Sábado, 13 de Setembro de 2014

LUSO-CERTIDÃO DE NASCIMENTO

 

Capela de S.João Evangelista (séc XVIII) e lavadeiras em plena nascente.

T anto quanto se sabe, a certidão de nascimento do Luso tem a data de 1064, recolhida num inventário de vilas e lugares entre Vouga e Mondego, pertenças do Mosteiro da Vacariça, onde se refere, entre outras, a "villa de Luso, que fuit de Abba Noguram cum su ecclesia vocábulo Sancti Tomé". Desta primitiva paróquia da Vacariça desliga-se o Luso em 1834 quando da execução dos forais da Terceira, e mantém-se independente até à actualidade. 

Terra de água, floresta e milheirais, foi a partir de meados do século XVIII que as virtudes do precioso liquido foram propagandeadas, tendo contribuído para tanto o Dr. José Morais, da Lameira de S. Pedro e o Dr. Costa Simões, entre outros. Por aquela altura escrevia-se que, "abaixo duma copiosíssima fonte de água fria, rebenta um olho de água quente, a que chamam o banho". Em 1837, referenciavam-se no local cinco barracas de madeira, que a Câmara da Mealhada substituiu por uma casa de alvenaria, no ano seguinte.
A excelência da água, a pureza, a mineralização, a radioactividade, as propriedades terapêuticas que abrangem um grosso leque de aplicações em tratamentos renais, reumáticos, hipertensão. respiratórios ou do stress, canalizaram para o Luso grande número de banhistas, fenómeno que despoletou um crescimento acelerado da pequena aldeia, a que não foi alheia a acção do jornalista, ministro e conselheiro, Emídio Navarro. Tem um busto erguido na avenida de seu nome .
Do património arquitectónico, destaca-se a Igreja Matriz com esqueleto do século XVII, donde se salienta escultura da Virgem com o Menino ( Nª Srª do Rosário), do mesmo século, uma capela baptismal com retábulo seiscentista e uma imagem de S. Silvestre. em pedra, do sec. XV. A igreja foi refeita em finais do séc. XIX sob o impulso de Navarro, donde lhe vem a torre sineira com traço dum arquitecto suíço. Na Fonte de S. João, ou das onze bicas, há uma capela dedicada a S. João Evangelista datada do séc. XVIII com uma pequena imagem do santo, em madeira, do tipo corrente e do mesmo século.
De referir alguns edifícios modernos pelo seu porte e valor, como o palacete do Marquês da Graciosa, hoje  Hotel Alegre, o"chalet" de Emídio Navarro, o Hotel das Termas, traço do arquitecto Cassiano Branco, o Centro de Férias do Inatel ex-Hotel Lusitano,ex-Hotel da Carolina, a Art Nova do Casino e algumas "villas" ainda hoje existentes.
No Buçaco, o Palácio Hotel, obra do arquitecto e cenógrafo italiano, Luigi Manini, encomendada no último quartel do século passado para pavilhão de caça do rei D. Carlos, é um monumento neo-manuelino de cantaria coimbrã, que, enquadrado no ambiente sereno e acolhedor da mata constitui um quadro de rara beleza e motivo de visita de inúmeros nacionais e estrangeiros. Nas galerias exteriores, merece destaque a azulejaria do artista Jorge Colaço. Mas também o complexo herdado dos frades carmelitas, Mosteiro e Via Sacra, com esculturas da paixão de autoria de Costa Mota, Sobrinho, são um património considerável. No interior da igreja conventual, chama a atenção um retábulo de Nª Sª do Leite, óleo de Josefa de Óbidos. (ardeu  completamente em 1913 por incuria da Fundação Buçaco) 
A serra do Buçaco, que domina a região, aparece já como ponto de referência numa doação feita por Gundezindo ao Mosteiro de Lorvão no ano de 919 e, rebuscando no tempo, as "trilobites" do lugar de Louredo, são testemunhos fossilizados do Silúrico, bem no berço da criação do mundo.
Em 1628, a Ordem dos Carmelitas Descalços. entendeu fundar um cenóbio nas encostas da serra, e assim nasceu o Mosteiro de Santa Cruz do Bussaco, cuja vida monástica teve início  em 1630. Aos frades que aqui penitenciaram, se deve muito da actual riqueza da floresta, um parque botânico impar na comunidade europeia.
Em 1810, nas vésperas da Batalha do Buçaco, o Convento serviu de hospedaria ao Duque de Welington, e foi ponto de apoio da renhida luta que se travou nas imediações. Relembram-se todos os anos, em 27 de Setembro, os acontecimentos decorrentes das invasões napoleónicas, que opuseram no local as tropas anglo-lusas ao exército francês e no Museu Militar pode verificar-se o espólio da batalha.
Hoje a freguesia é  (era) uma estância termal de nomeada, possui (possuía) um bem apetrechado centro de fisioterapia, bom equipamento hoteleiro, salas de congressos e exposições, posto de turismo, museu, banco, piscinas, ténis, campos de tiro e futebol. É servida pela estação dos caminhos de ferro da Beira Alta, via electrificada com ligação à Europa e dista sete quilómetros da auto-estrada Lisboa -Porto, com bons e rápidos acessos a qualquer uma destas cidades, bem como a Coimbra, Aveiro, Viseu, Guarda ou Salamanca.
Industrialmente, de anotar ainda a exploração da água mineral de mesa, a conhecidíssima Água de Luso, que é hoje o maior empregador do concelho da Mealhada.
Administrativamente pertence ao distrito de Aveiro, confinando nos seus limites com os distritos de Coimbra e Viseu. Dela fazem parte os agregados populacionais de Barro, Buçaco, Carpinteiros, Carvalheiras Lameiras de S. Pedro e Stª Eufêmia, Louredo, Luso, Monte Novo, Salgueiral e Várzeas. Os antigos lugares de Moinhos e Venda Nova fazem hoje parte do tecido urbano do Luso. Em termos jurídicos pertence à Comarca de Anadia e religiosamente à Diocese de Coimbra. Teve por oragos S. Tomé, S. Silvestre e actualmente a padroeira é a Sr'ª da Natividade. Existe na igreja matriz um retábulo dos finais do séc. XIX com a imagem da Santa em madeira de  tipo corrente.  FS

