Segunda-feira, 4 de Setembro de 2017

FOI ABAIXO...

011.JPG

Mais velha que todos nós, sem apelo nem agravo

foi abaixo por ordem da Câmara da Mealhada...

Sem hipóteses!!!!

Manda a democrácia !!!!

 

 

publicado por Peter às 22:04

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Domingo, 28 de Maio de 2017

O CANDIDATO EGOISTA

cinemavelho.jpg

 A  PROPÓSITO DUMAS PALAVRAS A UM JORNAL

( Declarações do Presidente da Câmara da Mealhada ao Jornal da Bairrada on line que ao que se diz é subsidiado pela própria câmara ))

 

È interessante ler esta entrevista política dum homem responsável que se tornou um político irresponsável. O que aqui diz ou manda dizer pelo assessor que pagamos com os nossos impostos, deve ser para brincar na cara do cidadão e o do Luso, que me toca porque ali vivo e como dali sei, passa as raias da imbecilidade política. O descaramento politico é tamanho que leva a dizer o contrário do que na realidade  se passa e quem conheceu as Termas e as vê hoje sabe que são completamente irreconhecíveis. Aquela que já foi a maior freguesia empregadora do concelho, hoje não tem um emprego para oferecer a ninguém. De facto, nunca assim esteve em 165 anos de termas.

O Salvador do Luso, como já foi etiquetado o candidato á camara da Mealhada , de quem infelizmente a freguesia depende, começou a campanha eleitoral e a única coisa séria que devia fazer era calar-se ir-se embora pois envelheceu e com ela, ao que parece, as capacidades para ocupar o lugar político foram-se e sobreveio-lhe um onda para elogiar não o Trump, mas uma coisa parecida.

Ironicamente, o Luso deve  agradecer–lhe a riqueza em que vive, como confessa o próprio, referindo-se à fundação Bissaya Barreto, os únicos empresários  da terra que lhe mereceram preocupação e o apoio da Câmara, apesar dos lucros, se os tiverem, irem para Coimbra. Devemos agradecer-lhe igualmente o posto de Turismo, pois pelos vistos, confirma o próprio, seria sua intenção fecha-lo, substituindo-o pela aberração dum turismo na Sede do concelho onde os visitantes são tantos que ninguém consegue entrar. Já sabíamos que a intenção era essa , fechar o posto desde que o turismo é turismo e que existe na região  centro, o Luso, o Buçaco, a Curia, a Figueira da Foz. A tacanhez concelhia , aquilo a que eu chamo falta de sentido ou de cultura critica e amor ao chão do berço, apaga a grande cidade e o candidato afirmou que este Luso Buçaco deixou de ser um recurso turistico, vá-se lá saber o que o é, se o não é também a Curia , Monte Real ou a Figueira, o autarca o saberá. E decreta por seu punho e voz publicamente tal qual lhe parece a coisa.

Quer o Luso quer o concelho, parece que devem agradecer a defesa das Termas a este homem que um dia começou por ser seu defensor  com arruadas abrilinas e dias depois trocou a defesa politica das mesmas Termas por serviços prestados ao proprietário termal.  Disse tudo.O Luso deve-lhe agradecer a defesa do Bloco da Fisioterapia, suou estopinhas para defender a sua permanência na vila face á sua total transferência para a Mealhada. Mente quando diz que fez a reabilitação urbana do Luso ou construiu a nova Escola , não foi ele, foi o exercício anterior, no Luso o candidato fez uma retrete pública na melhor entrada do Lago , nos quatro anos de mandato.

O Luso-Buçaco deve-lhe agradecer a representação digna que tinha nas Feiras de Turismo de Lisboa ou de Madrid ia por sua mão e agora já não vai , porque foi agora apeado pelas  maravilhas mealhadenses, uma estúpida representação de turismo que só poderá existir na sua cabeça de político, pois na realidade  o leitão é gastronomia, o vinho enologia e a água é para beber. O que será pois

turismo para o político, a lagoa da Antes ou o odor das pocilgas da Mealhada?

Porque as Termas foram encolhidas, praticamente extintas com  licença camarária, o Luso deve agradecer-lhe consequentemente, o fecho dos bancos, dos correios, das pensões, dos negócios onde nem os chineses se seguram no lugar! O senhor candidato esqueceu o que fez enquanto presidente ou não se lembra que além de festas não fez mais nada ? Quando na campanha anterior prometeu apoio ás pessoas, queria dizer fazer festas, homenagens, heróis, ilustres, sábios, condecorados ?

Valha-nos Deus , valha-nos Zeca Diabo! Enganou-se completamente com a experiência política que adquiriu onde andou pela mão partidária que apoia e não apoia,  agora até cá traz um primeiro ministro do qual foi opositor quando se candidatou a secretário geral do seu partido. Ou não será o seu partido? Para secretário nacional não servia, agora serve para lhe branquear a imagem. As voltas que o teto dá para se manter empoleirado. Não tem sentido, não é a figura política que o Luso ou o concelho precisam.

Mas continuando, as Termas  devem agradecer-lhe o cinema , a ruina que está a cair. O dinheiro que recebe da freguesia por litro de água vendido não é suficiente para reconstruir o velho Teatro Avenida?  É suficiente para o da Mealhada, da Pampilhosa e para o Luso , não é ?  Não  pagamos impostos como os outros ? Somos cidadãos de segunda, ou o candidato anda a fazer de nós parvos? Mantem o segredo da política por onde gasta o dinheiro que recebe do litro de água vendido, que fique claro,  foi o Luso que lho deu para gastar prioritariamente na freguesia. Se não se lembra, eu conto-lhe a história . E o Luso não sabe, não é informado, não merece que lhe diga onde é gasto, e nem um tostão cá deixa?  E mais, o candidato sabe que não tem direito a ele, a empresa pode retirar-lho a qualquer momento que a concessão é do Estado, não da Câmara.
O Luso deve agradecer-lhe ainda a ruína da casa da Miralinda, da Avenida do Castanheiro, ou o incentivo ao Centro Social Nocturno, o acesso ao parque de campismo , a piscina dos campistas ou o parque de estacionamento...e a quinta do Alberto.

