Domingo, 27 de Janeiro de 2013

ALDEIA ELEGANTE

 

M eu amigo. Conheço o Bussaco há largos anos, e não só a cerca dos carmelitas mas também a cinta de povoações e logarejos  que o circumdam e lhe matizam as faldas. Luso e Bussaco foram em tempos já remotos o centro das minhas digressões e o retiro das minhas férias grandes.

   Mas fazem differença as duas epochas; cinco lustros de intervallo alteram tudo radicalmente. Luso é hoje uma aldeia elegante, o Bussaco uma formosa matta modelo;e noutro tempo a primeira era uma pinha de cabanas toscas afogadas em viçosas searas, o  segundo uma floresta espessa de sombras crepusculares. Os mesmos banhos tão afamados parecem outros; vemos um palacete  em vez d’uma choupana, tinas de mármore, para onde jorram as aguas por torneiras de bronze, em vez de tanques de madeira, onde brotavam espontaneas  as lymphas salutiferas.

  Levanta-se também hoje um soberbo obelisco , comemorando as glorias do nosso exercito em 1810; mas o monumento que as recordava era dantes a capella das Almas, destelhada pelas explosões e esburacada pelas balas.

  Quando me dirijo ao Bussaco pelo caminho de ferro da Mealhada ou em commoda carruagem pela estrada de macadam , em vez de me bifurcar na alimária asinina que noutros tempos me conduzia por máos caminhos e íngremes ladeiras, ainda assim, apezar das commodidades que gózo, lembro-me com saudade dos incommodos preteridos, e quasi que prefiro a antiga rusticidade do povoado , a matta fechada e a capella- monumento.

  E porque será assim?!...Será pelos perfumes da mocidade, que então me inebriavam a alma, pelas tintas mimosas que me coloriam o quadro da vida?...è por isso, é. E a montanha também era nova, assim como a aldeia. E parece que envelheceram ambas. E que as enfeitaram e arrebicaram para lhes disfarçarem as rugas senis!...

   Quando saímos da cidade para viver vida montezinha, parece-me contrasenso transportarmos connosco os palácios e regalos urbanos; e , peior ainda, abatermos as arvores seculares para desbastar o caminho ás traquitanas de luxo. Uma casa nobre numa várzea de milho não é menos desproporcionada que uma casa de colmo em calçada sumptuosa; o desequilibrio é o mesmo. E derrubar as florestas  e desfazer as sombras, entornar o sol no intimo recesso dos bosques é desacato capital, que a razão reprova e o bom gosto condemna.

    E fui-lhe falar em bom gosto… Não há coisa mais avessa ás obras modernas do Bussaco…Crucificaram-no, coitado, depois de o terem arrastado pela via da amargura. A Fonte Fria foi o seu calvário.

  (  Gomes de Abreu ,carta dirigida a Augusto Mendes Simões de Castro, 1847, Guia Histórico do Bussaco, Coimbra, Imprensa da Universidade,1875,Grafia original ,titulo adaptado pelo autor do blog )

publicado por Peter às 18:52

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
1 comentário:
De Annallegra a 28 de Janeiro de 2013 às 15:20
Olá Peter,

Vejo uma veemência no teu blog espetacular, como consegue? Excelente conteúdo, depois passo para visitar os demais blogs. Parabéns!

P.S. Posso add? Bj

Anna

Comentar post

.mais sobre mim

.as minhas fotos

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
29
30
31

.posts recentes

. A FONTE AUTÊNTICA

. UMA CASA

. PORTUGAL A ARDER

. FAVELA

. FOI ABAIXO...

. ADEGA DO ADELINO

. Ladeira do Chafariz

. CHAFARIZ

. SOBRE ACÁCIA

. ENGOLIR SAPOS VIVOS

. FOGO QUE ESPREITA

. FOGOS,LÁGRIMAS DE CROCODI...

. “NOMINA SUNT CONSEQU...

. O CANDIDATO EGOISTA

. PÁSCOA ; UM FANTÁSTICO FO...

. AS TERMAS

. AINDA O CINEMA

. ALICE

. SALTIMBANCOS DO LUSO

. O SEXTO WC DO LAGO

. O TETO

. FOGOS

. BREVE HISTÓRIA DUM FOGO

. A INUTILIDADE DA POLITICA...

. LUSO , ADEUS CLÍNICA DEN...

. EPPUR SI MUOVE!!

. ÁGUA IMPRÓPRIA

. ABRIL,42 ANOS DEPOIS

. PONTOS NOS iii

. FONTE DE S.JOÂO

. ...

. TURISTAS AOS MOLHOS

. SALVE-SE QUEM PUDER

. ÁGUA QUINTA MARAVILHA

. PROPRIEDADE DO ESTADO

. A BTL DO LUSO-BUÇACO

. LUSO,ÁGUA IMPRÓPRIA

. ONDE ESTÃO OS CÊNTIMOS DA...

. DIARIO DUM PAIS RICO

. A RUÍNA DAS TERMAS

. OS BANQUEIROS DO POVO

. A ESPERA DO NATAL

. DE LUSO

. SAGA TERMAL

. TERMAS DO LUSO

. CHAFARIZ

. CAI E NÃO CAI...

. POSTAL 1945

. TEATRO

. REVISTA

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. ♥ Lay all your love on me...

.links

.as minhas fotos

.bandeira

badge
blogs SAPO
RSS