidade é esta, o ciclone foi há quatro anos e a  Mata não foi recuperada. O resto é retórica partidária e de quem vence para o efeito rendimentos milionários e não apresenta serviço. Somos nós, o cidadão, que pagamos, caro candidato.Sim nós, o cidadão que ganha quatrocentos, seiscentos, oitocentos euros por mês e paga ás fundações cinco mil euros mensais para não apresentar resultados.

Isto que lhe digo pensam as pessoas e não lho dizem porque tem medo de represálias. Não da prisão, pior, é de não ter empregos ou de os perder. De perder os parcos salários que recebem para governar as famílias e pagar ao mesmo tempo vencimentos milionários a clientes partidários para fazer asneiras. E não vivemos no 24 de Abril, vivemos num 25 de Abril que nos custou a ganhar. Olhe por si e vá-se embora, era o melhor que fazia , além de politico era político e homem. Não venha outra vez de porta em porta enganar as pessoas através da gente simples que procura ou de agentes da igreja onde não vai ,para esses actos de campanha como um evangelizador a dar-nos o paraíso. O senhor candidato sabe que não fez nada, nem no Luso nem no concelho e nada vai fazer porque o país não tem dinheiro para um regabofe igual aos primeiros apoios comunitários que nos levaram áo déficit e á divida.

O partido que tão mal representa, tem que mudar de processos porque tem gente séria nova e capaz de trabalhar com afinco e dignidade em prol da população concelhia. O mundo vai mudar. O seu tempo passou, não espere que a cadeira se quebre como aconteceu ao outro. E como salvador do Luso, caro candidato, eu até sou seu amigo, vá pregar para outra freguesia porque só quem não conhece o Luso pode avaliar o achincalhar que o meu amigo faz nas afirmações politicas na cara das pessoas. Esta terra merece respeito , mais que o seu prazer brincalhão. Em política, não lhe perdoo o que faz á  minha terra e ás pessoas que ainda nela acreditam e na sua esperança de futuro.Porque o futuro continua, caro candidato , nem o candidato é o futuro nem o futuro acaba em si. E até o Luso e o concelho, hão-de continuar .

Não continue a mata-la ! Tem sido um péssimo mandato, caro Presidente !

PS-Ah, esqueci-me duma coisa , amigo salvador de pátrias, obrigado pela ótima secção ou polo da Escola Profissional que está a funcionar no Luso. Desculpe ,  já esquecia esta obra exemplar !!!

 

publicado por Peter às 15:09

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2017

AINDA O CINEMA

cinemavelho.jpg

Ora aqui  temos, ainda que de fraca qualidade, uma

imagem original do Cine Teatro Avenida do Luso

construído na primeira metade do século passado por

emigrantes do Brasil.

Como se vê é um belo edificio que caracteriza uma

época com uma arquitetura própria e exclusiva para 

casas de cinema das quais existem dois ou três

exemplares em Portugal.

A Cãmara da Mealhada é  hoje o proprietário do

imovel, comprou-o há alguns anos. Completo. 

Foi  nas suas mãos que começou a ruir, hoje o

telhado da zona do palco está em franca queda

e todo o  resto ameça súbita ruína. 

Depois de ter reconstruído  os cinemas de Mealhada

e Pampilhosa que não sua pertença, a mesma 

autarquia deixa cair o das Termas, que é de seu

património.

Porque comprou a câmara o imóvel ? 

Se não era para reconstruir que outras razões e 

interesses levaram á efectivação do negócio?

Numa câmara tão exemplarmente gerida para

que servem as ruínas como esta, como a Junta

Nacional do Vinho, entregue ás ratazanas, como

uma antiga fábrica de cerâmica na Pampilhosa

só com paredes exteriores de pé?

Será gerir bem gastar o dinheiro do municipe

desta maneira ? E para que serve o milhão de

euros gastos nas àguas de Coimbra ou um

milhão e meio para a Mata Nacional do Buçaco,

que é património alheio?

Tudo isto deixa muitas interrogações no ar,

é pena não existir uma oposição  que esclareça

estas questões junto do poder local.