publicado por Peter às 23:52

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Terça-feira, 9 de Setembro de 2014

FUMOS TÓXICOS

 Na foto os fumos tóxicos e a Cruz Alta do Buçaco, em fundo. Cem metros

á frente um centro de estágios desportivos e para a esquerda as Termas

do Luso . Duzentos metros atrás o engarrafamento das àguas de mesa

Luso, Luso sabor, Luso Sumos, Luso Formas...Foto de 9/9/2014

Conheci o velho Alcides Branco no ano de 1968 no Clube Feirense. A sede era na rua principal da então Vila da Feira, um pouco abaixo da Câmara onde a rua estreitava entre o casario e se compactava com uma multidão no dia da procissão das fogaceiras. Caía ali o Carmo e a Trindade com as vinte e uma freguesias e faziam-se naqueles dias largas centenas de fogaças para dar resposta á procura do mercado que batia records de vendas ano após ano. A vida era tranquila á sombra do castelo, do tribunal e da igreja, três edifícios símbolo erguidos na colina medieva onde nasceu o burgo.Aquele Clube Feirense, que nada tinha a ver com o Feirense da bola, reunia uma pseudo aristocracia local seleccionada pelo estrato social, pelo comportamento e pela indumentária e um destacado membro era sem dúvida o Alcides dos azeites, industrial de lagares. O zelador do clube abria as portas á noite e com alguma solenidade se entrava no salão, uma espécie de clube inglês á moda de Julio Verne, com o seu Phileas Fogg e o seu Passepartout, na volta ao mundo em oitenta dias, um filme com David Niven ,  Cantinflas  e a inesquecível Shirley Mac Lain , princesa Aouda ,que então corria nos cinemas. A sala principal, pesada, silenciosa, tinha no meio uma mesa de bilhar e nos cantos mesas de pano verde para os jogos da sueca, damas, xadrez ou gamão. Uma estante de estilo sóbrio em pesada madeira de carvalho, guardava alguns livros de Julio Dinis, do Eça e do Camilo, além dos diários Comércio do Porto e do Janeiro obras e jornais á disposição dos sócios daquela agremiação onde surgi como hóspede da renovada pensão Ferreira.