O Luso, senhor candidato , o Luso e Portugal, devem agradecer-lhe o crime patrimonial que andam a perpetuar no património comum que é a Mata Nacional do Buçaco. Não pergunte o que seria a Mata sem a Fundação, caro candidato, pergunte o que é o Buçaco com a fundação partidária que ali foi montada. Aqui, o caro candidato não sabe o que é o Buçaco, não sabe o que é património florestal, não sabe o que são os interesses do município onde mora. Pelos vistos vai ao hotel de carro e poucas vezes , pois não consta que seja cego.

Tenha vergonha de defender o estado miserável em que se encontra a Mata do Buçaco e o perigo de destruição que corre. Tenha vergonha, caro candidato , a Mata não é da Câmara da Mealhada, a Mata é Nacional e o senhor gasta o dinheiro que é nosso, que devia gastar em prol do munícipe naquilo que não nos pertence, mas sim a todos os portugueses e como tal são todos os portugueses que o devem pagar. E ainda que o quisesse fazer o seu dinheiro não chega, sabe-o tão bem como eu , e que nunca chegará. O senhor candidato promove a destruição do património Buçaco com consciência  politica plena do que está a fazer. Tem prazer ? Não sei , mas  não venha com amuos sobre os  plantadores das árvores, que se  saiba não actuam sem receber e muito menos os empresários dos mesmos , ou os que os trazem cá!! Nem os anjos do purgatório que ainda não tem o céu, vão hoje nessas campanhas dos tagarelas políticos. Está a fazer do eleitor ignorante? Mas isso era até de menos importância, não fosse a destruição da Mata Nacional que talvez nunca tenha passado por dias tão amargos como os de hoje , por que a única realidade é esta, o ciclone foi há quatro anos e a  Mata não foi recuperada. O resto é retórica partidária e de quem vence para o efeito rendimentos milionários e não apresenta serviço. Somos nós, o cidadão, que pagamos, caro candidato.Sim nós, o cidadão que ganha quatrocentos, seiscentos, oitocentos euros por mês e paga ás fundações cinco mil euros mensais para não apresentar resultados.

Isto que lhe digo pensam as pessoas e não lho dizem porque tem medo de represálias. Não da prisão, pior, é de não ter empregos ou de os perder. De perder os parcos salários que recebem para governar as famílias e pagar ao mesmo tempo vencimentos milionários a clientes partidários para fazer asneiras. E não vivemos no 24 de Abril, vivemos num 25 de Abril que nos custou a ganhar. Olhe por si e vá-se embora, era o melhor que fazia , além de politico era político e homem. Não venha outra vez de porta em porta enganar as pessoas através da gente simples que procura ou de agentes da igreja onde não vai ,para esses actos de campanha como um evangelizador a dar-nos o paraíso. O senhor candidato sabe que não fez nada, nem no Luso nem no concelho e nada vai fazer porque o país não tem dinheiro para um regabofe igual aos primeiros apoios comunitários que nos levaram áo déficit e á divida.

O partido que tão mal representa, tem que mudar de processos porque tem gente séria nova e capaz de trabalhar com afinco e dignidade em prol da população concelhia. O mundo vai mudar. O seu tempo passou, não espere que a cadeira se quebre como aconteceu ao outro. E como salvador do Luso, caro candidato, eu até sou seu amigo, vá pregar para outra freguesia porque só quem não conhece o Luso pode avaliar o achincalhar que o meu amigo faz nas afirmações politicas na cara das pessoas. Esta terra merece respeito , mais que o seu prazer brincalhão. Em política, não lhe perdoo o que faz á  minha terra e ás pessoas que ainda nela acreditam e na sua esperança de futuro.Porque o futuro continua, caro candidato , nem o candidato é o futuro nem o futuro acaba em si. E até o Luso e o concelho, hão-de continuar .

Não continue a mata-la ! Tem sido um péssimo mandato, caro Presidente !

PS-Ah, esqueci-me duma coisa , amigo salvador de pátrias, obrigado pela ótima secção ou polo da Escola Profissional que está a funcionar no Luso. Desculpe ,  já esquecia esta obra exemplar !!!

 

publicado por Peter às 15:09

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 24 de Maio de 2016

ABRIL,42 ANOS DEPOIS

DSC_0019.JPG

 In Illo Tempore, diria Trindade Coelho, houve uma revolução que se chamou 25 de Abril. Revolução sem o ser efectivamente , á boa maneira portuguesa as coisas são e não são em simultâneo. Em 2016 passaram sobre o assunto quarenta e dois anos e se ainda há quem se lembre e comemore comodamente o movimento dos capitães, são aqueles que tomaram lugar no comboio da nova classe de políticos auto profissionalizados, de facto dos poucos que vieram a beneficiar do evento e a aproveita-lo a seu favor ao criar uma teia de partidos políticos de pouca qualidade a qual manipulam a seu gosto e interesse, uma espécie de sindicato sem lei ou uma corporação da nova era com os mesmos defeitos e malefícios duma antiga união nacional. A diferença, está no partido único oficial que a democracia substituiu por meia dúzia de novos partidos para ocupantes de idênticos lugares, os que colocam os interesses partidários e pessoais antes dos interesses do povo português. São por isso mesmo aqueles que, desde a Assembleia da República até ao mais pequeno dos municípios, se aprontam a festejar com os mesmos dinheiros utilizados pelo partido único antigamente, a efeméride, em formalidades oficiais que o cidadão vê de longe ou através das notícias das televisões. As coisas são o que são.