 

 

 

publicado por Peter às 18:12

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2016

SALTIMBANCOS DO LUSO

RSCN4664.JPG

 Começo por pedir desculpa aos leitores pelo título que coloquei no cimo desta crónica, referente ao espectáculo que as instituições de apoio social levaram a efeito no teatro Messias em datas recentes. E peço desculpa porque o referido teatrinho, nem drama, nem farsa, nem comédia, nem revista, mas uma amálgama de tudo, representa muitas horas e muito esforço e vontade de munícipes interessados numa área de apoio social, coisa que é importante demais no contexto da profunda crise em que vivemos para que se possa esquecer ou desrespeitar. Bem pelo contrário devemos realçar os actos daqueles que meritoriamente participam gratuitamente no bem comum e distingui-los exemplarmente daqueles outros que correm por dinheiros públicos, andando atrás de tachos e panelas num frenesim maior que nos velhos tempos de Salazar. Então, havia mesmo algum comedimento, hoje não há nenhum.

Se fizermos as contas á receita do teatrinho, chamo-lhes saltimbancos referindo-me á participação do Luso, receita que suponho irá para os cofres sempre vazios das instituições de solidariedade social e a compararmos com os custos que as autarquias suportarão com as festas, iluminações e espectáculos de Natal, na sua grande maioria inúteis, essa receita, fruto do trabalho voluntário dos munícipes, será ridícula. Muito mais ridícula se a comparação for com um ano de festas e romarias ou com os subsídios ao futebol e outros desportos, estes acrescidos dos custos de construção, manutenção, energia e água das estruturas respectivas, tudo verbas que o munícipe, mercê de políticas absurdas, tem que pagar. E ainda mais ridícula se acrescentarmos os custos dos políticos e das suas asneiras, dos assessores, fundações e por aí fora, um rol de benesses criadas no pós 25 de Abril, aproveitadas por alguns, num contraste evidente com a vida da esmagadora maioria dos portugueses que se limitam a viver pouco além dos limites da sobrevivência. Neste contraste, incluem-se aqueles que vivem da esmola, da sopa dos pobres igual á de antigamente, das lojas sociais, coisas que estiveram nas razões que levaram á revolução dos cravos, hoje contrariada, explorada e esquecida por políticos que se colam como lapas ao lodo marginal de oportunidade e amadorismo.

Nesta perspectiva considero que o espectáculo que há dias decorreu no Teatro Messias não passa, para a politiquice concelhia, dum teatrinho da treta, algo que teve por objectivo os votos do ano que se avizinha para perpetuar os lugares de donos disto tudo. A presença de alguns oradores de improvisos acautelou o assunto justificando o acto. Talvez um teatrinho com nome grande, mas teatrinho pela sua própria condição de simples amadores interessados no bem comum e por isso massa capaz de gerar essa popularidade que a politiquice prontamente aproveita. Dispensava-se essa acutilância oportuna maculada por fins autoritários. Tiremos pois ás coisas aquilo que ás coisas não pertencem para separar o que é trigo do que é joio.

Brilharam os saltimbancos do Luso, eu chamo-lhes saltimbancos porque de facto são o que são enquanto a Câmara Municipal, que é da ex-freguesia da Antes, com desculpas aos naturais do lugar que nada tem a ver com isto, continuar com a sua desastrada actuação política que mete o Luso, tal como mete a Mealhada, nos alforges do esquecimento, continuando a destruição das Termas e da vila por pura omissão e a da Mata Nacional pela história do sapateiro que não tem pés para os sapatos que se dispõe calçar. Assim se compreende a ausência de representantes das duas freguesias, e outras que me não dizem respeito, no elenco partidário da área do poder, curiosamente sempre oriundos como por hereditariedade dos mesmos locais. É a democracia que temos, de chafuz !

Perante uma oposição silenciosa e acomodada, a oligarquia instalou-se neste pequeno poder, as clientelas políticas entram em pré-campanha eleitoral procurando perpetuar os seus lugares, profissionalizam o dever cívico e rebentam em festas e romarias encomendadas através de empresas e empresários pagos, intermediários do sucesso político e fazedores de imagens de candidatos. A meu ver, o exagero das festividades ultrapassam em muito o razoável, parece-me que o munícipe, cujo dia a dia não é assim tão festivaleiro, tem necessidades mais prementes, úteis e necessárias por satisfazer que bailaricos e arraiais autárquicos, a que nem o rigor dum Inverno húmido e chuvoso escapa.