 

Ao professor Manuel Zagalo fiquei a dever essa entrada na seleta tertúlia, depois de muita teimosia da sua parte e foi na sua companhia que frequentei algumas vezes o Clube. Numa delas apresentou-me o Alcides Branco, um homem alto e magro, solene, bem vestido, dialogante e milionário. Simpático nas palavras saudou a minha chegada como um sopro de juventude aos anais da colectividade, mas de facto nunca passei a sócio, o clube rondava em média o dobro da minha idade e na realidade nada me dizia aquela cívica frequência.

 

Hoje é dos herdeiros do velho Alcides a ‘fabriqueta’ destiladora de bagaços a que chamamos da baganha de Stº Eufêmia e que faz o favor de nos inundar a atmosfera de fumos, vapores de benzeno e cheiro rançoso, juntando-se a outros destruidores das termas do Luso com a pestilência desta poluição ambiental para quem, entidades que vão das Policias á Câmara da Mealhada, à Secretaria de Estado do Ambiente, às Direcções Regionais e Nacionais do Turismo , à CCRC, entre outras, tem sido impotentes.

 

Foi assim que o meu velho conhecido Alcides Branco, ou dos Azeites, um homem que na altura me pareceu acessível e correcto, sério e cumpridor na fiança do professor Zagalo, deixou por morte esta pesada herança e havia de caber ao Luso, uma vez mais, acomodar o prejuízo do desastre sobre os seus negócios e pessoas! Isto perante a nulidade das entidades responsáveis, incapazes, inoperantes ou colaborantes, talvez por linhas travessas não alheias à política, de fazer cumprir a lei. Mais uma evidência clara de dois pesos e duas medidas no concerto do saque a que o país assiste, plasmado na impotência. Se alguma coisa mais faltasse à destruição das Termas e da terra, era a obrigatoriedade de usar máscaras para sobreviver aos gases tóxicos que se espalham pelo ar. E afinal, por falta de autoridade capaz de suspender a laboração ilegal duma xafarica que não cumpre a lei vigente nem cumpriu os compromissos de filtrar as instalações a que se obrigou pela mesma lei!Ao poder, se existisse poder, bastava a interrupção da licença ou cassa-la em definitivo. Mas os poderes perderam o sentido de Estado e de nação, do bem comum e das responsabilidades por troca com a impunibilidade total na coisa pública. Há uma dúzia de anos seguramente que andamos nisto! Gozando duma libertinagem que obriga o cidadão a usar máscaras, tanto contra poluidores de chaminé, como contra governantes eleitos que dia a dia desgovernam a vida de cada um. Mesmo camuflados, vai ser difícil sobreviver entre resíduos tóxicos de tanta proveniência.                           Luso,Agosto,2014

 

 

 

publicado por Peter às 20:57

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?
Sábado, 6 de Setembro de 2014

LUSO-INVENTÁRIO DE DOAÇÂO

 

 CÓPIA DO DOCUMENTO

 Notitia de villis vaccarice-inventarium voucam et mondecum.

Era MCII.

 Notum facimus de villas que sunt de monasterio de vaccariza inter vouga, et mondeco território collimbrie, id sunt villa nova que fuit de gundisalvo Moniz et testavit eam filius suus frojula gunsalvis ad vacarizam.Villa de musarrus com sua ecclesia que fuit de abbate lovegildo ab integro per suis terminis.Eccleziam vocábulo sancti cucuvati cum adjectionibus suis. Villar de correixe cum sua ecclesia vocábulo  sancti  martini. Et in sangalios,villa que fuit de elias exabala, ubi se avelanas infundit in certuma,Villa barriolo cum ecclesia vocábulo sancti mametis cum adjectionibus suis.