Mas a distância entre este cidadão e o poder é igual á distância que existia no 24 de Abril e se na demagogia da política actual a liberdade supera a civilização, eu lembrarei que a liberdade de hoje, sem liberdade económica, não existe. Quarenta e dois anos depois a fome e a caridade fazem parte dum universo que supera dois milhões de portugueses e isto é uma chaga insuperável nos festejos patrióticos que mostra á evidência o insucesso do nosso percurso político que culmina num ordenado mínimo assustador de quinhentos euros por mês, dois algarismos permanentes na taxa do desemprego, uma economia descapitalizada e frágil, um deficit público e privado que ultrapassam a razoabilidade do bom senso e bancos aspiradores dos dinheiros de todos nós, pagantes de todos os crimes de luva branca que se tem verificado nas últimas décadas. Em vez de manifestações talvez fosse preferível arregaçar as mangas para fazer melhor. E julgar alguns culpados.

Confesso que o 25 de Abril foi o sucesso mais importante da minha experiência politica como cidadão e o acontecimento pátrio que mais me emocionou enquanto vivi e acreditei no ideário herdado da generosidade dos capitães de Abril. Acreditei na democratização, na modernização da nossa sociedade, na justiça social, na honestidade política, numa transformação profunda que nos elevasse á condição da cidadania europeia na total dimensão do que era a comunidade em construção, a Europa de Jean Monnet, Schuman ou Dellors. De facto, á esperança e á bondade dos cravos juntava-se mais esta caminhada por uma integração no espaço europeu como veio a acontecer, do qual se tem recebido um substancial apoio financeiro cuja aplicação, pela parte que nos toca, tem sido mal orientada, o que nos levou á situação de bancarrota permanente que ameaça Portugal .

O amadorismo dos políticos, a corrupção, a venda e o aniquilamento do tecido económico, as negociatas escandalosas e impunes, a transformação dos partidos em seitas de clientelas e oportunistas sem capacidades nem competência, a desregulamentação duma banca que se tornou num tumor constante para a saúde financeira do país, o proliferar duma cultura do terceiro mundo por parte de canais televisivos e uma discrepância abismal cavada nos rendimentos entre ricos e pobres, atirou-nos para a mão de credores neo liberais inconsistentes e fundamentalistas.

Entre outros fenómenos da nossa sociedade como o desemprego, a nova e mais qualificada emigração para uma juventude qualificada e o impensável regresso duma sopa dos pobres para milhões de cidadãos, é o que há para comemorar? Será que se festeja o abismo, a corrupção e a falta de seriedade a que chegamos? A hipocrisia não tem de facto limites!

Luso,25 de Abril,2016                                  ÁguasdoLuso.blogs.sapo.pt

        

 

publicado por Peter às 18:28

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quarta-feira, 16 de Março de 2016

ÁGUA QUINTA MARAVILHA

018.JPG

 H á dias a Câmara Municipal inaugurou um posto de turismo na sede do concelho. Já aqui disse, essa é a minha visão das coisas, que faz mal, o posto de turismo deve ser na freguesia onde estão os recursos e melhorar o existente seria a única forma séria e útil de servir os interesses concelhios. É óbvio que não há lugar para dois postos de turismo, esta ideia é um erro da política local, senão mesmo um erro camuflado para matar um deles. É fruto  de estreiteza politica e da falta de massa crítica para fazer avançar processos de desenvolvimento do território como o nó ferroviário da Pampilhosa que não passou de conversa enquanto eram feitos o de Cacia e Vila Verde., ou classificar o Buçaco no património da Unesco, processo que já devia ter avançado e ser hoje realidade sustentada e não a mesma promessa de há vinte anos atrás, agora com descrédito acrescido. Em substituição destes projectos de desenvolvimento de mais complexa execução, fazem-se vazias manifestações de coisa nenhuma como essa das maravilhas, que nada acrescenta a um sector já de si bastante degradado ou multiplicam-se pavilhões para festas e casórios!

Acabar com a poluição do nosso espaço ambiental que se tornou crónica, outro problema grave, não está no horizonte da autarquia, incapaz de o solucionar eleição após eleição, bem como a execução dum espaço de golf fora do lugar próprio, e que deveria ser alterado para a figura de um projecto intermunicipal de 18 buracos a implantar entre dois municípios capaz de o tornar possível em custos de construção e manutenção.

Projectos como estes,  bem como um projecto de incentivos para a criação de empresas de inovação e valor económico para os espaços industriais fariam andar para a frente o município ,seria bem mais útil que a multiplicação descontrolada de estruturas destinadas á angariação de votos, cujos custos são sustentados pela autarquia. Qualquer município precisa de ter riqueza para haver redistribuição pelas famílias e pelos bens estruturais, mas nós, genuínos fazedores de improvisos, fazemos o contrário começando a casa pelo telhado e não pelos alicerces o que põe em sério risco um futuro sustentado.

A defesa das Termas do Luso e do famoso complexo negociado com a autarquia, o Luso 2007 que incluía umas hipotéticas fábricas de produtos afins no hipotético parque industrial de Barrô com entrada de now out , criação de riqueza e de empregos, que deveria ser defendido até às últimas consequências, não passou afinal por de mais um balão de ensaio para usar e deitar fora que conduziu ao desmantelamento da estância termal do concelho e da vila do Luso, esta nos seus retoques finais em morte lenta. Um ciclo de facilidades e contradições da política local que está longe de se poder interpretar nas suas variadas nuances e hiatos , mas extremamente errático para não dizer irresponsável.