Aparentemente Portugal é um país rico, os executivos, o nosso incluído, não escondem a abundância de recursos para queimar em foguetório, mas há quem receie que os gastos pré eleitorais das administrações não centrais possa vir a impedir o cumprimento das metas de Bruxelas o que nos fará voltar ao aperto do cinto para o cidadão. Também o Presidente da Republica, um homem que surpreende os portugueses pela sua simpatia, proximidade e seriedade, aconselha moderação, equilíbrio e bom senso na defesa dos interesses do país e dos mais necessitados, coisas que festas e romarias contrariam, dando proveito sim a  artistas e a bobos, quase uma constante com utilização de dinheiros públicos que diariamente pedimos de empréstimo ao estrangeiro para poder comer.

Pagando juros bem altos!

Se a procissão vai no adro como aconteceu nos bancos, não se sabe, oxalá a fatura do regabofe não venha a surgir depois, porque essa, sem dúvida seremos nós a pagar e não a ambição e cegueira dos que representam os papéis públicos com exagero de meios.

Quanto aos saltimbancos do Luso, espezinhados pelo poder local quando comprou por trinta ou quarenta mil euros o Teatro Avenida para o reconstruir, abandonando-o depois á ruina em que se encontra, esses responderam á chamada da solidariedade, cumpriram deveres que os seus representantes eleitos não cumprem nem mesmo quando recebem anualmente desta freguesia dinheiro arranjado por ela, oriundo da sua riqueza, e que dará para pôr em pé durante os quatro anos do mandato seguramente quatro teatros iguais.

Este executivo, cuja cabeça hierárquica vem da ex-freguesia citada atrás, está fora dos problemas e interesses concelhios, pouco interessado em os resolver e a sua actuação em relação a territórios como o Luso ou a Mealhada, e não quero citar outros, tem sido pouco feliz, senão mesmo desastrosa.

No caso gravoso da defesa das termas, talvez a maior potencialidade deste município, não deram um único passo na tentativa da sua recuperação ou do cumprimento dum contrato de concessão que provavelmente não é cumprido. Esta é uma inacção imperdoável, uma incapacidade que roça a completa irresponsabilidade na defesa dos interesses não só da freguesia termal, como do município, da sua riqueza, das suas mais valias e dos seus empregos. Podem contratar os assessores que quiserem que é fácil e barato, mas dificilmente apagarão a imagem dum trabalho medíocre e inexistente.

Parabéns aos saltimbancos que, ensaiando no meio da rua, deram uma digna lição de amor, solidariedade e arte cénica, mostrando que a freguesia, mesmo em condições precárias, continua a manter neste capitulo uma velha experiência de saber e qualidade, mas que corre o risco de se perder face á atitudes como estas, de autarcas com dois pesos e duas medidas num pequeno concelho de filhos e enteados.                                     

Luso,Novembro,2016                Águasdoluso.blogs.sapo.pt

 

 

publicado por Peter às 16:45

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 7 de Setembro de 2016

O TETO

DSCN4700[1].JPG

Neste Teatro que aqui vemos representou noutros 

tempos Alves da Cunha, Maria Matos, Vasco Santana,

João Vilarett,etc, e passaram inumeros filmes

que ajudaram a divertir plateias de turistas e residentes .

Lembro-me ao acaso de dois filmes, o italiano O Teto

e do americano o Comboio Apitou Três Vezes. 

BONS TEMPOS...

RSCN4703[1].JPG

Nesta foto do mesmo Teatro podemos ver não só

O Teto a cair como o próprio teatro em ruina e 

podemos afirmar que o Teatro já caiu Três Vezes,

fazendo jus ás memórias.

A Câmara da Mealhada, especialiazada em ruinas,

comprou este Teatro para cair mais vezes, porque 

três não chegaram ainda.

Essa autarquia recebe anualmente das  Águas do

Luso, cerca de 500 mil euros, ou seja, num mandato

recebe dois milhões de euros.