Villa moronganos ad integrum.Villa Tamengos cum sua ecclesia vocábulo sancti petri, que fuit de abba gaudio.Villa orta ad integrum.Villa arinios.Villa ventosa integra.Vinea de abba lodemiro.hic in ventosa de cepiis integra.Villa eilantes integra cum sua ecclesia vocábulo sancti felicis.In villa alfavara.Ecclesia vocábulo sancti chistofori.In villa mortede ecclesia vocábulo sancta maria , adjectionibus suis. Et in villa de magistro montagueime monasterio vocábulo sancti petri.Villa freixenedo ad integrum ecclesiam vocábulo sancta eolalia in ripa certome.Villa vimeneira ad integrum.Monasterium de lauredo adintegrum.Sancta xpri cum adjecrionibus.Villa canellas ad integrum.Villa de luzo,que fuit de abba noguram cum sua ecclesia vocábulo sancti tome.Ecclesia voccabulo sancto pelagio de varzenas.Monasterium de trazoi,quod fuit de abba trazoi.Sancta xpri de mortalogo.Monasterium de sourio ad integrum.Ecclesia sancti salvatoris de collimbria.

 (Livro Preto da Sé de Coimbra, fls 36-Era de 1102 (ano de Cristo de 1064)

 

NOTA:Trata-se dum inventário incompleto de bens pertencentes aos Mosteiro da Vacariça , feito no ano de 1064, ano da reconquista de Coimbra  aos mouros por Fernando I, o Magno, e objecto duma carta de doação escrita por Diogo Gelmires cónego da Igreja de S.Tiago , que foi outorgada em 1094, trinta anos após a conquista da cidade. Governava o território conimbricense o alvezir D. Menendo, em nome do Conde da Galiza D.Raimundo.

O inventário refere povoações da Bairrada, Luzo, Varzeas, Monsarros, Vimieira, Arinhos, Vimieira, etc, e é o primeiro documento escrito fidedigno a referir o nome do Luzo. Esta é, por enquanto, a verdadeira certidão de nascimento da hoje vila do Luso escrita em língua latina. FS

publicado por Peter às 13:28

link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.as minhas fotos

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. PORTUGAL A ARDER

. FAVELA

. FOI ABAIXO...

. ADEGA DO ADELINO

. Ladeira do Chafariz

. CHAFARIZ

. SOBRE ACÁCIA

. ENGOLIR SAPOS VIVOS

. FOGO QUE ESPREITA

. FOGOS,LÁGRIMAS DE CROCODI...

. “NOMINA SUNT CONSEQU...

. O CANDIDATO EGOISTA

. PÁSCOA ; UM FANTÁSTICO FO...

. AS TERMAS

. AINDA O CINEMA

. ALICE

. SALTIMBANCOS DO LUSO

. O SEXTO WC DO LAGO

. O TETO

. FOGOS

. BREVE HISTÓRIA DUM FOGO

. A INUTILIDADE DA POLITICA...

. LUSO , ADEUS CLÍNICA DEN...

. EPPUR SI MUOVE!!

. ÁGUA IMPRÓPRIA

. ABRIL,42 ANOS DEPOIS

. PONTOS NOS iii

. FONTE DE S.JOÂO

. ...

. TURISTAS AOS MOLHOS

. SALVE-SE QUEM PUDER

. ÁGUA QUINTA MARAVILHA

. PROPRIEDADE DO ESTADO

. A BTL DO LUSO-BUÇACO

. LUSO,ÁGUA IMPRÓPRIA

. ONDE ESTÃO OS CÊNTIMOS DA...

. DIARIO DUM PAIS RICO

. A RUÍNA DAS TERMAS

. OS BANQUEIROS DO POVO

. A ESPERA DO NATAL

. DE LUSO

. SAGA TERMAL

. TERMAS DO LUSO

. CHAFARIZ

. CAI E NÃO CAI...

. POSTAL 1945

. TEATRO

. REVISTA

. TURISMO

. CHAVES VIVE/LUSO MORRE

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. ♥ Lay all your love on me...

.links

.as minhas fotos

.bandeira

badge
blogs SAPO
RSS