Noutras áreas, o que tem feito a autarquia é concentrar o pouco que há em seu redor no centro administrativo do município, em vez de, como neste caso do posto de turismo, instalar um posto das Rotas do Vinho e do Leitão aumentando a visibilidade daqueles produtos nativos chamando-os pelos nomes próprios e não por um remark sem originalidade, as quatro maravilhas, uma mensagem nula. De resto o produto e os serviços já são suficientemente bons para serem chamados pelo nome próprio e não integrados num folclore paroquial destinado a umas jantaradas entre políticos. Hoje, nos tempos da net e do GPS, mais um posto de turismo é perder tempo e dinheiro, quando se pode instalar um posto com o mesmo fim e vantagens num site adequado como se faz  mundo fora. A não ser que se batalhe pelo turista pé rapado ou pelo excursionista do garrafão em vias de extinção que nada deixam pelos lugares por onde passam. Não me admira nada esta filosofia depois que  vi alguém iniciar-se  pela feira do Cartaxo há alguns anos atrás.

Mas acontece, e isto é bastante curioso, que nestas maravilhas está incluída o pão e a água. O pão, produto que é difícil encontrar na fabricação local e água que, suponho, não será a do velho e bonito chafariz que fica atrás do edifício inaugurado, mas presumo seja a do Luso. É que dois dias depois da inauguração dessas maravilhas e do posto de turismo, passei pela delegação de saúde do concelho e consultando o relatório das águas das nascentes verifiquei que a água da nascente da Fonte de S. João do Luso está imprópria para consumo. Sobressaía em letras maiúsculas do relatório das análises oficiais assinado pela senhora Delegada de Saúde no expositor público da própria Delegação, IMPRÓPRIA.É a água que eu bebo, eu e os meus conterrâneos e os que acidentalmente , e são muitos. ali vão encher garrafas e garrafões. A ser esta a maravilha em causa, pergunto-me, como é possível um município inaugurar um posto de turismo onde figura a maravilhosa água,  imprópria para consumo!? E fico-me por aqui para minorar alarmes, entendendo no entanto que são factos que não se podem calar ad eternun como vem acontecendo. Na minha modesta opinião, depois de quinze anos de experiência em que andei gratuitamente envolvido no sector com o mesmo gosto e amor com que escrevo estas linhas no jornal, esta é a negação total do turismo! Ou uma brincadeira de mau gosto!

Escamotear a verdade escondendo ardilosamente os factos reais e a falta de qualidade, é a melhor maneira de espantar o turista que, hoje em dia exige, além duma informação acessível e rigorosa, qualidade das ofertas e preços competitivos. Vender gato por lebre, mesmo que seja por descuido, não é coisa tolerável. Mas foi assim que se inaugurou o posto de turismo, e se apresentou na Feira do Turismo de Lisboa este concelho, já não o LUSO-BUÇACO, mas umas quatro incógnitas maravilhas!  

Será esta água uma quinta maravilha ou estava já incluida? Fica a pergunta.

Mealhada,1 de Março, 2012.       Águasdolusoblogs.sapo.pt

 

 

publicado por Peter às 22:45

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sexta-feira, 4 de Março de 2016

A BTL DO LUSO-BUÇACO

114.jpg

AOS LUSENSES

Hoje a Junta de Freguesia cá da terra colocou a circular um

panfleto protestando contra o encerramento anunciado do

único banco existente na freguesia. O caso não é para causar

admiração bem pelo contrário, a admiração só pode estar no

facto de não ter fechado há mais tempo. O Luso continua

a ruir . Começou pela estação, a camionagem,

o cinema, as pensões,o Casino ,o seu café, o salão,

fisioterapia,  a sede da sociedade das àguas, a transferência

do engarrafamento pelas estradas municipais, a venda do hotel

dasTermas ,o Correio, a Caixa de Crédito,e agora naturalmente

o banco. Eu pergunto o que tem feito o concessionário termal,

Câmara  e a própria Junta  de Freguesia, para que isto 

não acontecesse? 

Mas podemos juntar mais coisas a estas actuações

politicas. Como se sabe as Termas  não estão a servir

os  interesses do Luso mas apenas dum hotel e  a Mata

Nacional do Buçaco, foi municipalizada, em Fundação

isto é andou de cavalo para burro, de património dum país,

para património duma Câmara sem meios e que nem um

concurso faz para lá meter quem quer. A sua aposta no

património  da humanidade que devia ter começado há

dez ou quinze anos está ainda na voz desacreditada dos

politicos e a  água da fonte de S.João continua ora

imprópria ora não própria porque não há  capacidade 

na autarquia para  resolver o   problema como não

há  para resolver a questão dos  cheiros crónicos e

não tem, porque não quis, um vereador do Luso para

não o aturar. 

Além disto,não se mexe um dedo a favor  duma solução

para as Termas nem pelo retorno do bloco de

fisioterapia e muito menos  para uma estratégia para

colocar em causa o  cumprimento ou não cumprimento

do contrato de concessão das águas, que aparentemente

 não está a ser cumprido  e é necessário saber se está

ou não está. Quem, senão a Câmara?