E o que fizeram nas Termas nesse mandato?

Uma retrete onde já existem cinco, destroem a Mata

Nacional do Buçaco e olham para as mini Termas

do Luso como se fossem um fanstasma!!!!

Se os eleitores não abrirem os olhos, o Cine Teatro

cai de certeza!!!!! 

 

 

 

publicado por Peter às 14:56

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 2 de Agosto de 2016

A INUTILIDADE DA POLITICA LOCAL

teatro.jpg

sta é uma imagem do Cine Teatro Avenida do Luso no seu estado actual, propriedade da  Câmara da Mealhada, que o comprou para o deixar cair depois de recuperar dois outros cinemas do concelho. Este Teatro era no seu tempo o de mais rica arquitectura, igual a alguns outros espalhados pelo país .Hoje  adulterado na sua parte frontal, ainda está a tempo de ser reconstruído na sua  traça original, apesar do telhado já estar a ruir sobre a zona do palco , onde chove como na rua perante a inércia e o desinteresse  da dita Câmara como da Freguesia, este último um órgão politicamente manipulado pelo primeiro .A atitude da edilidade mealhadense, é algo vergonhoso e indigno, pois há quinze anos a esta parte recebe da empresa Águas do Luso cerca de  meio milhão de euros por ano para melhorar a terra e   os seus recursos turísticos  e dessa verba não se vê rasto na freguesia. A transparência sobre o destino desse dinheiro não existe, é segredo municipal quando deveria ser explicado em pormenor ao munícipe onde se gasta aquela verba para que não restem dúvidas a ninguém. Algo estranho e intolerável em democracia. A Junta de Freguesia cala-se, as Termas estão reduzidas a um terço e os empregos foram-se. Para silenciar a desgraça,  os edis promovem festas politicamente intencionais onde gastam milhares de euros de duvidoso retorno. O Luso, na prática, reduz-se a uma fonte pública que se transformou num engarrafamento colectivo. O concessionário termal, não sabemos se cumpre ou não o contrato de concessão e o município está  preso ou vendido pelo meio milhão que recebe do mesmo concessionário. Esta situação é degradante e intolerável e não defende de maneira nenhuma os interesses dos munícipes nem do município.

 

casapovo.jpg

 N esta outra fotografia podemos ver o velho solar da Miralinda situado no centro da vila , sede da extinta Casa do Povo e da Segurança Social . O seu estado degradante deve ilustrar o que o município tem por maravilha, pois nem este órgão nem a freguesia se interessaram ano após ano pela sua decadência. Em  País rico, onde pelo menos políticos são bem pagos, é assim, vive de foguetes e lágrimas. Segundo se depreende das actas municipais, a freguesia do Luso não vai ver um tostão nos próximos orçamentos, como não tem visto nos últimos, é território para riscar do mapa. Mas há dinheiro nos cofres da autarquia para festas, para banquetes das inventadas maravilhas, para comprar toda a sucata imobiliária que aparece, casas velhas e a ruir que se vão enchendo de silvas e poluição para comprar acções na bolsa de valores e pagar indeminizações chorudas a políticos dispensados. E para outros gastos supérfluos com a produção da imagem pessoal dos eleitos. No caso do Luso, objecto deste blog, a situação é degradante e o futuro é pouco prometedor, quando em boa verdade, as potencialidades continuam a ser grandes e a existir, só a incapacidade e a falta de objectivos e vontade impedem o desenvolvimento da terra, que  infelizmnte não depende de si para avançar, mas de forasteiros que nada sabem nem pretendem saber da vertente turistica do concelho. Sabem tanto ou tão pouco, que fizeram um posto de turismo onde não há turismo, mesmo assim fizeram-no pequeno, pois há dias quis lá entrar e eram tantos os turistas que estive numa fila de kilometros e desisti das informações....Sabem daquilo a potes!!!!!!Ridiculo, como se gasta o dinheiro dos outros!!!!

Quando se chegar o período eleitoral hão-de aparecer por aí vergonhosamente para transportar os militantes um a um á mesa de voto com promessas idiotas com que os hão-de enganar, a fim de se manterem nos postos de comando que perseguem como se fossem profissionais que não são. Mas acho que vamos ficando saturados das mesmas caras e dos mesmos métodos pouco democráticos e havemos de aprender a contornar  a malapata!!!!!!