O orçamento municipal , apesar de ainda há  pouco tempo

ter relembrado os acordos Luso Contrexeville,que dão

ao municipio milhões de euros não tem verba nem 

obras para o ano corrente dentro da freguesia,

isto é, em 2016 não se  vai fazer nada, e ainda hoje,

num total desrespeito e ignorância para  com  o Luso,

e os empresários de turismo, acabou -se com a marca

LUSO-BUÇACO na Feira de Turismo de Lisboa, o que

me parece mais grave do que a saída do  banco pois é

um sinal  claro de que estão a trabalhar com inteiro 

conhecimento e com a o opção de retirar a freguesia

do mapa do turismo trocando-a por quatro ignoradas

maravilhas que tem servido apenas para umas

jantaradas politicas sem qualquer resultado visivel.

Finalmente inaugurou na sede do concelho um posto

de turismo  cuja finalidade é a curto ou médio prazo

fechar o do Luso-Buçaco.

Estas politicas são  erradas,  presumidamente com

propósitos pouco claros e próprias de quem não 

entende um minimo da matéria neste sector.

E o que tem feito a Junta de Freguesia cá da terra? 

É a pergunta que faço e fica  sem resposta, sem

deixar de advertir os leitores para a máxima do

povo, quem cala, consente.

E nós, finalmente, o que fizemos   nós todos,

eleitores ,para que isto não acontecesse?

Quanto ao panfleto, assinem mas esqueçam,

os panfletos postumos não servem para nada .

Hoje vai o banco e a continuarmos assim, 

acomodados e sem reagir com zanga e amor á terra,

amanhã  começam a ir as poucas familias que restam

por via do  trabalho e do sustento   obrigadas a governar

a vida fora de portas.

Como lusense, ou burriqueiro, mas também como municipe

estou absolutamente indignado !!!!

 

 

publicado por Peter às 23:08

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sábado, 20 de Fevereiro de 2016

ONDE ESTÃO OS CÊNTIMOS DAS ÁGUAS ?

 

contrexcasino1.jpg

 F oi no mês de Outubro do já longínquo ano de 1988 que se assinaram, primeiro em Contrexeville, depois no Luso, os acordos de geminação entre as duas povoações termais, Luso e Contrexeville, cujo principal traço de união consistiu exactamente no facto de serem ambas estâncias termais e possuírem em simultâneo engarrafamentos  e venda de água. Contrex, um gigante francês em produto e tecnologia, o Luso um pigmeu ibérico cuja qualidade da água de mesa superava e supera a sua congénere gaulesa. Na freguesia do Luso governava o partido popular democrático, o velho PPD, que acumulava também com o poder na Câmara. Foi pois o PPD local que conduziu e assinou os protocolos de geminação, de oito a 16 de Outubro com uma delegação do Luso em Contrexeville, de 26 a 30 do mesmo mês com uma delegação de Contrexeville que se deslocou ao Luso.

Estavamos ainda frescos de entrada na CEE mas os protocolos foram elaborados entre ambos os parceiros beneficiando da sabedoria e experiência dos franceses já mestres na matéria. Faziam parte dos acordos a troca de pessoas, de experiências autárquicas e fabris, de alunos e professores das escolas, de manifestações culturais e desportivas, colóquios, e abria-se ao mesmo tempo uma porta gigantesca para a Europa que para nós, fechados e esquecidos há dezenas de anos neste rabo do mundo, era um enigma para onde se emigrava á procura de trabalho e sobrevivência. E fizeram-se de facto algumas trocas, não tantas nem tão frutuosas como se poderia sonhar, mas mesmo assim foi uma porta que se abriu e nos colocou á disposição um mundo novo, o da cooperação e amizade entre povos, onde se deve destacar o papel da responsável pelo Comité de Jumelage francês, Simone Paulmier, grande amiga de Portugal, do Luso e do Buçaco, e do leitão, cuja pujança e vontade de fazer empurrou muitas vezes a nossa atávica inércia em movimento expresso em trocas e contactos constantes e se mais não se fez foi porque nem sempre houve pessoas, sobretudo da nossa parte, dispostas a participar nos encontros, manifestações e viagens que se fizeram.

Este pequeno historial vem a propósito dum resultado obtido, os centavos ou tostões que se conseguiram obter das águas do Luso por cada litro de água vendido no mercado: Foi uma ideia retirada do acordo das águas francesas, traduzida para o português do Luso e depois tornada pretensão pela Mealhada, Câmara. De facto, começamos a notar que Contrex, uma pequena cidade mais ou menos do tamanho do Luso, possuía estruturas e equipamentos urbanos de excelente qualidade, um ótimo campo de futebol relvado, um belo pavilhão coberto, um bom cinema, hipismo, uma moderna escola. etc. E perguntamo-nos como tinha a autarquia   local, a mairie, tanto poder financeiro para realizar tais obras, sabendo então em pormenor através da nossa companheira de geminação Simone Paulmier  e pelo marido Micchel, do contrato existente entre a sociedade das águas de Contrexeviile e a autarquia, da qual esta recebia uma pequena percentagem em francos por cada litro de água posta no mercado. Aprofundada a questão e incitados pelo Comité francês a tentar  a mesma solução, fez-se a ideia e preparou-se o acto, com a autarquia Câmara a entrar  neste processo mercê da legislação portuguesa que descrimina negativamente as freguesias e não lhes permite assinar estes negócios. Foi assim que o então autarca da Câmara, aproveitando a oportunidade do litígio que decorria no tribunal de Anadia entre autarquia e SAL, conseguiu, e bem, meter os centavos litros de água vendidos no acordo que fez, roubando-nos a ideia ou aproveitando o trabalho feito pelos autarcas do Luso para beneficiar o município. Eticamente é dinheiro é da freguesia do Luso, visto que só o facto da divisão administrativa não permitir que o fosse na prática. Preparado e cozinhado por autarcas das termas, hoje é das deliberações dos políticos que estão na sede do concelho que depende, onde o Luso, por ironia, poucas vezes tem lugar por força dos compadrios e dos logros partidários onde tem caído a cegueira dos eleitos. São recebidos para cima de meio milhão de euros anuais, que em cerca de quinze anos de concordata já somarão qualquer coisa não muito longe de oito ou nove milhões de euros. É muito dinheiro, que nem de perto nem de longe a Câmara investiu na estância termal. Onde gastou então esse dinheiro o município? A pertinência da pergunta leva-me sem rebuços a pô-la aqui claramente. Já que não é gasto no Luso como era justo que fosse, não seria minimamente exigível dar conhecimento aos órgãos autárquicos que deram voz á ideia e proporcionaram a sua elaboração, os autarcas do Luso, particularmente freguesia, turismo e até ao velho PPD que assinou a geminação, onde se gastou e gasta esse dinheiro? Não seria obrigação dos eleitos tornar público o seu destino em prol da clareza de processos? Porque se fará da verba, um segredo de Estado? Silenciosos, secretos e dogmáticos, sucessivos executivos municipais calam-se, calando com a mudez a essência da própria democracia. Saberá hoje a gente da freguesia do Luso e os eleitores do concelho que a Câmara recebe para cima de meio milhão de euros anualmente por via dos acordos de geminação Luso-Contrexeville? Dos eleitos locais quem interroga a Câmara sobre o destino que dá a esta verba? Como cidadão do concelho, parece-me que deveríamos saber o que fazem os que elegemos a essa significativa verba. A democracia é a gestão com clareza e limpidez, sem amuos, sem secretismos e muito menos sem sectarismos, com correcção e informação aos munícipes do que se passa á sua volta. A democracia é paga por todos nós e aberta ao conhecimento de todos, uma coisa está implícita na outra, sem cidadãos não há democracia. Aqueles que elegemos estão ao serviço do cidadão e não o contrário, como parece acontecer!