 

publicado por Peter às 10:49

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 28 de Março de 2016

SALVE-SE QUEM PUDER

IMG_003.jpg

Da revista "SALVE-SER QUEM PUDER" levada á cena

no Cine Teatro Avenida do Luso nos dias 25 e 26 de

Junho do ano de 1977 , com lotações esgotadas , um  

momento hilariante entre o chefe da estação, o chefe

Briol ou Britol e o  Martinho de Várzeas,

protagonizados respectivamente por Luis da Zenit e

António  Rocha. No segundo e terceiro dias da

representação podia haver um fogo em Varzeas que

ninguém lhe acudia.

 

          chefe Briol.jpg

Outra imagem da mesma revista e do mesmo sketch

com o mesmo chefe Briol e um turista acabado de

chegar ás Termas ,  o actor Paulo Carvalho.

Como a saudade não morre e o Luso não tem  

sala para teatro nem cinema , há que exigir à Câmara,

que  não comprou o Teatro Avenida para capoeira, que

respeite o Luso e reconstrua o espaço histórico para

uso da sua população. Das Águas do Luso, na última

dezena e meia de anos, já recebeu dinheiro suficiente

para fazer vinte cinemas. Onde gastou essse

dinheiro que  pertence éticamente á freguesia

do Luso ???

 

 

 

 

 

 

publicado por Peter às 23:33

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 12 de Maio de 2015

TEATRO

 

DSC_0006[1]

O telhado do Teatro Avenida ...no Luso !

Haja um pouco de respeito pelo património comum !!!!

É vergonhoso o estado a que chegou esta estrutura !!!!

Não podemos calar a voz da nossa revolta perante o

abandono a que foi votado o edificio!!!!

(Um grupo de amigos ex-amadores de teatro)

publicado por Peter às 17:47

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 16 de Abril de 2015

REVISTA

caiador.jpg

(Ferraz, o pintor, Aurora, a rapariga, Santos, o Compere)

 

-Olha lá Manel, onde é que vais com tanta pressa?

-Em cumprimento de ordens da Câmara pintei as casas todas

do Luso, agora vou pintar a Câmara , que bem precisa.

 

 ( revista Alto Lá Com  Isso , oficialmente Costa do Sol em Festa)

em 12/13-janeiro-1963,Cine Teatro Avenida-Luso)

publicado por Peter às 21:12

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 20 de Março de 2015

O CINEMA ESTÁ A CAIR

001.JPG

Há três ou quatro anos a Câmara da Mealhada comprou o

Cine Teatro Avenido do Luso, com intenções, presumimos,

de o recuperar. Custou trinta ou quarenta mil euros a sua

aquisição numa época em que a própria Câmara se dedicou

á compra de sucata imobiliária que, como esta, não se sabe

hoje para que foi adquirida. O que acontece é que , como

mostram as fotos juntas o imovel já começou a cair , e como

no orçamento municipal nada consta para o seu arranjo,

isto apesar dos quinhentos e mais mil euros  que a

autarquia recebe  anualmente  e há quase vinte anos das

àguas do Luso pelos centimos doados em cada litro de

água vendida no mercado. (havemos de contar para que

se saiba, donde e como veio este dinheiro que não se

gasta no Luso)

003.JPG

Não se percebe a finalidade destas aquisições nem tão

pouco o  estado de desinteresse que paira sobre o Luso , 

a sua freguesia  e a sua actividade turistica, uma zona que

nos parece votada ao abandono , depois da derrocada

termal em que o próprio  municipio da Mealhada colaborou

com interesses desconhecidos.

Ao empedramento da terra, sucede-se o inacabar de outras

obras, alguma santa Engrácia  desabençoou o lugar  que

nem um representante político possui nas forças

vencedoras das eleições, consequentemente, do mando. 

 

 

publicado por Peter às 18:53

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2014

VELHO TEATRO AVENIDA

cinema.jpg

  Imagem actual do velho Teatro cuja renovação tarda !