Gotenborg, Fevereiro,2016                                  Águasdoluso.blogs.pt

publicado por Peter às 23:44

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 12 de Janeiro de 2016

OS BANQUEIROS DO POVO

 

RSCN4532[1]

S e o ano que acabou acabou mal, o que entra, entra pior, com o estoiro do Banif, mais um banco que rebenta como castanhas na boca. Como o Bes, pouca gente sabe porque rebentam os bancos nas mãos largas um Povo que afinal nem é perdido nem achado nos negócios dos banqueiros nem nos desastres que se verificam entre essa laia de gente. Um povo que vive mal, com sacrifícios, dificuldades, fome até, a quem tudo tiram e nada dão, que nada sabe acerca da falência dos ricos mas que é a primeira e única vítima dessa coisa a que chamamos banqueiros, como dessa outra a que chamamos bolsa, outro brinquedo dos graúdos ou outras coisas como  duzentos e tal marmelos medalhados  que se divertem a brincar com aviões e tanques em guerras da Nintendo.  

Isto porque se tornou um uso do capital nacionalizar os bancos quando lhes falta o dinheiro. Se fossem comunistas a faze-lo cairiam o Carmo e a Trindade, porém, sendo os traficantes deste mundo é uma boa acção. Em qualquer dos casos o banco passa para o Estado com a única diferença do Estado fazer pagar ao contribuinte a recapitalização do banco para o restituir ao banqueiro falido, enquanto no caso dos comunistas o banco ficaria na mão do Estado. Tecnicamente a manobra é esta, depois acolitada por uma série de regras de democracia de obus, tecnocracia do chanfalho, justiça unilateral, de imoralidades, de roubo e de ética nem se fala. Vale tudo. Ao caso do Banif acrescenta-se a chantagem inadmissível dum banco comprador, que desvaloriza o banco que quer comprar através de notícias intencionais dum seu canal televisivo, uma operação descarada e quiçá fraudulenta.

Ora a verdade, desde que existe banca, os primeiros bancos europeus, vem dos tempos do San Giórgio da Republica de Gènova , criado em 1407, do Banco di Napoli  em 1539 o Monte Dei Paschi di Siena, 1568, do Berenberg da Alemanha, em 1590, entre outros, eles foram  instituições  do foro privado e sujeitas, como qualquer outro negócio ás regras do mercado , da oferta e da procura , dos danos e dos lucros. O genovês San Giorgio prestou os seus serviços aos reis de Espanha e Portugal com empréstimos para a epopeia das descobertas e não consta que os reis os tenham protegido para além do normal pagamento dum juro, algumas vezes apoiados, no caso de Portugal, por contratos de concessões por avanços para novas terras. Esta é aliás a normalidade do negócio bancário dentro do conceito ainda actual dos direitos de cidadania e da igualdade de tratamento e oportunidades entre o cidadão. O que se faz para além destes limites está fora da deontologia da actividade bancária e dos deveres institucionais das nações, que tanto tem a ver com compra e venda de dinheiro como com compra e venda de beterrabas ou açúcar. Não passará pela cabeça de ninguém que o Estado vá nacionalizar um carregamento de cana que se perdeu num naufrágio para salvar o importador da contingência ocasional. O mesmo não deverá fazer com bancos nem banqueiros.

Porque beneficia então este das mãos largas do cidadão para lhe pagar os prejuízos do negócio, talvez sujo, corrupto, criminoso? Apenas porque a promiscuidade entre dinheiro e política atingiu níveis intoleráveis de desonestidade, a especulação proporções criminosas, a circulação fiduciária o descontrole, a globalização anarquizou as relações e off shores ou paraísos fiscais servem de capa à sujidade da moeda, da droga, do roubo, do tráfico de escravos , de órgãos ou da prostituição, da fuga aos impostos e outros crimes comuns. O mundo tornou-se um casino, palavra que em língua italiana significa confusão e os Estados, com mais ou menos corrupção, deixaram de cumprir as leis constitucionais. O velho mundo do San Giorgio mudou como mudou o aval das barbas dum D. João de Castro ou as cordas familiares de Egas Moniz. Hoje compra-se a palavra, a alma, a honra e os altares. O que acontece em Portugal com os bancos é gravíssimo, quando o dinheiro injectado neles com o sacrifício e a dor de todos nós, desaparece sem rastos e a verdade dos negócios envolvidos nunca virá á tona, nem os actores serão julgados pelos crimes contra a Pátria, que é disso que se trata.

Que diferente dos últimos anos oitenta, quando uma pobre mulher, Maria Branca dos Santos de seu nome, montou banca em Alvalade para ingenuamente enganar alguns incautos, sob o letreiro pomposo de A BANQUEIRA DO POVO.

O que já era mau, mas à luz dos novos tempos, nem aprendiz de aprendiz chegava a ser !!!!!

 

 

 

 

 

publicado por Peter às 20:10

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2015

DE LUSO

 

 RSCN4497[1]

Quando a apresentação do livro em título chegou ao fim, um velho lusense que já tinha pedido a palavra por três vezes, concluiu em público que não estava esclarecido sobre o uso da preposição de ou da contracção da preposição e artigo/pronome demonstrativo do, para nomear ou definir a terra, ou seja, de Luso ou do Luso, tal qual como de Porto ou do Porto, de Madeira ou da Madeira. A verdade é que o livro não tratava, ou não trata desta matéria, o livro do Nuno Alegre pretende tratar do Luso na vertente de outro saco, esse que diz respeito ao negócio do turismo e hotelaria que é ao mesmo tempo o negócio do Luso há exactamente 163 anos e que está como se sabe, em maus lençóis. O autor, que aborda o assunto de forma temerosa e diplomática, tem interesses e paciência que eu não tenho, até porque a idade já não me permite tê-la e coloca uma série de questões ou desafios tendentes a chamar a atenção para recursos hipotéticos, para desafios especulativos, para, com um pouco de imaginação e filosofia sonhar uma realidade de que o Luso precisa com urgência para se manter no trilho que, há século e meio iniciou e que os tempos modernos abruptamente cortaram. Há que fazer ou refazer alguma coisa!

Foi por isso que quando o antigo lusense, é mais simpática a semântica, não entendeu a questão de ou do, eu associei ao assunto o próprio documento escrito que acabávamos de folhear e que á primeira vista não é um livro histórico embora fale de história, não é um livro de economia embora seja economia, não é um livro de turismo embora tenha um objectivo turístico, não é um livro de markting embora o pretenda ser, não é um livro filosófico nem politico, embora diga respeito a essas e outras áreas. Mas é quanto a mim, parafraseando Pessoa, um livro do desassossego e do desespero por que passam as termas do Luso, a sua hotelaria, a sua gente, a sua sobrevivência. O livro responde com uma atitude positiva, activa e dirigida a um amanhã que terá de se encontrar de qualquer maneira se, repito se, os políticos que gerem esta coisa a que alguém chamou geringonça, também lhe poderia ter chamado submarino, sintonizarem o interesse nacional, a seriedade, a competência e dignidade, olhando para as pessoas do seu país antes de repararem no umbigo de si próprios, dos amigos, do partido, dos bancos e da corrupção.

Se porém continuarmos com este espírito canalha, anárquico e reviralho da primeira republica, adeus viola, Portugal não sai do tremendo défict publico e privado que lhe faz vergar os costados perante a voz dos credores e a crise que teremos pela frente será cada vez pior. E depois, não há Mários Draguis todos os dias para nos lançar uma bóia de salvação quando a corda aperta a garganta antes do afogamento. Por sua intercepção, como dizem dos santos os religiosos, ainda vamos nessa bóia com o gargalo de fora e não pelas boas gestões de governos inconscientes, mentirosos e pouco honestos.

O livro parece-me uma pedrada no charco. Útil? Tem a grande virtude de não se acomodar aos factos. De apontar vias e desafios quanto a mim exageradamente especulativas mas isso, o futuro o dirá. Pessoalmente, acredito mais depressa numa recuperação das termas que na descoberta dum mosteiro da Vacariça desaparecido há mil anos ou nos cacos duns romanos sob a avenida Navarro. Parado como está o motor contratual do desenvolvimento os vestígios dum recomeço ainda não existem.

Mas acredito ao mesmo tempo que sem uma estratégia municipal de forte apoio e forte empenho pelos interesses da terra, das gentes e dos munícipes, sem segredos, sem mentira e sem balões de ensaio, não há caminho possível e neste campo, por distracção, desconhecimento, ou outros interesses colaterais, os prenúncios da governação local não são nada animadores. Mas isto, merece por si só um comentário próprio.

Luso,1 de Dezembro, de 2015                                           Águasdoluso.blogs.sapo.pt

 

 

publicado por Peter às 18:36

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015

SAGA TERMAL

fisio.jpg

 Voltando á  vaca fria (ver posts anteriores) , as Termas

do Luso desenvolveram-se como diz a história e o o contrato de 

concessão   desde 1852 /54 até chegar a uma fase em que tiveram 

um balneário de 1ªclasse,balneário de 2ª classe, bloco de

fisioterapia, um hotel Termal , mais de mil camas em unidades

hoteleiras do Luso-Buçaco e finalmente a promessa dum SPA

que não se chegou a cumprir, uma tal  excelência chamada  

Luso 2007. Com pompa e circunstância foi anunciado !!!!