Há três ou quatro anos a autarquia município comprou o Cine Teatro Avenida do Luso com o  intuito expresso de o reconstruir dentro duma  clara estratégia de recuperação o que  aliás vem fazendo com o reaproveitamento do Teatro Messias e do cinema  da Pampilhosa. Quanto ao do Luso, há por aí quem argumente que a destruição pura e simples seria a melhor solução, porque está fora de moda  e de clientes. Claro que pode ter alguma lógica esta argumentação, mas ela  não foi a lógica utilizada para os dois cinemas já recuperados, um a funcionar com prejuízo permanente, outro num acabar de obras  que irão seguramente desaguar no mesmo prejuízo financeiro. Podemos multiplicar até por trezentos municípios deste país este prejuízo hospitalar! Mas espanto-me com estas teorias apoiadas em cegas opiniões  e fico a duvidar perante o velho adágio se há ou não há fumo sem fogo, quanto ao Luso.

Se fossemos basear as recuperações e muitas obras que se tem feito país fora nesta questão da sustentação monetária, nomeadamente os cinemas, mas também as piscinas e os pavilhões, os arquivos e as bibliotecas, os relvados e as praias fluviais, museus  etc, etc, não se teriam efectuado na sua maior parte, não por serem inúteis, mas porque o país não cria riqueza suficiente para a sua manutenção  e sustento. Esquecemo-nos que antes da casa se faz um alicerce e esta opção por equipamentos ao quilo,  discutível é certo, tem levado os municípios á revitalização de estruturas que tem assumido um  âmbito nacional  e isso parece-me suficiente   para exigir a finalização da estratégia que tem sido seguida pelo município da Mealhada.  A freguesia do Luso, depois do total desacerto que levou á minimização das termas  e á deslocalização da indústria sem qualquer  contrapartida, não pode ficar mais uma vez a ver navios pendurada num poder que  raramente percebe os problemas específicos da localidade. O teatro Avenida do Luso também tem a sua história, mas mais que isso ele é uma memória de gerações. Ali se realizaram espectáculos e sucederam acontecimentos que fazem parte do presente que somos. Ali funcionou durante décadas uma espontânea escola de teatro que hoje, entre saudades e anseios, aguarda um palco para continuar. Coisa que nos recorde, vem  de gerações anteriores de bisavós, avós e pais. Esvaziar a memória das populações é matar na sua génese os costumes, a cultura, a sua alma, levando as sociedades  ao vazias dum passado esquecido. A memória colectiva é espelho do que fomos e  visão do que seremos, cordão umbilical que nos une como agregado. Ali está a experiência, a sageza, o ensinamento, o erro, valores comuns que são de todos. Ainda que muitas vezes, de forma inconsciente,  são a hereditariedade atávica dos nossos antepassados. Poucos, é certo, mas bem caracterizados. Hoje, não se pode pensar uma sala exclusiva para cinema, mas numa sala polivalente ou multiusos, onde se possam fazer congressos e reuniões, exposições e encontros, variedades e projecções de cinema e  meios audiovisuais, uma sala ao dispor da população para ensaiar e levar á cena  as suas peças de teatro, um local  aberto e ponto de cultura. Uma sala que, pelas vicissitudes do tempo, o Luso deixou de ter.  Uma sala onde preserve memórias e dê azo às suas intervenções. As terras são as suas gentes, as suas promiscuidades, os seus desejos, os seus sonhos, não matemos com desrespeito pelo que fomos, o que continuamos  e querem continuar a ser. Muita coisa falta no Luso, não destruam mais um pedaço do espaço que nos pertence. É preciso exigir essa pertença.          

Gota, Dezembro,2014  

 

publicado por Peter às 14:10

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.as minhas fotos

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. O CANDIDATO EGOISTA

. AINDA O CINEMA

. SALTIMBANCOS DO LUSO

. O TETO

. A INUTILIDADE DA POLITICA...

. SALVE-SE QUEM PUDER

. TEATRO

. REVISTA

. O CINEMA ESTÁ A CAIR

. VELHO TEATRO AVENIDA

. REVISTA

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. ♥ Lay all your love on me...

.links

.as minhas fotos

.bandeira

badge
blogs SAPO
RSS