Esta tal coisa era um projecto sério  (?) e com base nele foram

transferidas  as instalações fabris para outra freguesia

utilizando as estradas municipais , que é o mesmo que  dizer as

estradas dos municipes.

 

compete.jpg

Hoje,  termas remodeladas conforme tabuleta informativa da União

Europeia na frente da porta principal, contas feitas 

a concessionária  termal investiu  1. 610 (um milhão seicentos

e dez mil euros) e a CEE , nós portugueses incluidos, investiu

1.889 (um milhão oitocentos e oitenta e nove mil euros).O custo

total da obra foi de 3.499, três milhões e meio, arredondando.

Este dinheiro dos portugueses serviu para reduzir o espaço das

Termas a um terço do que era .Esteve cerca de um ano exposto

e bem visivel ao publico o projecto da obra no muro da 

estrutura virado para a rua, mas  parece que ninguém viu.

Reabertas com o nome de clinica , hoje tem apenas um pequeno

balneário de 1ª classe e a chamada piscina velha, que vem desde

o principio do século passado XX. O balneário de 2ª existe, mas foi

doado á Fundação  Barrete, digo, Barreto,o bloco de fisioterapia

que estava aberto todo o ano com milhares de utentes, nunca

mais abriu.Ouvimos dizer que o movimento termal está a aumentar

mas na terra poucos vêm os termalistas e as inumeras pensões 

estão de portas fechadas. Ninguém  pode acreditar nos

numeros transmitidos pelo concessionário quanto à quantidade

de utilizadores a não ser que sejam como aquela série televisiva

de grande  êxito que se chamou homem invisivel! DE resto, eles

nem caberiam no terço  das termas que restou para os receber.

No corrente mês de Setembro tive na mão uma ficha de inscrição

dum  crónico  teimoso que ainda vem por saudades, e a 

respectiva  inscrição não chegava ao numero quinhentos,nada

do aumento que é anunciado !

A talho de foice, no ultimo ano em que encerraram as termas

para  as obras comparticipadas, isto em pleno inicio duma

época balnear,tiveram 1.600 inscrições. Como é possivel afirmar

que as  termas do Luso, agora uma clinica, estão a aumentar??

019.JPG

Tudo leva a crer que ao concessionário interessa apenas a venda

da água engarrafada e as termas , que sustentam  o Luso e 

o concelho, que se lixem ! ( com perdão pelo termo),  pois até 

um programa de animação termal que era  da responsabilidade

do concessinário  passou, legal, ou ilegalmente, duvida-se,

para a autarquia local, a Junta de Freguesia que agora o paga.

Bom, este estado de coisas não interessa  à freguesia do Luso,

não interessa ao municipio da Mealhada, não interessa ao distrito

de Aveiro, não interessa à região ,ao país ou aos portugueses!!!

Como é possível a autoridade nacional que gere o subsolo e

as subsequentes concessões,a  começar pela Direção Geral de

Energia e Geologia , suponho, comer  esta sopa á colherada

sem pôr em causa a concessionária das águas e das termas??

Que contrato de concessão é que se está aqui  a cumprir quando

os indicadores conduzem ao definhar termal , da povoação, do

minicipio, das pessoas etc,etc,etc....Claro que devia ser

avaliado o cumprimento ou eventual incumprimento do contrato!

Somos um país rico ou será que há donos inatacaveis no usufruto 

do património comum?

 

publicado por Peter às 22:12

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 8 de Setembro de 2015

TERMAS DO LUSO

 

DSCN4319[1].JPG

Depois do post anterior mostrando o arranjo do Chafariz demos dois

passos atraz e abrimos campo a nova fotografia e a imagem é esta. 

Explicando :

o Chafariz  recuperado está atrás desta guarita de 

sentinela usada pela  Àguas do Luso/Cerveja Heineken no tempo

em que tinham medo dos ladrões. Hoje é propriedade da Fundação

Bissaia Barreto que pelos vistos não tem dinheiro nem sensibilidade

para mandar pôr abaixo este exemplar restante do que tinham por

turismo termal. É que isto situa-se na prática no hall exterior das

Ex-Termas do Luso,hoje Clinicas Maló, por isso o local ideal para

despejar o lixo. Mas há mais...como se vê na fotografia seguinte:

DSCN4317[1].JPG

 Este edificio que se situa exactamente atrás da guarita anti roubo

é o que resta do balneário de segunda, quando as termas

tinham um balneário de 1ª classe e um balneário de 2ª classe.Também

foi doado á Fundação Barreto pelo concessionário das  Àgua do Luso,

dando assim cabal cumprimento ao contrato de concessão cujo objectivo

é o desenvolvimento das termas .Este recuo é evidente que não cumpre

o contrato, mas isso para os  políticos e pseudo  governantes deste

país não tem qualquer importância. Somos ricos e isso basta para nossa

felicidade  e bem estar. Basta dizer , sublinhe-se!!!!

Quanto às termas actuais, comparativamente com estes outros tempos,

nem mini termas chegam a ser!!!

Que país é este afinal ????

publicado por Peter às 21:15

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.as minhas fotos

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. FOI ABAIXO...

. O CANDIDATO EGOISTA

. ABRIL,42 ANOS DEPOIS

. ÁGUA QUINTA MARAVILHA

. A BTL DO LUSO-BUÇACO

. ONDE ESTÃO OS CÊNTIMOS DA...

. OS BANQUEIROS DO POVO

. DE LUSO

. SAGA TERMAL

. TERMAS DO LUSO

. MILAGRE !!!!!!!!!!!!!!!!!...

. UM LUSO POLITICO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. ♥ Lay all your love on me...

.links

.as minhas fotos

.bandeira

badge
blogs SAPO
RSS